segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

A Copa da Amoreira vai Balançar...


Qualquer um de nós gostaria de poder viver mais realisticamente a experiência de se saber orientado por Deus em cada empreitada da vida.

Davi teve uma infância de muita humilhação, ele não era valorizado pela sua família. Satanás não se importava com ele, pois ele não era ninguém. Porém um dia Deus aponta para Davi e diz: Este será o rei de Israel!

Quando Davi foi ungido rei e empossado no trono, viu-se sob ameaça de ataque fulminante de seus inimigos figadais, os filisteus. Estes arquitetaram um plano de ataque e Davi se mobilizou para o contra-ataque. E este, carecia de estratégia bem-feita, planejamento seguro, para que a empreitada não derreasse em fracasso. Fracasso significaria chacina de seu povo. 


Davi quando foi ungido rei em toda Israel, fez com que a oposição, ou seja, seus inimigos levantassem contra ele. Infelizmente, isso é uma realidade até nos dias de hoje. Quando Deus ungi seus servos como pastor, missionário, evangelista, ou até mesmo abençoa com uma boa promoção a um filho dele em uma empresa, os inimigos levantam-se contra! 

Os Filisteus quando souberam que Davi tinha sido ungido rei em Israel resolveram ir contra Davi com seu exército para prendê-lo.

“Ouvindo, pois, os filisteus que Davi fora ungido rei sobre Israel, subiram todos para prender a Davi; ouvindo-o desceu à fortaleza.” (II Sm 5:17). 


Já vimos que a fortaleza, a cidade de Davi, Sião, era o local onde Davi havia ido habitar. Ao saber que os filisteus se reuniam para ir guerrear contra ele e que estavam no vale de Refaim, Davi, em primeiro lugar, foi para a fortaleza.

Temos ido para a fortaleza antes de enfrentarmos o inimigo, que, se puder, nos engolirá vivos ou temos displicentemente ido ao seu encontro sem estarmos devidamente revestidos da armadura de Deus? Não podemos ir para a batalha contra o adversário desprotegidos e despreparados! 
A palavra fortaleza significa: Fortificação, lugar fortificado para defesa militar em ponto estratégico, ou abrigo, proteção, segurança. A palavra fortaleza hoje é no sentido figurado. Pode ser casa, igreja, ou um lugar estratégico.
Davi desceu à fortaleza, ao centro da proteção, onde estava o trono, a habitação do rei, onde as muralhas o cercavam, onde havia firmeza de um alicerce bem estruturado. Na luta contra o mal, não devemos crer nas fábulas e invencionices da “Teologia da Batalha Espiritual”, com suas “unções de óleo” com helicópteros, com suas “demarcações de território” com urina e tantas outras “neobesteiras”, mas, sim, irmos ao encontro do Senhor no aposento, na madrugada, buscando a face do Senhor, orando no Espírito, meditando nas Escrituras, santificando-nos a cada instante, a cada momento, a fim de que, cheios do Espírito Santo, purificados pelo sangue do Cordeiro e sabendo manejar a espada do Espírito, possamos vencer o inimigo.

Após ter descido à fortaleza, Davi não se deixou levar pela sua popularidade, nem tampouco pela unidade e respeito que havia conquistado em Israel e entre os países vizinhos. As Escrituras mostram-nos que, na fortaleza, Davi consultou ao Senhor se devia, ou não, guerrear contra os filisteus.
Seus inimigos subiram para matá-lo, porém, ele desceu para a fortaleza. Quando o inimigo sobe, você desce para a fortaleza? Na fortaleza, Davi teve três atitudes:

1ª – Orava ao Senhor. Davi desce a fortaleza, dobra seus joelhos e ora a Deus. Ele sabia que precisava falar com Deus acerca de tudo quanto seus inimigos estavam planejando contra ele. Davi tinha convicção que para vencer o inimigo ele devia buscar primeiramente a Deus. Você não vence o inimigo de pé, você vence o inimigo de joelhos, Davi orava pedindo orientação de Deus para vencer seus inimigos e Deus o respondeu.

2ª – Consultava ao Senhor. Quantas pessoas têm sofrido por não orar e nem consultar ao Senhor. Fazem dívidas, casam, separam, saem do emprego e depois se arrependem. Davi não tomou decisão alguma contra seus inimigos sem antes consultar ao Senhor. Quando falhamos, muitas pessoas sofrem com nossa decisão errada; esposa, filhos e amigos. Davi sabia que não poderia tomar decisão precipitada, por isso que ele consultava ao Senhor.

3ª – Davi aguardou o tempo de Deus. Deus está no controle da nossa vida, devemos aguardar o tempo de Deus para nossa vida, assim como fez Davi. Não saia da fortaleza (presença de Deus), permaneça firme e aguarde a vitória dada por Deus. Quando um gigante surgir, vá para a fortaleza!


Quando os filisteus resolveram guerrear contra Davi, sua primeira atitude foi correr para a fortaleza. Algumas pessoas se esquecem deste princípio e nos momentos de batalha correm para qualquer lado, desesperados. Você não pode agir como todo mundo! Está difícil venha para a sua fortaleza. Nós temos uma fortaleza chamada “templo”, “igreja”. É na igreja onde recebemos o alimento e a instrução para vencer gigantes.Nos momentos de dificuldades vá à igreja. Haverá sempre alguém pronto a ajudar você.

E Davi buscou o seu Deus em oração. De que ele precisava? Saber se o Senhor lhe daria vitória, e saber como atuar nessa campanha. Deus lhe responde e garante vitória. Esta foi a primeira vez que Davi consultou ao Senhor, se subiria contra os filisteus e se teria vitória. Davi desceu à fortaleza e consultou ao Senhor:

“Subirei contra os filisteus? Entregar-mos-ás nas minhas mãos? E disse o Senhor a Davi: Sobe, porque certamente entregarei os filisteus nas tuas mãos”. (II Sm.5,19). 


Ouça a voz de Deus para enfrentar os inimigos. Davi perguntou ao Senhor: 
“Devo atacar os filisteus? Tu os entregarás nas minhas mãos?”

Uma das grandes dificuldades na vida do homem é tomar atitudes sem pensar. O mundo conforme compreendemos atualmente nos ensinou a tomar decisões sempre muito rápidas, mas a palavra de Deus fala o contrário. Ela diz: 
“Esperei com paciência no senhor, ele se inclinou para mim e ouviu o meu clamor" (Sl 40.1)

É preciso perguntar a Deus a respeito das nossas ações. Não tome decisões sem falar com Deus. Ele sempre terá uma resposta para você. A Davi o Senhor disse – “Vá, eu os entregarei nas suas mãos”. A voz de Senhor é a voz da verdade. Deus não dá resposta de derrota e sim de vitória. Ore a Deus fale com Ele e vá! Deus vai guerrear com você nesta batalha e os gigantes da sua vida vão cair.

Davi não foi na sua própria força, não foi por causa da força de seu exército, mas foi pela direção que recebeu de Deus, foi de acordo com a orientação que recebeu, foi sob uma palavra recebida. Davi subiu e derrotou os filisteus; ele foi contra os filisteus como um romper de águas, e eles fugiram e deixaram seus ídolos para trás, ordenando Davi que estes fossem queimados. Conforme a palavra do Senhor, Davi venceu os seus inimigos.

Deus saiu para pelejar por você! Ele é o Senhor dos Exércitos e o nosso comandante. Esteja atento às Suas ordens, pois Ele irá guiá-lo à vitória. Davi confiava no Senhor, por isso buscava a direção divina para lutar contra os seus inimigos. Eles não querem que o propósito de Deus se cumpra em nossas vidas, por isso tentarão resistir a unção que está sobre nós.

Depois de um determinado tempo, os filisteus não desistiram de atacá-lo. Tornaram a investir sobre Israel pela segunda vez; e os exércitos dos filisteus eram ainda maiores. E Davi orou pela segunda vez. Consultou ao Senhor:

“E os filisteus tornaram a subir, e se estenderam pelo Vale de Refaim. E Davi consultou ao Senhor, o qual disse: Não subirás; mas rodeia por detrás deles, e virás a eles por defronte das amoreiras. E há de ser que, ouvindo tu um estrondo de marcha pelas copas das amoreiras, então te apressarás; porque o Senhor saiu então diante de ti, a ferir o arraial dos filisteus”. (II Sm. 5,22-24). 


Que marcha é essa? Era a caminhada, os passos do Senhor, com seus anjos, passando por ali, indo na direção do inimigo. Era o sinal, de que estava chegando a hora de agir. Era o sinal ,de que Deus, estava indo na frente, para destruir o inimigo. A medida que o exército de Deus avançava, as amoreiras , se movimentavam.

Davi fez exatamente como o Senhor dissera. Então as legiões de Deus tiveram que abrir espaço pela copa das amoreiras, e, mais uma vez, derrotou os filisteus.

Para a Igreja, já se ouviu o som da marcha sobre as copas das amoreiras quando o Espírito Santo foi derramado no dia de Pentecostes, quando os apóstolos ouviram um som vindo do céu como de um vento impetuoso; este derramamento foi para revesti-la de poder para a obra que lhes havia sido designada.

Quando ouvir o som, o barulho de marcha nas copas das amoreiras, é tempo de sair para o combate; este é o sinal para sair e guerrear. Quando ver as copas das amoreiras se movimentar, bater umas nas outras e ouvir marchas como de cavalos é para sair à guerra. Quando ouvir um som do tipo de cascos de cavalos marchando nas copas das amoreiras, é hora de atacar o inimigo.

Deus, por nossa causa, pode mover o mundo espiritual para nos dar vitória, para reverter uma situação de aparente derrota. Se você consultar ao Senhor, se buscar a direção de Deus para sua vida, Ele lhe dará a direção que precisa; Deus tem um poderoso exército de anjos prontos a lutar ao nosso favor, porque tudo o que Ele quer e deseja é que você seja uma pessoa vitoriosa.

O tropel do vento sobre a copa das amoreiras era o sinal da vontade de Deus. Perceba o quanto é importante dependermos de Deus em cada novo desafio ou confronto. As estratégias que nos levarão à vitória nem sempre serão iguais, por isso, precisamos consultar o Senhor em cada decisão.

Esteja atento ao som de Deus! Este será o sinal de que Ele saiu à sua frente para guerrear. Jamais saia à frente Dele, pois Ele não tem compromisso com aqueles que são orgulhosos e tolos. Seja sábio, tome posição na batalha e aguarde as instruções do Senhor dos Exércitos. Ele guiará os seus pés à vitória. A vontade Dele não se mostra pela rotina. Há sempre novidades. E desta vez Davi ficou surpreso com a orientação de Deus: esperar pelo sinal. Pelo barulho como um sopro forte de vento pela copa das amoreiras. Não houve explicação para a mudança, mas, certamente, no plano espiritual os exércitos do mal estavam preparados para destruir o rei.

Davi não se dispôs a atacar os filisteus subindo contra eles num ataque frontal, confiado na consulta que fizera na primeira batalha; antes, voltou a consultar a Deus e desta vez recebeu como resposta que não deveria subir como da primeira vez, mas rodear os filisteus por detrás e vir sobre eles apressadamente quando ouvisse um ruído de marcha pelas copas das amoreiras, porque era o Senhor que saía adiante dele para ferir o arraial dos filisteus.

O que Deus havia prometido a Davi desta vez é que Ele se encarregaria em ferir o exército dos filisteus com um exército invisível de anjos, que marcharia sobre as copas das amoreiras. Eles não seriam vistos, mas o estrondo da marcha deles seria ouvido, e isto seria um sinal para que Davi se apressasse a atacar também os filisteus.

Aquelas amoreiras deviam estar enfileiradas como uma cerca viva, separando os dois exércitos, e é bem possível que os filisteus ouviram aquele grande estrondo de marcha de um exército vindo sobre eles e certamente ficaram confusos e começaram a bater em retirada exatamente pelas amoreiras nas quais se defrontavam com o exército de Davi e assim foram duramente golpeados desde Geba até Gezer.

Na primeira batalha foi ordenado a Davi que se lançasse num combate frontal, e na segunda foi ordenado que aguardasse por um sinal para atacar os seus inimigos. Deus pode assim traçar várias estratégias de luta para colocar à prova a nossa dependência Dele e obediência à Sua vontade. E importa que o consultemos em todas as coisas, especialmente naquelas relativas às lutas que temos que empreender contra os poderes das trevas na realização da Sua obra. Este é o modo de sermos bem-sucedidos, por contarmos com a Sua ajuda e capacitação. Deus deve ser consultado para tudo, e algumas vezes Ele nos ordenará que aguardemos o som de marcha sobre a copa das amoreiras antes que comecemos a agir.

A copa da amoreira vai balançar. Deus disse a Davi: Quando o vento do meu Espírito soprar e a copa das amoreiras balançar, sobe, pois eu te darei a vitória. Se Davi tivesse subido antes, não tivesse aguardado a resposta de Deus, iria se deparar com seus inimigos e seria vencido. Porém, aguardou o tempo que Deus lhe daria a vitória.

Não faça nada sem a permissão de Deus. Ele tem o tempo certo para lhe dar vitória. Quando o inimigo subir, desça, pois você não vai vencer o inimigo de pé e sim de joelhos. Não tome nenhuma decisão sem antes consultar ao Senhor e aguarde a resposta Dele, assim você terá vitória diante de seus inimigos.

Então as legiões de Deus tiveram que abrir espaço pela copa das amoreiras.

Pela copa das amoreiras dos dias de hoje já não passa mais o tropel das legiões espirituais dos exércitos do Céu. Enquanto isto, a sombra do profano escurece a Igreja, a casa de oração de Deus para todos os povos.

E eis aí um fato extraordinário! Os passos sobre amoreiras, foi como dizer a Davi: “Volte sua atenção para as alturas, para Mim que habito no Alto”. Também significaria ouvir em cima, os sons do Alto. Isso é pertinente a nós também.

Como bom estrategista de guerra e experimentado nos combates, Davi estava acostumado a ficar atento aos movimentos do inimigo, ali, no terreno ao pé de si. Acostumado a ouvir os ruídos dos fatos, a observar os sinais óbvios, previsíveis, para poder agir, precaver-se, atacar. Ouvir som de passos sobre amoreiras, era tão incomum quanto absurdo. Mas os sons divinos tendem ao incomum e absurdo, porque não são previsíveis.

Outro tanto nós somos exortados por Deus a expectar os sons das alturas, os ruídos que nos sinalizam o momento de avançar, de proceder. Estamos sempre tendentes ao óbvio, visível, controlável. humano, nosso. Mas Deus nos desafia a ouvir os sons inéditos que só a fé alcança, ruídos do impossível em termos humanos, sinalizadores de que Ele Se movimenta junto a nós, e por cima, desde o Alto, de onde tudo é possível. Em outras palavras, somos concitados a elevar nossa atenção dos sentidos temporais, perceptíveis por nossos sensores orgânicos, para aqueles que só a fé consegue ouvir. Para Davi, ouvi-los significava segurança, garantia e coragem. Não menos ocorrerá comigo e você, sempre que crermos que nosso Deus “sai à nossa frente” para fazer e acontecer.

Na verdade, nossa tendência é forçar a fé a ouvir “embaixo”. Ou queremos que ela nos leve ao limiar da fantasia, do mágico. Isso não é ouvir no alto. Quando Deus move Seus passos para nos encorajar, os ruídos podem parecer o som de galhos que se dobram, que se partem, ou seja, os sons que contrariam expectativas. Mas, que por sua vez, só podem ser percebidos se nos colocamos atentos. Pedimos que Deus nos responda, nos oriente. Então aguardemos os ruídos de Sua resposta. Eles virão. Havia a determinação de um tempo de espera para Davi. “Até que ouvisse o som”. Habacuque também decidiu parar para ouvir a voz de Deus, assumindo ficar sobre sua torre de vigia até “ouvir o que Deus dirá”.

Ouvir os passos de Deus vindos do Alto, é ouvir o que ultrapassa o nosso entendimento. Ele tem multiformes maneiras de usar veículos e recursos humanamente imprevisíveis, mas eficazes, que nos corroboram a esperança e a certeza de que a resposta está vindo de Sua Presença. Ele jamais deixa de responder.

Veja que embora Deus tenha prometido ir adiante de Davi para golpear os filisteus, contudo ele tem que se mover apressadamente e deve se empenhar para obter a vitória. Assim se dá com a pregação do evangelho. É Deus quem unge, é quem dá graça, é quem subjuga os poderes das trevas, é quem justifica, regenera, santifica, cura, restaura, mas os que pregam devem se empenhar muito em fazê-lo com todas as suas forças, enquanto percebem que o exército celestial está operando em seu favor.

O mesmo pode ser dito em relação aos que oram, que jejuam, que ensinam, que presidem, que exercem misericórdia, enfim, isto é um princípio a ser aprendido por todos os que se empenham na obra de Deus.

Nós não fazemos a nossa parte e Deus faz a Dele. Ao contrário, nós devemos estar em completa sintonia com o Senhor, trabalhando com todo o empenho e esforço enquanto Ele tudo faz por meio de nós. Assim, se a graça de Deus está operando em nosso favor nós não devemos sentar e cruzar os braços, como quem não tem nada mais para fazer. Ao contrário é nosso dever nos apressarmos em agir e nos esforçar muito em oração e em todos os deveres que Ele nos tem ordenado, para que haja uma justa cooperação entre o poder que Ele libera para nós, e o trabalho que estivermos fazendo para Ele.

E no sentido particular para as necessidades de cada dia, deveríamos nos colocar em ação somente depois de percebermos que foi liberada a operação do Espírito Santo, através dos diversos sinais da Sua santa presença, que são manifestados a nós, quando nos colocamos na disposição correta de espírito daqueles que buscam de fato a Deus, tal como Davi fizera antes de entrar em combate contra os filisteus.
  

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Há uma Saída


“A Justiça irá diante dele, e Ele nos fará andar no caminho aberto pelos Seus passos.” Salmos 85:13 

Sinceramente, esta é uma bela frase para um bom filme de ação, no entanto, esta é a real situação da maioria das pessoas ultimamente. Estamos vivendo dias de guerra, dias em que os fardos têm se tornado mais pesados, difíceis de suportar, dias em que as pessoas se voltaram mais para o mal que para o bem; os homens têm virado objeto do prazer, já não há mais amor pelas vidas, o dinheiro tem comprado tudo, até mesmo o caráter, coisa que outrora era particular e único. As pessoas tornaram-se como brinquedo quebrado nas mãos do adversário, e muitos tem amado viver assim. 

Apesar da vida não ser um filme, todos os dias há um cenário novo a nos rodear, mistérios a nos envolver, situações adversas para enfrentar, inimigos ocultos para combater. Todos os dias os mocinhos e os bandidos se enfrentam, mas, os bandidos têm sido aplaudidos, e os mocinhos hostilizados. “Antes no coração forjais iniquidade; sobre a terra fazeis pesar a violência das vossas mãos.” Salmo 58:02 

Estamos combatendo o mal com o mal, e cada vez mais, nos aprofundando nas veias sangrentas do ódio, são irmãos contra irmãos, vence quem astuciar mais, são frases feitas com segunda intenção, ferramentas preparadas, armas forjadas, setas envenenadas pela escuridão; ensina-se o que não se vive, aparenta-se ser, o que não se é, está tudo camuflado, o doce é mais amargo que o fel da aflição, com os lábios pronuncia a paz, mas a guerra permeia no coração; combatemos o pecado, desde que, trazendo para debaixo do cesto os da nossa estimação, ninguém está vendo, continuo fazendo, Deus nada viu, nada vai acontecer, queremos enganar a quem? “E dizem: Como o sabe Deus? Ou há conhecimento no Altíssimo.” Salmo 73:11 

Que traçado sórdido é este que embalou o coração humano? Os que procuram andar em sinceridade são açoitados, como ovelhas no caminho do matadouro, sob pancada são pressionados, arrancam-lhes a lã e deixam suas vísceras estraçalhadas. “Astutamente formam conselho contra o teu povo, e conspiram contra os teus protegidos.” Salmos 83:03 

A sede de vingança bebeu a sede de justiça, ajuntam-se, não para o bem, mas para tramar a destruição, para premeditar traição. Armam laços para o justo a beira de buracos, dizem: se no laço não cair, no abismo irá ficar. Tecem teias como aranhas sobre criadouro de serpentes e repetem: se das teias se esquivarem, da víbora não pode escapar. “Firmam-se em mau intento; falam de armar laços secretamente, e dizem: Quem os verá?” Salmo 64:05 

Nós, dizemos que somos de Deus, mas colocamos as mãos sobre os nossos sentidos, nos fingimos ser cegos, vendo; surdo, ouvindo; mudos, falantes; no fundo somos todos cúmplices, não nos portamos de forma firme, de um jeito diferente, fazendo transparecer em nós a presença de Cristo, ainda que para tanto sejamos inconsequentes, ainda que sejamos chamados como loucos ou desvairados, antiquados ou quadrados, não podemos ceder, e ser mais um. 

O mundo precisa conhecer a Deus, porque, a sociedade segue as leis ditas pelo mal, mas nós temos que ser sal, dá sabor ao que sem gosto está, dá sentido ao que sem rumo caminha. Afinal de contas, quem somos nós? Pedra viva lapidada por Deus, ou pedra de tropeço posto por satanás? “O que tapa o seu ouvido ao clamor do pobre, também clamará e não será ouvido.” Provérbios 21:13 

Estamos invertendo os valores, ao invés de usarmos as armas da fé, estamos querendo derrotar as forças ocultas com o nosso braço da carne, não é na nossa força que poderemos vencer; os gigantes só cairão se formos lutar debaixo da ordem de Deus, os nossos inimigos são mais velozes e fortes do que nós; precisamos da ajuda de quem de fato consegue colocar o inimigo debaixo dos nossos pés: Jesus. “Porque este Deus é o nosso Deus para sempre; ele será nosso guia até a morte.” Salmo 48:14 

Se você pensa que para a sua vida não há saída, e perigo de morte tem te rodeado, siga os passos de Jesus, Ele irá abrindo o caminho para você passar em segurança. 

Não existe labirinto que Deus não coloque uma saída, não existe cova aberta, que Deus não possa fechar vazia, não existe principado que Deus não aniquila a sua força, não há escudo resistente, que Deus não ultrapasse. “Tu tens um braço poderoso; forte é a tua mão, e elevada a tua destra.” Salmos 89:13 

Por mais embaraçosa que esteja a trama da sua vida, se você acreditar, Deus irá confundir o adversário, descomplicar o roteiro, explicar as regras e resolver todo o enredo, Deus é a única saída em qualquer cenário de guerra. Se estiver difícil para você seguir as coordenadas, realizar as tarefas, suportar as duras cenas, aguentar as horas frias e quentes da vida, chame a Deus para dirigir você; logo, você irá ver que, sendo Deus o seu diretor, este será o melhor filme que pode existir. Deus e você, contracenando juntos para sempre. (Pra. Elza Carvalho).

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Veremos Nossos Familiares no Céu?


Muitas pessoas dizem que a primeira coisa que querem fazer quando chegarem ao céu é ver todos os seus amigos e entes queridos que já faleceram antes delas. Na eternidade, haverá tempo de sobra para ver, conhecer e estar na companhia dos nossos amigos e familiares. 

Quando a pequena criança de Davi morreu, ele declarou: "Eu irei para ela, porém ela não voltará para mim" (2 Samuel 12:23). Davi supôs que seria capaz de reconhecer o seu filho no Céu apesar de ele ter morrido como um bebê. Em Lucas 16:19-31, Abraão, Lázaro e o homem rico eram todos reconhecíveis após a morte. Na transfiguração, Moisés e Elias foram reconhecidos (Mateus 17:3-4). Com esses exemplos, a Bíblia parece indicar que poderemos ser reconhecidos depois da morte. 

A Bíblia declara que quando chegarmos no Céu, "Seremos semelhantes a Ele; porque assim como é, o veremos" (1 João 3:2). Assim como nossos corpos terrenos eram do primeiro homem, Adão, assim também nossos corpos ressuscitados serão como o de Cristo. "E, assim como trouxemos a imagem do terreno, traremos também a imagem do celestial. Porque é necessário que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade" (1 Cor. 15:49, 53). 

Um fato que nos leva a concluir que no céu seremos conhecidos é o de que Jesus, após a Sua ressurreição, foi reconhecido. Muitas pessoas reconheceram-no depois da ressurreição. Se Jesus foi reconhecido em seu corpo glorificado, também seremos reconhecidos em nossos corpos glorificados. 

Sendo Cristo o “primogênito dos mortos”, ou seja, o primeiro em importância, a Sua ressurreição serve de modelo para a ressurreição de todos os cristãos. Assim como Cristo subiu para o céu com um corpo glorificado, também teremos um corpo glorificado para que possamos ter uma vida normal no paraíso, onde poderemos tocar as pessoas que amamos e até nos alimentarmos. 

Em Mateus 26:29, Cristo diz aos discípulos que “Não beberia mais do fruto da videira até aquele dia em que iria beber novamente com eles no Reino de Deus”. 

Vemos claramente que no céu seremos pessoas “reais”, e não “espíritos desencarnados”. Teremos corpos transformados à imagem do corpo glorioso de Jesus. 

As Escrituras Sagradas nos garantem que veremos os entes queridos mortos que nos antecederam. Podemos chorar os mortos; as lágrimas são o tributo da natureza, mas sem desespero e sem desilusão. 

Até o céu; lá nos voltaremos a ver, ensinam as Escrituras Sagradas. Que grande felicidade será para nós poder encontrá-los, depois de ter chorado tanto a sua ausência! Não nos deixemos levar ao desespero quando alguém parte; somos cristãos. A morte não é o aniquilamento estúpido que pregam os materialistas sem Deus, mas o renascimento da pessoa. A vida não é tirada, mas transformada! Só o cristão valoriza a morte e é capaz de ficar de pé diante dela. Deus não nos criou para o aniquilamento estúpido, mas para a sua glória e para o seu amor. Fomos criados para participar da felicidade eterna de Deus. Lá não haverá mais pranto, nem lágrimas e nem luto. 

Nós seremos transformados por Deus (nosso corpo mortal se revestirá da imortalidade), mas, nossa individualidade e personalidade serão preservadas. Para Deus não haveria graça alguma se nós não fôssemos nós mesmos. Ele nos ama do modo como somos. Você já pensou o quanto seria ruim se, ao ir para lá, você abraçasse um ente querido e seus braços “cruzassem” o “espírito” da pessoa que tanto gosta? A vida seria muito triste! Demos graças a Jesus por Seus planos para nós serem muito melhores do que aqueles apresentados pelo espiritualismo. 

Mesmo antes de recebermos nossos corpos glorificados, se for o caso de morrermos antes do arrebatamento, continuaremos a ter nossa individualidade, ou seja, seremos reconhecidos como indivíduos, pessoas, com certas características. Assim, tanto o rico como Lázaro, em Lucas 16.19‑31, são reconhecidos após a morte, com a diferença de que apenas Lázaro é chamado pelo seu nome. 

Em João 11, o Senhor chama Lázaro pelo nome, para que saísse do túmulo. Ora, se Lázaro tivesse perdido sua identidade após haver morrido, ele não seria mais alguém a quem o Senhor poderia se dirigir da maneira como era conhecido aqui. 

Vejamos outro verso: 

“Digo-vos que muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos céus” (Mateus 8:11). 

Se iremos conhecer no céu Abraão, Isaque e Jacó, é mais do que óbvio que reconheceremos nossos entes queridos! Esses fatos (tomar suco de uva e sentar-se à mesa com Abraão, Isaque e Jacó) ensinam que no céu iremos nos alimentar – evidência clara de que seremos seres reais e não “espíritos”. Além disso, a Bíblia diz que comeremos da árvore da vida. 

Embora iremos ser transformados, não perderemos nossa identidade. Receberemos, sim, um novo nome (diferente do nome que temos agora e secreto) escrito numa pedra branca, o que significa que teremos uma identidade (nome) como indivíduos. Pedra nos fala de indivíduos separadamente. 

Apesar de nossa individualidade ser preservada, nosso caráter será transformado em um caráter puro. Mas isso não fará com que esqueçamos quem somos e quem são nossos familiares queridos. Não sofreremos nenhuma espécie de “lavagem cerebral”. Logo chegará o dia em que os mortos serão ressuscitados e arrebatados para o céu, onde poderemos viver de uma forma tão maravilhosa como jamais sonhamos. 

Em Mateus 17, Moisés (que havia morrido) e Elias (que fora arrebatado) aparecem com o Senhor e continuam sendo Moisés e Elias, reconhecidos inclusive pelos discípulos. 

Assim também, os discípulos reconhecem o Senhor depois de haver ressuscitado, exceto quando seus sentimentos ainda estavam fechados, como aconteceu com os discípulos no caminho para Emaús. 

Portanto, irmão, será um grande gozo vermos o Senhor quando partirmos daqui. E será também motivo de muita alegria podermos reencontrar aqueles queridos que partiram antes de nós para a glória. 

Apesar de alguns acreditarem que no céu não veremos nada além de Cristo e nem iremos querer reencontrar ou interagir com pessoas, é preciso lembrar que quando o apóstolo Paulo escreveu sobre o arrebatamento ele o fez como uma resposta ao anseio daqueles que tinham perdido seus entes queridos que morreram na fé. 

A passagem fala, obviamente, do bendito encontro com Cristo, mas o motivo de Paulo para tocar no assunto foi nosso reencontro e reunião com os que morreram em Cristo. 

No entanto, esse não será o nosso foco principal porque estaremos muito mais ocupados em adorar a Deus e desfrutar das maravilhas do Céu. Nossas reuniões com entes queridos provavelmente consistirão de recontar a graça e a glória de Deus em nossas vidas, o Seu maravilhoso amor e os Seus milagres. Alegraremo-nos ainda mais porque poderemos louvar e adorar o Senhor na companhia de outros cristãos, especialmente aqueles que amamos na terra. Ser capaz de ver os nossos entes queridos é um aspecto glorioso do céu, mas o céu é muito mais sobre Deus e muito menos sobre nós. Que prazer será estarmos reunidos com os nossos entes queridos e adorar a Deus com eles por toda a eternidade. 

Portanto, não perca essa chance. Aceite a Jesus como seu salvador pessoal, creia na morte e ressurreição dEle e entregue o seu coração a Deus: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. Fazendo isso você estará se preparando para a eternidade. 

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). 

Fonte:

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

A História da Escola Bíblica Dominical

A minúscula semente de mostarda que se transformou numa grande árvore
ed01Sentado a sua mesa de trabalho num domingo em outubro de 1780 o dedicado jornalista Robert Raikes procurava concentrar-se sobre o editorial que escrevia para o jornal de Gloucester, de propriedade de seu pai. Foi difícil para ele fixar a sua atenção sobre o que estava escrevendo, pois os gritos e palavrões das crianças que brincavam na rua, debaixo da sua janela, interrompiam constantemente os seus pensamentos. Quando as brigas tornaram-se acaloradas e as ameaças agressivas, Raikes julgou ser necessário ir à janela e protestar o comportamento das crianças. Todos se acalmaram por poucos minutos, mas logo voltaram às suas brigas e gritos.
Robert Raikes contemplou o quadro em sua frente; enquanto escrevia mais um editorial pedindo reforma no sistema carcerário. Ele conclamava as autoridades sobre a necessidade de recuperar os encarcerados, reabilitando-os através de estudo, cursos, aulas e algo útil enquanto cumpriam suas penas, para que ao saírem da prisão pudessem achar empregos honestos e tornarem-se cidadãos de valor na comunidade. Levantando seus olhos por um momento, começou a pensar sobre o destino das crianças de rua; pequeninos sendo criados sem qualquer estudo que pudesse lhes dar um futuro diferente daquele dos seus pais. Se continuassem dessa maneira, muitos certamente entrariam no caminho do vício, da violência e do crime.
ed02A cidade de Gloucester, no Centro-Oeste da Inglaterra, era um polo industrial com grandes fábricas de têxteis. Raikes sabia que as crianças trabalhavam nas fábricas ao lado dos seus pais, de sol a sol, seis dias por semana. Enquanto os pais descansavam no domingo, do trabalho árduo da semana, as crianças ficavam abandonadas nas ruas buscando seus próprios interesses. Tomavam conta das ruas e praças, brincando, brigando, perturbando o silêncio do sagrado domingo com seu barulho. Naquele tempo não havia escolas públicas na Inglaterra, apenas escolas particulares, privilégio das classes mais abastadas que podiam pagar os custos altos. Assim, as crianças pobres ficaram sem estudar; trabalhando todos os dias nas fábricas, menos aos domingos.
Raikes sentiu-se atribulado no seu espírito ao ver tantas crianças desafortunadas crescendo desta maneira; sem dúvida, ao atingir a maioridade, muitas delas cairiam no mundo do crime. O que ele poderia fazer?

Por um futuro melhor
Sentado a sua mesa, e meditando sobre esta situação, um plano nasceu na sua mente. Ele resolveu fazer algo para as crianças pobres, que pudesse mudar seu viver, e garantir-lhes um futuro melhor! Pondo ao lado seu editorial sobre reformas nas prisões, ele começou a escrever sobre as crianças pobres que trabalhavam nas fábricas, sem oportunidade para estudar e se preparar para uma vida melhor. Quanto mais ele escrevia, mais sentia-se empolgado com seu plano de ajudar as crianças. Ele resolveu neste primeiro editorial somente chamar atenção à condição deplorável dos pequeninos, e no próximo ele apresentaria uma solução que estava tomando forma na sua mente.
Quando leram seu editorial, houve alguns que sentiram pena das crianças, outros que acharam que o jornal deveria se preocupar com assuntos mais importantes do que crianças, sobretudo, filhos dos operários pobres! Mas Robert Raikes tinha um sonho e este estava enchendo seu coração e seus pensamentos cada vez mais! No editorial seguinte, expôs seu plano de começar aulas de alfabetização, linguagem, gramática, matemática, e religião para as crianças, durante algumas horas de domingo. Fez um apelo, através do jornal, para mulheres com preparo intelectual e dispostas a ajudar-lhes neste projeto, dando aulas nos seus lares. Dias depois um sacerdote anglicano indicou professoras da sua paróquia para o trabalho.
O entusiasmo das crianças era comovente e contagiante. Algumas não aceitaram trocar a sua liberdade de domingo, por ficar sentadas na sala de aula, mas eventualmente todos estavam aprendendo a ler, escrever e fazer as somas de aritmética. As histórias e lições bíblicas eram os momentos mais esperados e gostosos de todo o currículo. Em pouco tempo, as crianças aprenderam não somente da Bíblia, mas lições de moral, ética, e educação religiosa. Era uma verdadeira educação cristã.
Robert Raikes, este grande homem de visão humanitária, não somente fazia campanhas através de seu jornal para angariar doações de material escolar, mas também agasalhos, roupas, sapatos para as crianças pobres, bem como mantimentos para preparar-lhes um bom almoço aos domingos. Ele foi visto frequentemente acompanhado de seu fiel servo, andando sob a neve, com sua lanterna nas noites frias de inverno. Raikes fazia isto nos redutos mais pobres da cidade para levar agasalho e alimento para crianças de rua que morreriam de frio se ninguém cuidasse delas; conduzindo-as para sua casa, até encontrar um lar para elas.
As crianças se reuniam nas praças, ruas e em casas particulares. Robert Raikes pagava um pequeno salário às professoras que necessitavam, outras pagavam suas despesas do seu próprio bolso. Havia, também, algumas pessoas altruístas da cidade, que contribuíam para este nobre esforço.

Movimento mundial
ed04No começo Raikes encontrou resistência ao seu trabalho, entre aqueles que ele menos esperava - os líderes das igrejas. Achavam que ele estava profanando o domingo sagrado e profanando as suas igrejas com as crianças ainda não comportadas. Havia nestas alturas algumas igrejas que estavam abrindo as suas portas para classes bíblicas dominicais, vendo o efeito salutar que estas tinham sobre as crianças e jovens da cidade. Grandes homens da igreja, tais como João Wesley, o fundador do metodismo, logo ingressaram entusiasticamente na obra de Raikes, julgando-a ser um dos trabalhos mais eficientes para o ensino da Bíblia.
As classes bíblicas começaram a se propagar rapidamente por cidades vizinhas e, finalmente, para todo o país. Quatro anos após a fundação, a Escola Dominical já tinha mais de 250 mil alunos, e quando Robert Raikes faleceu em 1811, já havia na Escola Dominical 400 mil alunos matriculados.
A primeira Associação da Escola Dominical foi fundada na Inglaterra em 1785, e no mesmo ano, a União das Escolas Dominicais foi fundada nos Estados Unidos. Embora o trabalho tivesse começado em 1780, a organização da Escola Dominical em caráter permanente, data de 1782. No dia 3 de novembro de 1783 é celebrada a data de fundação da Escola Dominical. Entre as igrejas protestantes, a Metodista se destaca como a pioneira da obra de educação religiosa. Em grande parte, esta visão se deve ao seu dinâmico fundador João Wesley, que viu o potencial espiritual da Escola Dominical e logo a incorporou ao grande movimento sob sua liderança.
A Escola Bíblica Dominical surgiu no Brasil em 1855, em Petrópolis (RJ). O jovem casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley, chegou ao Brasil naquele ano e logo instalou uma escola para ensinar a Bíblia para as crianças e jovens daquela região. A primeira aula foi realizada no domingo, 19 de agosto de 1855. Somente cinco participaram, mas Sarah, contente com “pequenos começos”, contou a história de Jonas, mais com gestos,do que palavras, porque estava só começando a aprender o português. Ela viu tantas crianças pelas ruas que seu coração almejava ganhá-las para Jesus. A semente do Evangelho foi plantada em solo fértil.
Com o passar do tempo, aumentou tanto o número de pessoas estudando a Bíblia, que o missionário Kalley iniciou aulas para jovens e adultos. Vendo o crescimento, os Kalleys resolveram mudar para o Rio de Janeiro, para dar uma continuidade melhor ao trabalho e aumentar o alcance do mesmo. Este humilde começo de aulas bíblicas dominicais deu início à Igreja Evangélica Congregacional no Brasil.
No mundo há muitas coisas que pessoas sinceras e humanitárias fazem sem pensar ou imaginar a extensão de influência que seus atos podem ter. Certamente, Robert Raikes nunca imaginou que as simples aulas que ele começou entre crianças pobres e analfabetas da sua cidade, no interior da Inglaterra, iriam crescer para ser um grande movimento mundial. Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo.
Ruth Dorris Lemos é missionária norte-americana em atividade no Brasil, jornalista, professora de Teologia e uma das fundadoras do Instituto Bíblico da Assembleia de Deus (IBAD), em Pindamonhangaba (SP)

A CPAD e a Escola Dominical
ed05A CPAD tem uma trajetória marcante na Escola Dominical das igrejas brasileiras. As primeiras revistas começaram a ser publicadas em forma de suplemento do primeiro periódico das Assembleias de Deus – jornal Boa Semente, que circulou em Belém, Pará, no início da década de 20. O suplemento era denominado Estudos Dominicais, escritos pelo missionário Samuel Nystrom, pastor sueco de vasta cultura bíblica e secular, e com lições da Escola Dominical em forma de esboços, para três meses. Em 1930, na primeira convenção geral das Assembleias de Deus realizada em Natal (RN) deu-se a fusão do jornal Boa Semente com um outro similar que era publicado pela igreja do Rio de Janeiro, O Som Alegre, originando o MENSAGEIRO DA PAZ. Nessa ocasião (1930) foi lançada no Rio de Janeiro a revista Lições Bíblicas para as Escolas Dominicais. Seu primeiro comentador e editor foi o missionário Samuel Nystrom e depois o missionário Nils Kastberg.
Nos seus primeiros tempos a revista Lições Bíblicas era trimestral e depois passou a ser semestral. As razões disso não eram apenas os parcos recursos financeiros, mas principalmente a morosidade e a escassez de transporte de cargas, que naquele tempo era todo marítimo e somente costeiro; ao longo do litoral. A revista levava muito tempo para alcançar os pontos distantes do país. Com a melhora dos transportes a revista passou a ser trimestral.
Na década de 50 o avanço da CPAD foi considerável. A revista Lições Bíblicas passou a ter como comentadores homens de Deus como Eurico Bergstén, N. Lawrence Olson, João de Oliveira, José Menezes e Orlando Boyer. Seus ensinos seguros e conservadores, extraídos da Bíblia, forjaram toda uma geração de novos crentes. Disso resultou também uma grande colheita de obreiros para a seara do Mestre.
ed06As primeiras revistas para as crianças só vieram a surgir na década de 40, na gestão do jornalista e escritor Emílio Conde, como editor e redator da CPAD. A revista, escrita pelas professoras Nair Soares e Cacilda de Brito, era o primeiro esforço da CPAD para melhor alcançar a população infantil das nossas igrejas. Tempos depois, o grande entusiasta e promotor
Usava-se o texto bíblico e o comentário das Lições Bíblicas (jovens e adultos) para todas as idades. Muitos pastores, professores e alunos da Escola Dominical reclamavam das dificuldades insuperáveis de ensinar assuntos sumamente difíceis, impróprios e até inconvenientes para os pequeninos.da Escola Dominical entre nós, pastor José Pimentel de Carvalho, criou e lançou pela CPAD uma nova revista infantil, a Minha Revistinha , que por falta de apoio, de recursos, de pessoal, e de máquinas apropriadas, teve vida efêmera.
ed07Na década de 70 acentuava-se mais e mais a necessidade de novas revistas para a Escola Dominical, graduadas conforme as diversas faixas de idade de seus alunos. Isto acontecia, principalmente, à medida que o CAPED (Curso de Aperfeiçoamento de Professores da Escola Dominical), lançado pela CPAD em 1974, percorria o Brasil.
Foi assim que, também em 1974, com a criação do Departamento de Escola Dominical (atual Setor de Educação Cristã), começa-se a planejar e elaborar os diversos currículos bíblicos para todas as faixas etárias, bem como suas respectivas revistas para aluno e professor, e também os recursos visuais para as idades mais baixas.
ed08O plano delineado em 1974 e lançado na gestão do pastor Antônio Gilberto, no Departamento de Escola Dominical, foi reformulado e relançado em 1994 na gestão do irmão Ronaldo Rodrigues, Diretor Executivo da CPAD, de fato, só foi consumado em 1994, depois que todo o currículo sofreu redirecionamento tendo sido criadas novas revistas como as da faixa dos 15 a 17 anos e as do Discipulado para novos convertidos, desenhados novos visuais, aumentado a quantidade de páginas das revistas de alunos e mestres e criado novo padrão gráfico-visual de capas e embalagem dos visuais.
Após duas edições das revistas e currículos (1994 a 1996 e 1997 a 1999), a CPAD apresentou em 2000, uma nova edição com grandes novidades nas áreas pedagógicas, gráficas e visuais.
ed09Depois desse período, em 2007, a Editora lançou um novo currículo fundamentado nas concepções e pressupostos da Didática, Pedagogia e Psicologia Educacional. Após sete anos, a CPAD, sempre em fase de crescimento, inovou mais uma vez. Em comemoração pelos 75 anos de existência, a Casa lançou mais uma nova edição para a Escola Dominical que começou a ser utilizado no primeiro trimestre de 2015. A novidade surpreendeu até mesmo quem não conhecia o projeto. Antes, o currículo era dividido em dois segmentos: infanto-juvenil e adultos, depois dessa data ele ganhou mais um material exclusivo para o público jovem (a partir dos 18 anos): a revista Lições Bíblicas Jovens. 
Por Ruth Doris Lemos

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Síndrome do Armagedom


Desde que começou nossa era comum, cada virada de século viu sua cota de profetas apocalípticos anunciando o fim do mundo ou “Armagedon.” 

Eles reivindicam ter conhecimento especial revelado somente a eles. O termo apocalipse é do grego e significa “revelação” ou “desvendamento.” 

“Armagedon” só é mencionado uma vez na Bíblia – em Ap. 16:16 – esta palavra grega traduzida significa “monte de Megido.” As ruínas de Megido (Tel el-Mutsellim), uma cidade da Canaã antiga, ocupa aproximadamente doze acres de um pequeno planalto na Planície de Jezreel. Esta planície foi o palco de muitas vitórias militares decisivas ao longo da história. Como não há nenhuma “montanha literal de Megido”, o termo “Armagedon” é provavelmente simbólico da grande batalha de Deus no tempo do fim. Foram construídas teologias inteiras ao redor deste único verso. 

Várias igrejas abusivas criaram um pavor do Armageddon, reforçado com culpa, objetivando dominar e controlar a comunidade. Cultos usam como uma ferramenta de controle emocional. 

Por implantar medo e criar a culpa, grupos abusivos manipulam seus membros para prestar serviços gratuitos. 

Medo é o motivador principal. Ele atua de dois modos: 

(1) cria um inimigo externo que ameaça ou persegue o membro. Isto resulta na visão mundial “nós contra eles”, e 

(2) medo de fracassar na organização ou medo de descoberta e castigo pelos líderes se você for negligente ao fazer seu trabalho. Que trabalho? Porquê, servindo a organização, naturalmente! “Você realmente está fazendo tudo que pode para servir a Deus?” (Uma introdução típica para a culpa.) 

Culpa é um bom motivador, mas não funcionará a menos que você possa fazer as pessoas se sentirem culpadas sobre algo. Note este exemplo sutil: “Agora que você tem uma compreensão do propósito de Deus, não gostaria de compartilhar isto com outros? Nós sabemos que Deus destruirá todas as pessoas iníquas brevemente. Considerando que nós temos conhecimento disto, temos a responsabilidade de advertir outros. 

Se nós não fizermos isso, Deus nos achará culpados de sangue no Armagedon. Você não iria querer ser achado culpado de sangue, iria?” 

Cultos precisam de um “catalisador”. O “catalisador” da Sociedade é o Armagedon. O medo da aniquilação eterna, e o medo de ser achado culpado de sangue por Deus no Armagedon, assegura o serviço continuo do “crente.” Tal medo influencia adversamente planos para o matrimônio, faculdade, carreira, e a busca da felicidade. Rouba a paz mental e destrói a qualidade de vida da pessoa. 

O medo é usado efetivamente também, para atrair os novos membros. Uma pequena profecia de Bíblia, algumas estatísticas e eventos atuais, algumas datas e a armadilha está preparada. Uma vez que o novo convertido compre este peixe, o “catalisador” aparece para motivar e manipular. 

Cultos não oferecem uma escolha. A única escolha é a deles. (Nadar ou afundar é realmente uma escolha?) Grupos que as vezes usam a Síndrome do Armagedon, se tornam fisicamente perigosos. Eles podem não esperar pelo apocalipse, mas tentar apressá-lo, enquanto criando seu próprio Armagedon. 

O “povo” de Jim Jones começou como uma igreja Cristã normal, contudo se degenerou depois em um culto abusivo, que terminou em 1978 com mais de 900 suicídios no Sul das selvas americanas. 

A “Filial” de David Koresh, os “Davidianos” conheceu um apocalipse no dia 20 de abril de 1993 com 79 assassinatos/suicídios em Waco, Texas. 

A “Ordem” de Luc Jouret, “O Templo Solar” experimentou 53 assassinatos / suicídios na Suíça e Canadá em outubro de 1994. 

O “Aum Shinri Kyo” de Shoko Asahara, está sob investigação no Japão pelo recente ataque de gás na estação do metrô de Tóquio, que deixou 11 mortos e 5.500 doentes. 

De todos os grupos, porém, a Sociedade Torre de Vigia é talvez, a mais conhecida por sua Síndrome do Armagedon. 

Charles Taze Russell, primeiro presidente da Sociedade Torre de Vigia, previu o Armageddon para 1914: 

“… A batalha do grande dia de Deus, o Todo-Poderoso, na qual terminará em 1914 DC, com a subversão completa dos governos humanos, já começou.” (The Time Is At Hand, 1911 ed., p. 101). 

Russell alterou seu ponto de vista depois disso e disse que o fim poderia não vir até 1916 – seguramente antes de 1918: “Também, no ano 1918, quando Deus destruir as igrejas que se vendem, e seus membros aos milhões” (O Mistério Consumado, 1917 ed., pág. 485). O fim veio, mas só para o pastor Russell, ele morreu em 1916. 

Joseph “Juiz” Rutherford sucedeu Russell como presidente e também predisse o fim. Ele disse pós-Armagedon que a reconstrução começaria em 1925 – marcada pela ressurreição dos patriarcas: “Podemos esperar confiantemente que 1925 marcará o retorno de Abraão, Isaque, Jacó e os profetas fiéis da antiguidade…” (Milhões Que Agora Vivem Jamais Morrerão”, 1920, pág. 89, 90). 

Rutherford desistiu quando as profecias falharam? Não, no verdadeiro estilo de falsos profetas ele forjou à frente com uma nova luz. Em 1931 escreveu ele: Seu dia de vingança está aqui, e o Armagedon está à mão, é certo a queda da Cristandade, em breve.” (Vindicação I, pág. 146, 147). Nove anos depois ele sentiu impelido a escrever: “O Reino está aqui, o Rei está empossado. O Armagedon está à frente.” (O Mensageiro, 1/9/40, pág. 6). 

Foi escrito na Sentinela de 15 de setembro de 1941: “Recebendo o presente, as crianças marchando, abraçaram, não como um brinquedo ou diversão para prazer inativo, mas o Senhor proveu o instrumento para o trabalho mais efetivo nos meses restantes antes do Armagedon.” (pág. 288) 

Durante os próximos vinte cinco anos a Sociedade Torre de Vigia continuou advertindo da proximidade do fim. Em 1966 eles publicaram o livro “Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus” onde o ano de 1975 foi cavilado para marcar o começo do Milênio. Publicações da Sociedade continuaram marcando 1975 até a hora final: “… O reino divino de Deus regerá a terra durante mil anos depois do fim deste sistema de coisas.” (Despertai! 8/10/68, p.14). 

Também, “Há apenas noventa meses restantes antes que se completem os 6000 anos da existência do Homem na Terra. 

A maioria das pessoas que vivem hoje provavelmente estarão vivas quando o Armagedon começar, e não há nenhuma esperança de ressurreição para esses que serão destruídos.” (Ministério do Reino, 3/68, pág. 4) 

“Em virtude do curto tempo restante, a decisão para procurar uma carreira neste sistema de coisas não é só ininteligente, mas extremamente perigosa.” (Ministério do Reino, 6/69, pág. 3). 

Ouvimos falar de “relatórios de irmãos vendendo suas casas e propriedades, e planejando terminar o resto de seus dias neste velho sistema, no serviço de pioneiro. 

Certamente este é um modo excelente para gastar o curto tempo restante antes do “fim deste mundo ruim. (Ministério do Reino 5/74, pág. 3). 

A Sociedade Torre de Vigia sempre deu grande significação à sua “data âncora” 1914, prometendo que a geração de 1914 ainda estaria viva no Armagedon. Aquela geração passou. Agora eles têm que redefinir o significado de 1914. Seja lá como fizerem, você pode estar seguro que a ameaça do Armagedon continuará na vanguarda da teologia deles. 

Por outro lado, a Bíblia diz: 

“Ora, quanto ao tempo e às épocas, irmãos, não necessitais de que se vos escreva. Pois vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor vem exatamente como ladrão, de noite (1 Tess. 5:1,2) 

Qualquer pessoa ou organização que reivindica ter conhecimento especial ou exclusivo, são charlatães – falsos profetas. 

A Síndrome do Armagedon é uma característica identificadora de muitos cultos. A aflição, miséria e morte que eles dão em doses para seus membros/ vítimas são imensuráveis. 

Fuja deles! Nós temos a Palavra Viva de Deus.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

MSI - Movimento dos Sem-Igreja.


Cristão sem igreja não faz o menor sentido. Segundo a Bíblia, o cristão sem igreja é um “herege”. O fenômeno “desigrejados” ou “cristianismo sem igreja” tem sido o maior problema que aflige a atual comunidade cristã. 

Um desigrejado é um crente confesso que desistiu da igreja e geralmente questiona sua legitimidade em função de experiências difíceis e traumáticas. Mas essa onda que surgiu na atualidade pode resultar num cristianismo individualista e despersonalizado. 

A ideia de um "cristão sem igreja" ou "desigrejado" é absurda e não tem fundamento nas Escrituras. Atos 2:47 diz que "Todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar". Se o próprio Senhor acrescentava à Igreja todos os dias os que "haviam de se salvar" ou, como diz em outra tradução, "os que iam sendo salvos", como pode existir um salvo "sem igreja"? A igreja é o corpo de Cristo, ao qual cada salvo é adicionado como membro, e desse corpo ele jamais será subtraído, e nem conseguirá se desligar por si próprio, pois esse corpo é controlado pela cabeça, que é Cristo. 

Muitos fogem da igreja, pois querem evitar desconfortos e problemas, com referência às pessoas que buscam uma felicidade imediata. Existem muitos acreditando que “quem tem Jesus não sofre mais”. 

Além disso, grande parte da espiritualidade de hoje é voltada para experiências individuais e emocionais. É quase um narcisismo místico. Em vez de priorizar atitudes virtuosas como perdoar ou ser um bom cidadão, as pessoas dão mais importância a certos sentimentos. Sentir arrepios na coluna, ter muita paz no coração, gritar no louvor e desmaiar de tanto poder, tornaram-se sinais de grande espiritualidade. 

Sem contar que boa parte dos desigrejados, rejeita a autoridade. Há muita gente que não quer fazer parte da igreja, por não aceitar submeter-se a nenhuma autoridade. É o grito da independência indevida. Muitas são as pessoas que não querem prestar contas da vida a ninguém. Com isso vivem trocando de igreja e não ficam em lugar nenhum. 

Muitos hoje enxergam a igreja, e o próprio Evangelho, como uma mercadoria a ser consumida. Não têm compromisso e procuram igrejas como um cliente. Numa comunidade eles ‘consomem’ a boa mensagem do culto. Em outra ‘compram’ o louvor mais animado, e ainda numa terceira ‘desfrutam’ da escola bíblica para adquirir mais informações. Esses consumidores da fé são pessoas que não se veem como servos que devem doar-se para o Reino. Querem apenas ser agradadas e até mesmo mimadas. Não enxergam o conceito bíblico de corpo, de coletividade; não conseguem ver que a obra de Deus é sustentada pelo esforço de todos. 

A única esperança para o mundo é a igreja, segundo o ensino bíblico. O corpo de Cristo é o único meio pelo qual Cristo age no mundo 

Jesus enfatizou a importância do grupo e da comunidade quando afirmou que está presente entre dois ou três reunidos em seu nome. Como é possível perdoar o outro se me isolo? Como posso desenvolver o meu dom espiritual se vivo sozinho? Como realizar a missão sem a comunidade da fé? Como crescer espiritualmente sem fazer parte de uma igreja? Cristão sem igreja não faz o mínimo sentido. 

É impossível a qualquer ser humano se tornar membro da igreja por decisão sua, e é impossível também que ele se desligue ou seja desligado da igreja que é o corpo de Cristo. E quando cristãos estão congregados sobre o fundamento bíblico do "um só corpo" não estão considerando "seu grupo" a igreja, mas apenas o testemunho ou expressão local desta. 

A grande confusão é que a maioria dos cristãos considera "igreja" como uma organização ou o conjunto de organizações religiosas existentes no mundo. E aí alguns saem proclamando os cristãos a se tornarem "sem igreja" ou "desigrejados".

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Êxodo: Sua História e Geografia



O livro bíblico do Êxodo relata que os filhos de Israel permaneceram no Egito durante séculos como escravos. Após a saída do Egito, passaram os primeiros quarenta e nove dias de liberdade no deserto, seguindo em direção ao Monte Sinai, local onde permaneceram aproximadamente por um ano e receberam os 10 mandamentos divinos, através de Moisés. O passo seguinte seria uma jornada de alguns dias em direção à Terra Prometida (naquele momento ainda conhecida como Terra de Canaã), que deveria ser conquistada e dividida entre as tribos formadoras do povo. Mas um fato inesperado mudou o curso dos acontecimentos: os espiões, enviados com o objetivo de reconhecer a região a ser conquistada, trouxeram um relato desfavorável à conquista, provocando a revolta de todo o povo. A punição por esta revolta, e pela recusa dos israelitas em confiar na promessa divina da conquista da terra de Canaã, foi a permanência de quarenta anos no deserto, até o florescimento de uma nova geração. 

Durante estes quarenta anos de jornadas pelo deserto, os Filhos de Israel acamparam em quarenta e dois lugares diferentes, seguindo uma rota diferente daquela que seria a mais direta ou a mais próxima do destino final. 

A rota do Êxodo possui duas dimensões: uma dimensão temporal e uma dimensão espacial, que a tornam plena de significado. A dimensão temporal indica que foram quarenta anos de jornadas pelo deserto, decorrentes dos quarenta dias em que os espiões percorreram a terra de Canaã, até o florescimento de uma nova geração. O número quarenta possui uma simbologia especial na Bíblia Hebraica, e um dos seus significados é o período de uma geração. A dimensão espacial, por sua vez, é a descrição geográfica da rota, e se inicia com a escolha da rota, narrada no livro do Êxodo: 

E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Deus não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto; porque Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa, vendo a guerra, e volte ao Egito. Mas Deus fez o povo rodear pelo caminho do deserto do Mar Vermelho; e armados, os filhos de Israel subiram da terra do Egito (Ex 13: 17-8). 

A rota mais curta e lógica para se chegar do nordeste do Egito até Canaã seria aquela ao norte do Sinai, seguindo a costa do Mediterrâneo e atravessando o território dos filisteus, chamada na Bíblia de “O Caminho da Terra dos Filisteus”, “O Caminho do Mar”, ou, em suas versões latinas, de “Via Maris”. Esta rota é a mais comum, utilizada pelos faraós para incursões na Ásia. Tornou-se uma das vias internacionais de comunicação mais importantes através da história, servindo como artéria para o comércio internacional. O livro do Êxodo deixa bem claro que esta rota não foi utilizada pelos filhos de Israel após a saída do Egito: 

“E foi ao enviar o Faraó ao povo, não o guiou o Eterno pelo caminho da terra dos filisteus que era próximo”. 

Este caminho, da fronteira do Egito até Gaza, possui cerca de 240 quilômetros. Esta distância levaria apenas algumas semanas, talvez um mês, para ser percorrida, mesmo por um grande grupo de pessoas, incluindo seus rebanhos. O exército de Thutmosis III (1504 a 1450 a. C.) cobriu esta distância em dez dias. 

Um texto de Mari sugere que uma caravana poderia percorrer 35 quilômetros por dia em um deserto, resultando em 7 dias de viagem. Sendo assim, alguns dias seriam suficientes para percorrer este trajeto, mas outro caminho foi escolhido, e este levou 40 anos para ser percorrido. A rota escolhida foi descrita em Ex 13: 18 como “O Caminho do Deserto do Mar Vermelho”. 

Os filhos de Israel se dirigiram ao sul para o interior do deserto, para áreas fora do controle egípcio. Assim, os israelitas evitariam confrontos contra os filisteus; evitariam as mais de vinte fortificações egípcias ao longo da Via Maris; estariam longe do Egito, evitando que parte dos israelitas se arrependessem da saída do Egito e desejassem voltar, como aconteceu em Pi Hachirot, Refidim, Mará, Taberá/Kibroth Hataavá, e Cadesh Barnea; poderiam, se livrar do que restou da influência egípcia durante a estada no deserto, para serem educados de uma nova maneira, através dos ensinamentos da Torá; teriam a oportunidade de preparar um exército para a conquista de Canaã, transformando escravos em guerreiros. Enfim, o período de jornadas dos israelitas pelo deserto foi decisivo para a transformação de um amontoado de escravos em um povo com um propósito. E o cenário escolhido para esta transformação foi o deserto. 

Alguns estudiosos das jornadas dos filhos de Israel após o Êxodo descrevem os desertos por onde passaram como muito árido e quase sem água; o planalto central da Península do Sinai, por onde acredita que os israelitas tenham passado, como um lugar sombrio, de impossível travessia com rebanhos. 

As temperaturas médias, mínima e máxima, são -5o C e 40,5o C. Chuvas são raras e irregulares, a média anual está abaixo de 0,6 milímetros. Uma pequena parte da neve que cobre alguns picos aumenta os estoques de água, e há também reservatórios subterrâneos suficientemente próximos à superfície para serem interceptados. Piscinas naturais também se formam esporadicamente com água das chuvas, ao longo dos wadis5, e estas águas podem durar meses. Algumas vezes, as águas de reservatórios subterrâneos correm para os wadis, fazendo com que alguns oásis se mantenham, como o oásis de Feiran no oeste e Ein-Kid no leste da península do Sinai. Há vegetação rasteira, típica do deserto, explorada pelos beduínos locais como pasto e combustível. A população de beduínos é de aproximadamente dez mil, que vivem tanto em vilarejos temporários como permanentes. Eles moram em tendas, cabanas de madeira e, em locais permanentes, em estruturas de pedra. Há poucos recursos econômicos e pouca água, e, consequentemente, não há população regular ou sedentária. O Sinai central é chamado, em árabe, Badyat el-Tih, “o Deserto dos Viajantes”, uma área plana de calcário e areia, imprópria para qualquer tipo de plantação. Até a vegetação selvagem luta para sobreviver devido à escassez de água. A economia é baseada em rebanho de cabras, principalmente cabras negras de uma raça anã, adaptada às condições áridas. Estas cabras podem permanecer por quatorze dias sem água, mesmo perdendo até 40% do seu peso. Não há evidências de presença egípcia na região centro-sul do Sinai em época alguma. O deserto é lembrado como lugar ruim, onde não há árvores frutíferas, nem é possível de se semear, mas há animais malvados e peçonhentos, cobras e escorpiões. 

Uma terra desolada, onde não passam nem moram pessoas, e aquele que se arriscar está sujeito à fome e à sede. Os habitantes do deserto estão sujeitos a privações, e se empobrecem fora dos assentamentos. As Escrituras também descrevem o deserto como local de escuridão e sombra da morte: 

“E não disseram onde está o Senhor, que nos fez subir da terra do Egypto? Que nos guiou pelo deserto, por uma terra de charnecas, e de covas, por uma terra de sequidão e sombra de morte, por uma terra pela qual ninguém passava, e homem nenhum morava nella”? (Jr 2: 6). 

Do deserto temível se ouvem os uivos e de lá vem o vento da destruição. O deserto também pode estar em oposição ao Éden: 

“...Ele fará seu deserto como o Éden e suas terras isoladas como o jardim divino..., Is 51: 3; ou “Antes disso a terra era como o Jardim do Éden, depois disso um deserto isolado”, Jl 2: 3), ou ao abismo, ermo. 

Sendo o deserto claramente ruim, é como se fosse um modelo de coisas ruins. 

“Melhor morar em um deserto do que com uma mulher de discórdia e raiva”, Pr 21: 19. 

Apesar do aspecto negativo do deserto estar incorporado à consciência das Escrituras, também há uma relação positiva com o deserto nas lembranças do passado do povo de Israel, em especial neste período de quarenta anos em que os filhos de Israel perambularam pelo deserto. O grande evento das peregrinações dos israelitas no deserto nesta época é o encontro com Deus no Sinai, encontro este de grande importância para a história da humanidade.  

O período de caminhadas configurou a relação entre o povo de Israel e o deserto. Segundo a visão de alguns profetas, as peregrinações no deserto tornaram possível a aproximação entre Deus e Israel. Apesar de, conforme já mencionado, o deserto ser uma terra árida, desolada e da sombra da morte, de todos os lugares por onde Israel passou, é no deserto que o profeta, alegoricamente, chama Israel de noiva, aquela que passa por provações e segue a Deus, que é como um noivo, numa terra não semeada: 

[…] Lembro-me de ti, da beneficência da tua mocidade, e do amor dos teus desposorios, quando andavas após mim no deserto, n’uma terra que não se semeava” (Jr 2: 2). 

Percebe-se que os anos após a saída da terra do Egito são comparados aos anos de juventude, e Deus trata Israel com bondade e amor. As mesmas ideias dos nostálgicos anos de juventude e de bondade se encontram em Os 2: 15: 

“E lhe darei as suas vinhas d’ali, e o vale de Achor, para porta de esperança; e ali cantará, como nos dias da sua mocidade, e como no dia em que subiu da terra do Egypto”. 

Enquanto estava no deserto, Israel era fiel a Deus: 

“Achei a Israel como uvas no deserto, vi a vossos paes como a fructa temporã da figueira no seu princípio” (Os 9: 10). 

O deserto é considerado por Ezequiel como um lugar de julgamento: 

“Como já entrei em juízo com vossos paes, no deserto da terra do Egypto, assim entrarei em juízo convosco [...]. E vos farei passar debaixo da vara, e vos farei entrar no vínculo do concerto” (Ez 20: 36-37). 

O deserto parece ser uma alusão ao exílio, um local de arrependimento. A volta para Judá parece, para Isaías, uma nova saída do Egito, uma nova encarnação das viagens pelo deserto, onde ocorrem maravilhas Divinas: 

“[...] porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo. E a terra secca se tornará em tanques, e a terra sedenta em mananciaes d’água; e nas habitações em que jaziam os dragões haverá herva com cannas e juncos” (Is 35: 6-7). 

Tanto a topografia quanto a cronologia da história têm significação religiosa. Os israelitas saem do Egito, uma terra de sofrimento, mas de fartura, e rumam para o deserto, uma terra de fome e morte potenciais, atravessando a água para a terra seca. Isto é possível por causa da intervenção Divina. Pela intervenção Divina ulterior, o faraó e o exército egípcio são destruídos. Mas os israelitas são miraculosamente providos de alimento (maná) e água. No fim do período de quarenta anos de vagueação no deserto, mais uma vez os israelitas atravessam a água (desta vez o Jordão) para a terra seca (Js 3: 4). 

Um deserto prototípico, um suposto “outro mundo”, fornecido pelo meio geográfico das vagueações do Livro do Êxodo: 

Se se está no Egito, o deserto é onde se chega ao cruzar o Mar Vermelho; se se está na terra de Israel, o deserto é onde se chega ao cruzar o Jordão. O deserto é o Outro Mundo. Entrar ou sair do deserto simboliza um movimento metafísico do aqui-e-agora para a ausência de tempo do Outro ou vice-versa. Nesse outro mundo tudo acontece às avessas. O pão celestial cai do céu como chuva; a água celestial não cai como chuva, mas emerge de uma rocha. O deserto é marcado como o Outro absoluto. Ele é um mundo onde o alimento comum não está disponível, mas onde o povo eleito de Deus é alimentado com pão Divino e com água Divina. É um mundo em que os profetas escolhidos, Moisés e Josué, e em grau menor Aarão e Miriam, conversam diretamente com Deus. 

É um mundo em que o rito da circuncisão não é exigido (com a enigmática exceção de Gérson). É um mundo com limites de água nitidamente definidos: o Mar Vermelho, de um lado, o Rio Jordão, de outro. Para entrar neste outro mundo sagrado, pessoas comuns (outros que não profetas escolhidos como Moisés e Aarão) precisam de intervenção Divina pela qual os limites de água sejam tornados transponíveis. É um mundo que inclui a montanha de Deus, Monte Sinai (Horebe), que é em si limitado, um mundo à parte dentro de um mundo à parte. 

Assim especificado, o deserto, o Outro Mundo das coisas sagradas, é em tudo o avesso exato do mundo profano familiar às pessoas comuns, entregues às suas atividades comuns seculares. 

O deserto da Península do Sinai tem outro significado: uma ponte entre continentes, como também uma ponte metafísica entre Deus e o homem. Para cada um dos quarenta e dois acampamentos, ou estações, por onde passaram os filhos de Israel durante este período de quarenta anos no deserto, é possível fazer uma análise histórica, geográfica e arqueológica. Cada nome possui um significado específico. Há três diferentes grupos de nomes de acampamentos: nomes de locais que já existiam antes da passagem dos filhos de Israel; nomes decorrentes de alguma característica do local; nomes decorrentes de eventos que ocorreram durante a estadia dos filhos de Israel. 

A localização de qualquer um dos acampamentos associados à jornada dos filhos de Israel após a saída do Egito é muito difícil. Quase nenhum dos lugares pode ser identificado com certeza. Assim, as localizações sugeridas, em geral, são baseadas em tentativas. Portanto, não temos certeza sobre nomes e localizações geográficas de diversos lugares; não podemos identificar com exatidão diversos locais por onde passaram os filhos de Israel, mencionados no Pentateuco; também não conseguimos relacionar a história do Êxodo com a história universal; além disso, ainda não há provas ou indícios arqueológicos destas jornadas. 

A hipótese do salvamento dos israelitas da perseguição egípcia no mar deve ser permanentemente descartada. A narrativa do Êxodo não é uma tradição confiável. Alguns estudiosos consideram a narrativa das jornadas pelo deserto um épico ou um rito de passagem ou iniciação. Esse relato possui ritos simbólicos de passagem: o povo libertado da escravidão, que ganha uma nova identidade como “o povo de Deus” na montanha sagrada, e entra na “Terra Prometida” com sua nova identidade. Andanças ou jornadas podem ser vistas como paradigmas de rituais de iniciação, como a busca de conhecimento ou busca do centro espiritual ou psicológico. 

É claro que surgem, habitualmente, obstáculos a serem vencidos, e isso faz com que a jornada proporcione a possibilidade de aprender a lidar com dificuldades. O período de quarenta anos no deserto deve ter ensinado aos israelitas como sobreviver em situações extremas. A narrativa Bíblica tem um significado diferente, não de um épico heroico de migração, mas da lembrança vergonhosa de uma escravidão que só o poder divino pode libertar. Não pode realmente haver dúvidas de que os ancestrais de Israel tinham sido escravos no Egito e escaparam de uma maneira maravilhosa. Quase ninguém hoje duvidaria disso. Os detalhes das jornadas e da vida no Sinai como a Torá os apresenta estão de acordo com aquilo que sabemos sobre o Sinai. (…) Parece-me mais fácil acreditar que a Bíblia cuidadosamente preserva um autêntico retrato das jornadas e da vida no deserto do Sinai do que a suposição de que autores que viveram entre seiscentos e setecentos anos depois dos eventos, desconhecendo o passado e usando imaginação criativa, possam ter alcançado um nível de acerto tão elevado quanto esta investigação demonstrou. 

As narrativas mostram um conhecimento prático das condições do Sinai que não poderia ter sido adquirido por escritores românticos mais recentes da época do exílio babilônico ou da Judéia empobrecida dos períodos persa e helenístico, a centenas de milhas de distância dos locais e fenômenos em questão. 

Os grandes objetivos dos israelitas foram a aceitação, como nação, do Deus de Israel e o recebimento da Torá na montanha escolhida. Foi neste período que Israel recebeu a sua religião característica, que se tornou um povo. A origem, a própria fundação da religião de Israel, ocorreu no deserto. 

Todos devem passar por jornadas, progredindo em etapas, para vencer as próprias limitações. Quando uma pessoa passa de um nível para outro, ela deve aprender a lidar com novos desafios. O sucesso da missão é alcançar a Terra Prometida, “que mana leite e mel”. 

O período de jornadas dos israelitas pelo deserto, saindo da escravidão do Egito e alcançando a Terra Prometida, é a narrativa da quebra das correntes, da vitória dos escravos sobre os escravizadores, da busca da liberdade e da autodeterminação de um povo, enfim, uma narrativa épica e simbólica que representa a esperança. Manu Marcus Hubner (Revista Estação Literária)


REFERÊNCIAS: 
AHARONI, Yohanan. The Land of the Bible. A Historical Geography. Philadelphia: The Westminster Press, 1979. 
ALTER, Robert e KERMODE, Frank. Guia Literário da Bíblia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.  
BATTO, Bernard F. The Reed Sea: Requiescat in Pace. In: Journal of Biblical Literature, vol. 102, n. 1 (1983), pp. 27-35, disponível em: <http://www.jstor.org/stable/3260744>, acesso em: 14/08/2009. 
BEIT-ARIEH, Itzhaq. The Route Through Sinai: Why the Israelites Fleeing Egypt Went South. In: Biblical Archaeology Review, vol. 14, n. 03 (1988), pp. 28-37, disponível em: <http://cojs.org/articles/BAR%201988%20May-Jun/The%20Route%20Through% 20Sinai.pdf>, acesso em: 23/06/2009. 
BEREZIN, Jaffa Rivka. Dicionário Hebraico-Português. São Paulo: Editora Universitária de São Paulo, 2003. 
BOGOMILSKY, Moshe. Vedibarta Bam: And You Shall Speak of Them. Vol. IV - Bamidbar. New York: Hebrew Books, 2006. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...