terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Poucos Muito Ricos, Muitos Muito Pobres.

Os seis homens mais ricos do Brasil concentram a mesma riqueza que toda a metade mais pobre da população do país (mais de 100 milhões de brasileiros), segundo o relatório da ONG Oxfam divulgado nesta semana.
A ONG britânica de assistência social e combate à pobreza usa como base levantamentos sobre bilionários da revista "Forbes" e dados sobre a riqueza no mundo de um relatório do banco Credit Suisse.

De acordo com a "Forbes", as seis pessoas mais ricas do Brasil são:

Jorge Paulo Lemann, sócio da Ambev (dona das marcas Skol, Brahma e Antarctica) e dono de marcas como Budweiser, Burger King e Heinz
Joseph Safra, dono do banco Safra
Marcel Herrmann Telles, sócio da Ambev e dono de marcas como Budweiser, Burger King e Heinz
Carlos Alberto Sicupira, sócio da Ambev e dono de marcas como Budweiser, Burger King e Heinz
Eduardo Saverin, cofundador do Facebook
João Roberto Marinho, herdeiro do grupo Globo

A fortuna somada desses seis empresários era de US$ 79,8 bilhões (cerca de R$ 258 bilhões) em 2016, de acordo com a "Forbes".

Poucos muito ricos, muitos muito pobres. Por que existem pessoas ricas e pessoas pobres?

A desigualdade social, com a concentração de riqueza nas mãos de poucos e o empobrecimento e a vida difícil da maioria esmagadora da classe trabalhadora e do povo pobre é a marca da sociedade em que vivemos, capitalista.

Você pode muito bem almejar uma situação financeira melhor e trabalhar muito para tal. O que você não deve é deixar que isso seja o mais importante para você, nem medir as pessoas por sua posição social. Devemos nos importar em tentar viver bem com o nosso salário, seja ele grande ou pequeno, mas que seja justo e honesto e recebido com alegria. 

Existem pessoas com mais facilidade em ganhar dinheiro que outras, isso é um dom de Deus. Entretanto, assim como não devemos achar que a riqueza é sinal de benção, também não podemos achar que a pobreza é um sinal de santidade. 

Se existem diferenças sociais, elas se acabam quando existe um coração que se alegra pelo fruto de suas mãos. Paremos de querer colher mais do que plantamos. Paremos de indagar pela história dos outros e sejamos responsáveis pela nossa própria história.

Aos filhos de Deus não interessa ganhar o mundo, a fama, a fortuna. A nossa vocação é viver a vida na abundância de Deus. Não temos aqui casa, nem cidade permanente. Estamos aqui de passagem, de passagem para um novo céu e uma nova terra. Para este destino não levamos conosco nem ouro, nem prata.

Há, porém, tesouros divinos que o Senhor quer depositar em nós: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Sim, ricos e bem-aventurados serão aqueles que, quando se manifestar o Reino de Deus, estiverem cheios deste tesouro celestial.

O que acontecerá com a prosperidade sem Deus? “Descansa no Senhor, e espera Nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos. (Sl 37,7).

No mundo há apenas dois tipos de pessoas. Há aqueles que são pobres: a única coisa que possuem é dinheiro. Há, no entanto, outros que não têm dinheiro, mas são ricos; são procurados pela sua fé, sabedoria e zelo pela obra de Deus. Por isso “Deleite-se no Senhor, e Ele atenderá aos desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nEle, e Ele agirá”.

domingo, 15 de janeiro de 2017

O Sopro de Deus

"Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra." 2 Timóteo 3:16,17
 
Quando nos dedicamos a estudar a Palavra do Senhor aprendemos coisas extraordinárias, que olhos desatentos nunca poderiam ver. Acrescente ao estudo a direção essencial do Espírito Santo e toda Escritura abre-se detalhada diante de nós. Que Deus nos conduza em sabedoria e unção nesse estudo das Escrituras Sagradas e que muitos sejam impactados pela graciosa Palavra de Cristo através dessas linhas.
 
Ao observarmos a passagem citada de 2 Timóteo, vemos a utilidade que a Palavra tem na vida dos cristãos. Ela ensina, corrige, repreende, tornando o varão perfeito e preparando-o para tudo na vida. Mas o interessante nessa passagem não é somente esta parte, visível aos olhos de qualquer um, mas outra parte, que não está tão clara simplesmente lendo o conteúdo do versículo.
 
Paulo inicia o versículo dizendo: "Toda Escritura é DIVINAMENTE INSPIRADA". Essa expressão confirma que toda a Bíblia é fornecida por Deus ao seu povo, usando homens como instrumentos para manter escrito o que Deus ensinou. Contudo há algo mais aí. Quando nos voltamos para os escritos originais dessa passagem, vemos que Paulo usa a expressão grega THEOPNEUSTOS, que os tradutores traduziram como DIVINAMENTE INSPIRADA. O termo THEO significa Deus, enquanto que PNEUSTOS significa sopro ou soprar. Sabendo disso, talvez a expressão mais correta seria dizer que "Toda Escritura foi SOPRADA POR DEUS", tornando a frase completa assim: "Toda Escritura foi soprada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra".
 
Agora vamos analisar a maravilha disso! Voltando-nos para o início da criação, em Gênesis capítulos 1 e 2, vemos o homem sendo feito à imagem e semelhança de Deus. O Senhor cria o homem e: "...formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente" Gênesis 2:7.
 
Ao formar Adão, Deus sopra vida nele e ele passa a conviver com Deus, juntamente com sua mulher Eva. Passado algum tempo, como sabemos, eles pecaram e foram expulsos do Éden (leia Gênesis 3). O vínculo entre Deus e os homens passa a ser obscurecido pelo pecado, que contamina toda a raça humana.
 
Para reestabelecer o homem em sua comunhão com Deus, o próprio Deus envia seu Filho, Jesus Cristo, ensinando e pregando a salvação pela fé Nele e, depois Dele, os discípulos, por meio do Evangelho, começam a pregar e ensinar o caminho da Vida.
 
Agora percebam a semelhança entre as duas passagens:
 
1- Adão tornou-se alma vivente por meio do Sopro de Deus
 
2- O Evangelho foi SOPRADO POR DEUS e é por meio dele que aprendemos e cremos em Jesus para a vida eterna!
 
Assim como o sopro de Deus deu vida ao primeiro homem, que pecou e caiu de seu estado de graça, somos restituídos à Graça por Jesus Cristo, o qual é pregado e ensinado por meio do Sopro de Deus que são as Escrituras Sagradas!
 
O Evangelho é um sopro diário de Deus para nos dar vida pela fé em Cristo, o qual varre as impurezas de nossos corações, expulsa os inimigos de nossas almas e conserva-nos em comunhão com o Pai. É a respiração de Deus vivificando o homem, dando fôlego renovado às pessoas em cada culto! É o precioso oxigênio que enche os pulmões da fé e permite que tenhamos plena segurança durante toda nossa vida...
 
Que cada um de nós possamos em nossos lares respirar desse fôlego de Deus, lendo e nos dedicando ao conhecimento Dele mais e mais... Assim como nossos corpos mortais necessitam do ar para respirar e manter-se vivo, nossos espíritos necessitam do sopro de Deus para serem fortalecidos em Cristo a cada dia! Sendo Jesus o Caminho para a Vida, o Evangelho é o ar que encherá nossos pulmões e nos dará fôlego renovado para a caminhada! Prossigamos com passos firmes, pois ao povo de Cristo pertence essa vitória!
 
Respire o Evangelho, hoje e sempre!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O Cristão e os Jogos de Azar


Entre os jogos de azar estão aqueles jogos permitidos por lei, que são as várias modalidades de loteria, os bingos - este último, muito usado até por igrejas cristãs e instituições - e os sorteios pelo telefone valendo dinheiro, carros e outros prêmios. Quem explora este tipo de jogo tem licença de órgão público competente. Mas nem por isso quer dizer que sejam jogos que convêm ao crente.

Temos também os jogos ilícitos, cujo mais popular é o Jogo do Bicho. Os cassinos são mais uma modalidade de jogos de azar cuja legalidade e implantação oficial está sendo discutida no Brasil. Para o cristão, o que realmente importa é se estas modalidades de jogo acabam por afetar algum princípio bíblico.

A Bíblia não proíbe de forma explícita os jogos de azar. Entretanto, nossa ética é elaborada não somente com aquilo que a Bíblia ensina explicitamente como também com aquilo que pode ser legitimamente derivado e inferido das Escrituras. Existem diversos princípios bíblicos que deveriam fazer o crente hesitar antes de jogar:

1. O trabalho é o caminho normal que a Bíblia nos apresenta para ganharmos o dinheiro que precisamos, Ef 4:28; 2Ts 3:12; Pv. 31. Quando uma pessoa não pode trabalhar, por motivos diversos, desde desemprego até incapacidade, ela deve procurar outros meios  de sustento e depender de Deus pela oração (Fp 4.6, 19). A probabilidade da situação do desempregado piorar ainda mais se ele gastar seu pouco dinheiro em jogo é muito grande.

2. Tudo que ganho pertence a Deus (Sl 24.1), e como mordomo, não sou livre para usar o dinheiro do jeito que quiser, mas sim para atingir os propósitos de Deus. E quais são estes propósitos? Aqui vão alguns mencionados na Palavra: (1) Suprir as necessidades da minha família (1Tm 5.8), o que pode incluir, além de sustento e educação, lazer e outras atividades que contribuam para a vida familiar; (2) compartilhar com os irmãos que têm necessidades e sustentar a obra do Evangelho (2Co 8-9; Gl 6:6-10; 3 João; Ml 3.10).

3. Deus usa o dinheiro para realizar alguns importantes propósitos em minha vida: suprir minhas necessidades básicas (Mt 6:11; 1Tm 6:8); modelar meu caráter (Filip 4:10-13); guiar-me em determinadas decisões pela falta ou suficiência de recursos; ajudar outros por meu intermédio; mostrar seu poder provendo miraculosamente as minhas necessidades. Jogar na loteria não contribui para qualquer destes objetivos.

4. Cobiça e inveja são pecado (Ex 20:18; 1Tm 6:9; Heb 13:5), e são a motivação para os jogos de azar na grande maioria das vezes. A atração de ganhar dinheiro fácil tem fascinado a muitos evangélicos.

5. Existem várias advertências no livro de Provérbios sobre ganhar dinheiro que podem se aplicar aos jogos de azar: o desejo de enriquecer rapidamente traz castigo (Pv 28.20,22); o dinheiro que se ganha facilmente vai embora da mesma forma (Pv 13.11); e riqueza acumulada da forma errada prejudica a família (Pv 15.27).

Uma palavra aos presbiterianos do Brasil: o Catecismo Maior da Igreja Presbiteriana do Brasil enquadra os jogos de azar como quebra do oitavo mandamento, “não furtarás”. Após fazer a pergunta, “Quais são os pecados proibidos no oitavo mandamento?” (P. 142), inclui na reposta “o jogo dissipador e todos os outros modos pelos quais indevidamente prejudicamos o nosso próprio estado exterior, e o ato de defraudar a nós mesmos do devido uso e conforto da posição em que Deus nos colocou”. É claro que esta posição oficial da IPB vale para seus membros, mas não deixa de ser interessante verificar os argumentos usados e sua aplicabilidade para os cristãos em geral.

É importante lembrar, ainda, que os jogos de azar são responsáveis por muitos males sociais, emocionais e jurídicos no povo, tanto de crentes como de não crentes. Menciono alguns deles:

1. O empobrecimento. Há pessoas que são cativadas pelo vício de jogar e, diariamente estão jogando. E, como só um ou poucos ganham, há pessoas que passam a vida toda jogando sem nunca ganhar. Não poucos perderam tudo o que tinham em jogos. Muitos pais de família pobres gastam o dinheiro da feira no jogo.

2. O vício de jogar apostando dinheiro. A tentação para jogar começa desde cedo a estimular uma compulsão entre crianças e jovens que começam a adquirir o hábito de “tentar a sorte”. Há milhares de jovens que já são viciados no jogo, especialmente com a vinda da internet e a possibilidade de jogos online com apostas.

3. Arruinar vidas e carreiras. Não são poucas as histórias de pessoas que se arruinaram financeiramente jogando na bolsa de valores – conheço pelo menos uma pessoa nesta condição – ou apostando em outros tipos de jogo.

4. Jogar dinheiro fora. As chances de se ganhar na loteria são piores do que se pensa. Para efeito de comparação, a probabilidade de uma pessoa morrer em um atentado terrorista durante uma viagem ao exterior é de 1 em 650 mil e atingida por um raio é de 1 em 30 mil. Se uma pessoa compra 50 bilhetes a cada semana, ela irá ganhar o prêmio principal uma vez a cada 5 mil anos.

Outra pergunta frequente é se as igrejas deveriam receber ofertas e dízimos de dinheiro ganho em loteria. Minha tendência é dizer que não deveriam. Guardadas as devidas proporções, lembro que no Antigo Testamento o sacerdote era proibido de receber oferta de dinheiro ganho na prostituição (Dt 23:18) e que no Novo, Pedro recusou o dinheiro de Ananias e Safira (At 5) e de Simão Mago (At 8:18-20).

Alguém pode dizer que o valor gasto nas apostas em casas lotéricas é muito pequeno. Concordo. Mas é uma questão de princípio e não de quantidade. Quando o que está em jogo são princípios, um centavo vale tanto quanto um milhão.  Augustus Nicodemus Lopes

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Garimpeiros Persistentes

“Se buscares a sabedoria como a prata e como a tesouros escondidos a procurares, então, entenderás o temor do Senhor e acharás o conhecimento de Deus” (Provérbios 2:4 e 5).
O epitáfio de uma sepultura, nas proximidades de um garimpo, dizia: “Morreu sonhando com um grande tesouro”. Todo garimpeiro é um sonhador. Arrisca tudo: deixa a família e o emprego, embrenha-se na selva ou em lugares inóspitos, trabalha dia e noite, expondo-se a toda sorte de perigos.
O que o mantém nessa aventura arriscada? O desejo de encontrar um tesouro. E, mesmo depois de achar pedras preciosas, continua garimpando, pois alimenta o sonho de um dia encontrar aquele diamante que jamais foi visto.
O tesouro a que Salomão se refere, é a sabedoria. Não erudição, ou vasto conhecimento, mas a ciência da vida, o temor do Senhor. Muitos homens eruditos chegaram ao fim da jornada terrena, sem esperança. Voltaire, por exemplo, disse: “Vou morrer e vou para o inferno”. Hobss confessou: “”Eis que estou prestes a dar um terrível salto para as trevas”. Esses homens, que encantaram o mundo com a sua cultura humanista, não tiveram a seu favor a ciência da vida, na hora derradeira. Outros, porém, encontraram lenitivo na sabedoria que vem do alto. Wesley afirmou:  “O melhor de tudo é que Deus está comigo”. Lutero, no leito de dor, orou: “Pai, nas Tuas mãos entrego o meu espírito, pois Tu me resgataste, ó Deus fiel!”
A Bíblia falta sobre pessoas que arriscaram tudo pelo temor do Senhor. Abraão deixou a confortável cidade de Ur e foi para uma terra distante. O diamante que alimentava seu ideal era cumprir a vontade de Deus.  Moisés desprezou as glórias e a sabedoria do Egito, pelo conhecimento de Deus. Ao longo de quarenta anos, foi alimentado por um grande sonho: ver o povo hebreu como cabeça e não como cauda. José não pediu para morar no Egito, mas foi lá que ele encontrou o diamante da pureza de caráter. O apóstolo Paulo é outro exemplo digno de lembrança. Desprezando o Sinédrio e as badalações dos líderes judeus, mostrou que era um garimpeiro destemido, ao afirmar: 
“Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo” (Fp 3:8).   Novo tempo

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O Sol do Meio-dia

"DEPOIS apareceu-lhe o SENHOR nos carvalhais de Manre, estando ele assentado à porta da tenda, no maior calor do dia. E levantou os seus olhos, e olhou, e eis três homens em pé junto a ele. E vendo-os, correu da porta da tenda ao seu encontro e inclinou-se à terra. E disseram-lhe: Onde está Sara, tua mulher? E ele disse: Ei-la aí na tenda. E disse: Certamente tornarei a ti por este tempo da vida; e eis que Sara tua mulher terá um filho. E Sara escutava à porta da tenda, que estava atrás dele. E eram Abraão e Sara já velhos, e adiantados em idade; já a Sara havia cessado o costume das mulheres. Assim, pois, riu-se Sara consigo, dizendo: Terei ainda deleite depois de haver envelhecido, sendo também o meu senhor já velho?. Haveria coisa alguma difícil ao SENHOR? Ao tempo determinado tornarei a ti por este tempo da vida, e Sara terá um filho".Gênesis 18.1, 2, 9, 10, 12, 14


Abraão, o grande patriarca do povo de Deus, chamado de amigo Do Eterno e pai da fé, fato que os judeus, muçulmanos e cristãos não descordam. Porém era Abraão filho de Terá, e seu pai era um fazedor de imagens (Js-4:2). Segundo o Talmud e o Midrash, Abraão todas as vezes que olhava para aquelas imagens dizia em seu coração, “deve haver uma Deus maior do que isso”, e realmente ele estava certo. Então certa vez, Terá, seu pai parte para uma viagem, mas antes ele chama seu filho e lhe dá uma incumbência, cuidar das imagens e dar comida a elas. Mas quando Terá volta ele se dirige até ao local onde ficavam as imagens e vê uma grande imagem no canto da sala que segurava um taco de madeira e todas as outras imagens menores quebradas. Então ele pergunta a Abraão o que teria acontecido, veja o que ele disse:

_ Meu pai, fiz tudo conforme me disseste, mas quando dava de comer as imagens menores, aquela maior, tomando o pedaço de pau em suas mãos veio e quebrou todas as outras. Mas seu pai não acreditou e disse:

_ Como pode isso ser verdade, se esta imagem tem mãos e não se mexe, tem olhos e não vê, tem pernas e não anda? Então respondeu Abraão:

Se tudo que o senhor meu pai disse é verdade, então porque acredita nelas? E naquele dia Terá, pai de Abraão se converteu ao único e verdadeiro Deus de todo o universo.

Porém, como nós, Abraão teve seu momentos difíceis, pois já fazia muito tempo que havia deixado sua família e obedecido a Deus, saindo errante em busca da promessa de ser pai de um grande povo e possuir uma terra que emana leite e mel.


O v.1 nos fala que Abraão estava assentado na porta da tenda no maior calor do dia, isso era no sol do meio dia, o momento mais quente do dia. Mas porque Abraão não entrou na tenda, mas preferiu ficar do lado de fora, se no interior da tenda ele estaria abrigado do grande calor? Calor este que chega atingir até 50ºc.

Abraão estava vivendo um dia difícil, ele sabia que seu problema estava dentro da tenda, não que o problema fosse Sara, sua esposa, mas sempre quando algo em nossas vidas dá errado, procuramos culpar alguém menos nós mesmos. Mas a bíblia diz que Deus havia falado com Abraão e não com Sara, então ele agora passa por uma crise de existência, e nessa crise ele esta questionando ao Senhor. Nós, como homens falhos, também, fazemos isto, porém de uma forma que desacreditamos na palavra de Deus, mas Com Abraão foi diferente.

Veja. Toda vez que Abraão olhava para sua agora velha esposa, ele recordava das palavras de Deus, mas nunca deixou de ser um amigo de Deus, pois já algumas promessas se haviam cumprido na vida de nosso patriarca, mas a grande e mais valiosa ainda não tinha acontecido, ter um filho, aquele que levaria seu nome.

Agora no maior calor do dia, um desânimo pega Abraão, dentro da tenda uma esposa velha e infértil, embora ainda a amasse, e do lado de fora a solidão e o calor, em cima Deus, e em baixo a terra que ele deveria possuir.

O cenário estava pronto. Tudo era perfeito. Quando a sua vida parecer estar no sol do meio dia, e tudo parecer já não ter mais solução, Jeová entrará em cena.


Talvez se Abraão tivesse entrado na tenda, no calor do meio dia ele teria pegado no sono, pois era um velho, e quem sabe Sara estava sentada tricotando com a lã do carneiro que ele havia matado dias atrás, e esta cena o faria dormir.

Quando o peso do tempo está sobre alguém, este alguém se torna uma pessoa cansada, não preguiçosa, mas cansada, e esta situação acontecia com ambos. E o fato de Sara ter se rido, não nos dá o direito de dizer que ela duvidava da palavra de Deus, mas que ela estava na prova, pois no Cap.17:17, Abraão também sorriu por ser velho e ter um filho. Então realmente eles, não só Abraão, mas ambos, viviam um dia difícil, a falta do cumprimento da maior promessa, a espera do grande milagre, na expectativa da chegada da benção.

Era por isso que Abraão foi se sentar na porta da tenda no calor o meio dia, pois ele estava na expectativa da chegada da benção. Pois veja bem, Abraão foi chamado com setenta e cinco anos de idade, e seu filho nasceria um ano depois desse dia, o que nos leva a crer que ele estava com noventa e nove anos de idade, assim sendo haviam se passados longos 24 anos.

Se existe uma coisa nobre que devemos pedir ao Senhor é paciência, muitas vezes não sabemos esperar nossas bênçãos e queremos ajudar ao Eterno. Passamos por problemas financeiros e quando estamos no sol do meio dia corremos para os agiotas, sofremos decepções amorosas e quando estamos no sol do meio dia nos entregamos as drogas. Verdadeiramente não sabemos nos assentar na porta da tenda no sol do meio dia.

Mas o que seria a tenda em nossos dias?

Abraão sabia que realmente Jeová cumpriria a promessa, mesmo parecendo impossível, foi por isso que o anjo do Senhor lhe disse: “Haveria alguma coisa difícil para Deus?”. Então Abraão sabia a importância da tenda, pois lá dentro ele passara a maior parte de sua vida, e nos braços de Sara. E se ele realmente teria um filho, com certeza seria concebido no interior da tenda e não no meio do pasto.

Isso quer dizer que você e eu nunca devemos deixar nossas tenda, pois sua benção tem tudo a ver com a sua tenda, pois momento mais difícil da vida de Abraão, ele foi se assentar na porta da tenda.

A tenda è a sua igreja. Todas as vezes que abandonamos a casa de Deus, estamos abrindo mão de nossas bênçãos e de nossas promessas. Não saia de sua tenda ainda que o sol do meio dia esteja ardendo sobre sua cabeça.


Quando tudo parecer acabado, quando as esperanças quase forem embora se assente na porta da tenda. Então diz a bíblia que em meio aquele calor imenso, Abraão olha e vê três anjos (por que três anjos? Isso eu conto depois), ele sabia que não era miragem mas sim a resposta a suas orações. Quero lhe falar uma coisa para você que está lendo esta mensagem, “Deus não se esqueceu de você!!!!!”

Ele esta apenas te testando, não desonre a Deus!! Ele chegará no sol do meio dia e virá a ti com a resposta. E para que você saiba e creia que quem escreveu esta mensagem é o próprio Deus, vou deixar algumas referências para que você reflita, e saiba que ainda que o sol esteja forte, há um Deus assentado no trono celestial que esta olhando por você, assim como Ele olhou para Abraão.


Números 23:19
19. Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?

Jô 14:07
7. Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos.


Habacuque 3:17 a 19
17. Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; 18. Todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação. 19. O SENHOR Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas.

Isaías 43:02
2. Quando passares pelas águas [estarei contigo], e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti.
  Pr. Alexandre Augusto  

sábado, 31 de dezembro de 2016

Planos Para o Ano Novo

Quais são seus planos para o novo ano? Quando Davi encarregou seu filho Salomão de construir o templo, entregou-lhe planos precisos e exatos. Até está escrito: "Deu Davi a Salomão, seu filho... a planta de tudo quanto tinha em mente" (1 Cr 28.11-12a).

Deus tem um plano para cada um de nós. Os Salmos dizem que Ele manifestou Seus caminhos a Moisés, que teve condições de captar os planos de Deus, de entendê-los e de colocá-los em prática, porque havia cursado a escola do Altíssimo e permanecido nela.

Um construtor que está num terreno e olha para o projeto de construção consegue imaginar a obra que ainda não existe. Essa é sua experiência constante, ele tem prática em ler plantas e em imaginar as obras prontas.

Infelizmente muitos crentes não fazem isso. Ao invés de procurar saber o que Deus quer, eles se exercitam em preparar os seus próprios planos. Você planeja a construção da sua casa? A compra de um novo automóvel? Planeja sua carreira? O futuro dos seus filhos? Sua aposentadoria? Nada disso é errado. Mas os problemas começam quando essas coisas dominam os nossos pensamentos. O que deveríamos fazer é treinar a nossa mente constantemente a fim de aguçá-la para entender e saber os propósitos de Deus. A passividade no discipulado de Jesus leva à resignação; então não conseguimos mais reconhecer o plano de Deus.

O discipulado de Jesus pode ser definido como uma contínua permanência na escola de Deus. O Deus vivo sempre nos dará novas tarefas de casa para que cresçamos e aprendamos o que significa ser mensageiros de Cristo.

Paulo escreve: "Exercita-te, pessoalmente, na piedade" (1 Tm 4.7b). E a Epístola aos Hebreus fala dos "...adultos ...aqueles que, pela prática, têm suas faculdades exercitadas..." (Hb 5.14). Para que possamos dar lugar aos propósitos de Deus em nossos corações, é necessário que nos exercitemos constantemente e com perseverança na disciplina espiritual. Jesus Cristo, o Davi celestial, quer conduzir-nos justamente a este ponto. Isto se manifesta claramente nas instruções do rei Davi a seu filho Salomão: "...conhece o Deus de teu pai e serve-o de coração íntegro e alma voluntária! ...sê forte e faze a obra" (1 Cr 28.9-10). Se deixarmos todo o espaço de nossos corações à disposição dos nossos próprios planos, o Deus vivo não poderá desenvolver Seu plano em nós pelo Seu Espírito. Deus está disposto a gravar Seus propósitos em nosso coração pelo Seu Espírito. Mas Ele necessita de espaço para isso, do maior espaço possível – e sem reservas.

Nossos próprios planos, que se refletem em nossa alma ou em nosso estado emocional, com freqüência são um empecilho para um andar alegre e frutífero na presença do Senhor. Agora o novo ano está diante de nós com todas as suas possibilidades. Qual é o plano de Deus? Quanto mais estivermos cheios do Seu Espírito, tanto mais o Seu plano formar-se-á em nós e por meio de nós, como no caso de Davi, em quem o plano de Deus "estava nele pelo Espírito". Ou para dizê-lo com as palavras de Paulo: "...escrita... pelo Espírito do Deus vivente... em tábuas de carne, isto é, nos corações" (2 Co 3.3). Lembremo-nos sempre disso! Peter Malgo

domingo, 25 de dezembro de 2016

A Imundície e a Glória

A jornada daquele homem começou de modo nada agradável.
Esqueça o ambiente bonitinho e angelical que você costuma ver nos presépios ou nos filmes sobre o Natal. Você já visitou o estábulo de um hotel-fazenda? Já viu como é o local onde os cavalos e as vacas ficam abrigados? Se já teve essa experiência, puxe pela memória e tente se lembrar dos cheiros, dos insetos, do que havia pelo chão. Agora você começa a ter uma percepção real de como foram os primeiros momentos de vida daquele bebê, o início de sua jornada na terra.
O ar que pela primeira vez entrou nos pulmões daquele recém-nascido foi o do interior de um estábulo. Sua maternidade não foi uma clínica limpinha, cheirosa e desinfetada, mas um ambiente insalubre que reunia uma mescla de odores de animais, de estrume e de urina. Quem sabe as moscas, que costumam infestar esses ambientes, tenham pousado nos bracinhos e no rosto do bebê, passeado por seus lábios, incomodado sua mãe. Carrapatos fatalmente andavam por ali. Talvez pulgas ou pombos, que muitas vezes se abrigam nas reentrâncias do teto.
O recém-nascido tampouco foi deitado num bercinho fofo e cheio de bichinhos de pelúcia e móbiles. Sua primeira cama foi um cocho, um comedouro, objeto rústico e sem glamour em que vacas, cavalos, jumentos, bodes e outros animais deixam saliva e muco nasal ao mastigar o alimento. Sim, o bebê não foi deitado em um berço de ouro e cetim, mas, provavelmente, ficou cercado de baba de animais. Acredite, não é o tipo de local em que você gostaria de deitar seu filhinho após o nascimento.
A jornada daquele menino prosseguiu. Perseguido pela maldade humana, ele teve de fugir para o distante Egito. Como terá sido a viagem, por centenas de quilômetros, para aquele menininho? Confortável? Pense em quando você viaja com seus filhos e eles, mesmo acomodados no conforto do ar condicionado do carro, com seus bancos macios, começam logo a perguntar, entediados: “Já estamos chegando? Falta muito? E agora, já estamos chegando?”. José e Maria levaram seu filhinho, ida e volta, por caminhos áridos no lombo de um animal. Dura, a jornada.
O tempo passou e o menino cresceu dentro da carpintaria de seu pai. Ali, aprendeu e se dedicou ao trabalho braçal, entre serragem, pó de madeira, pregos, cravos e farpas. Com dignidade, sim, mas numa vida que exigia esforço, suor e muitas horas de dedicação física e mental. Dureza.
Adulto, sua jornada mudou radicalmente de rumo. Saiu do anonimato, expôs-se à sociedade, tornou-se alvo de desconfiança, calúnias e inveja. Sua vida consistia em percorrer longas distâncias, encontrando pessoas de todos os tipos, muitas delas hostis e que pagaram seu amor transbordante com ódio assassino. Também conviveu, por opção, com a escória da sociedade de então: prostitutas, leprosos, ladrões, hipócritas, corruptos. Não, aquele homem não viveu cercado pelos perfumados e bem-nascidos, paparicado pelos chiques e famosos; ele conviveu com os indesejáveis, os doentes, os imundos.
Você já conseguiu perceber como a jornada de vida daquele homem foi difícil? Foi árdua. Não houve moleza. Tampouco terminou de forma pomposa, luxuosa ou bonita: o inocente foi preso como um criminoso, ofendido, esbofeteado, humilhado, cuspido, xingado, caluniado, açoitado, torturado. Crucificado. Morto.
Sua jornada foi pedregosa, do estábulo à cruz.
Mas há um detalhe fundamental.
Repare no que dizem as Escrituras: “E agora, Pai, glorifica-me junto a ti, com a glóriaque eu tinha contigo antes que o mundo existisse” (Jo 17.5). “Estêvão, cheio do Espírito Santo, levantou os olhos para o céu e viu a glória de Deus, e Jesus em pé, à direita de Deus” (At 7.55).“Não devia o Cristo sofrer estas coisas, para entrar na sua glória?” (Lc 24.26).
Consegue identificar o que houve na jornada do Cristo antes do estábulo e depois da cruz?
Glória.
A vida não é fácil. Não é limpinha, desinfetada, impecável. Viver traz consigo a certeza de, em muitos momentos, ter de enfrentar dor, tristeza, decepção, luto, doença, rejeição, mágoa — a sujeira e a dificuldade da caminhada. Todos passaremos por isso. Você pode estar passando por isso neste momento.
Mas existe uma diferença entre quem enfrenta a jornada da vida com Cristo ou sem Cristo. Para quem está na jornada com Cristo existe esta certeza: depois das muitas e dolorosas dificuldades, o que está à sua espera é... glória.

http://webevangelista.blogspot.com.br/2016/12/natal-imundice-e-gloria.html
Maurício Zágari

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Hospedaria e Estrebaria

Quando José e Maria chegaram à região de Belém, mesmo tendo vários parentes na região, não conseguiram pousada em nenhum lugar. As hospedarias estavam lotadas. Talvez o casal tenha ficado triste por um momento e preocupados sem saber onde passariam a noite e para agravar mais a situação, as dores começaram a anunciar que a hora do parto estava cada vez mais perto.
Naquele tempo não havia maternidade ou hospital. Os partos eram realizados em casa mesmo. Mas no caso de Maria, não tinha nem uma casa para ter seu primeiro filho. Mesmo sendo inexperiente na maternidade, ficaram confiantes em Deus.

Fico imaginando as respostas de conhecidos, parentes e recepcionistas das hospedarias de Belém: ‘desculpe, mas a casa está cheia’, ‘hum, vocês reservaram vaga?’, ‘infelizmente devido ao recenseamento, todos os quartos estão ocupados’. Em outros casos podem ter visto uma plaquinha na porta escrito ‘lotado’ ou ‘não há vagas’. Mesmo assim José continuou procurando até anoitecer.

Possivelmente já era noite e não restava alternativa quando José contemplou um curral e diante do cansaço, o lugar lhe pareceu aconchegante. Maria de tão exausta e sentindo dores, não deve nem ter percebido os detalhes, entregando seu corpo ao deitar sobre um forro de palha. Chegou a sua hora. Foi ali que Jesus nasceu! Aquele foi o lugar preparado por Deus para o nascimento do rei do universo.
Existe vaga para Jesus nascer em seu coração?
Vamos refletir sobre a diferença da hospedaria e da estrebaria comparando com os corações onde nasce ou não o Senhor Jesus:


1- Hospedaria – NÃO HÁ VAGAS:
As hospedarias eram como pousadas ou hotéis onde as pessoas alugavam quartos e faziam refeições. Talvez tivesse que fazer reserva para se hospedar. Naquela ocasião a cidade estava muito movimentada devido ao recenseamento.
A hospedaria ocupada lembra-nos o coração que está sempre ocupado com preocupações, vaidades e paixões da carne. Este coração é como os das virgens néscias que se atrasaram e encontraram a porta fechada (Mateus 25.11) e sempre deixam para aceitar Jesus em outra oportunidade.
Jesus disse que muitas vezes o coração humano fica cheio de pecados (Marcos 7.21) e que quando satanás percebe que um coração está vazio e sem Jesus, “leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e, entrando, habitam ali; e o último estado desse homem é pior do que o primeiro” (Lucas 11.26).
O ‘coração hospedaria’ pode ser um coração que se ilude com as alegrias do mundo como o filho pródigo se enganou com seus amigos inconvenientes e interesseiros e esteve ocupado demais para abrir seu coração (Lucas 15.13,14). Mas quando se viu sozinho com os porcos, seu coração se abriu para entender que precisava voltar para casa.
Este coração se acostuma hospedar muitas pessoas, mas ninguém chega a habitar definitivamente em seu interior. As amizades e amores sempre são passageiros. Jesus não quer ser um simples hóspede passageiro em seu coração. Ele quer ser o dono e morador permanente em sua vida.
Os cristãos de Laodicéia estavam assim indecisos. Eram mornos, nem frios e nem quentes. Não se decidiam quanto a servir ou não a Jesus Cristo integralmente, por isso o Senhor estava do lado de fora de suas vidas, mas lhes disse: “Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo” (Apocalipse 3.20).
Cuide de seu coração e não se deixe encher de prazeres passageiros e ansiedades, mas abra sua vida para receber Jesus em sua vida e te dar paz (Filipenses 4.6).
Seu coração está ocupado demais para Jesus nascer?
Esvazie seu coração e deixe Jesus entrar!

2- Estrebaria – HÁ VAGAS:
A estrebaria é um lugar rude e simples que quase sempre não cheira bem. Uma espécie de curral, onde se cuida de animais e estes descansam. Possivelmente este estábulo estaria abandonado ou desocupado, de maneira que nada impedisse a estadia do casal por aquela noite ou alguns dias.
A estrebaria disponível representa o coração que está aberto para receber Jesus. Já se ocupou com muitas preocupações e problemas, mas agora está aberto para quem quiser entrar.
Este coração embora às vezes temeroso em se entregar totalmente por já ter se decepcionado com outras pessoas, ao conhecer o Senhor Jesus não teme a promessa de “buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jeremias 29.13).
Como o coração daquela mulher samaritana que estava vazio, pois já tivera cinco maridos e certamente já se feriu muito, sentiu dores no peito e noites mal dormidas com olhos cheios de lágrimas. Contudo quando ela conheceu Jesus, sua vida se encheu de alegria. Ela não se conteve e precisou contar para todos que “porventura não é este o Cristo?” (João 4.24).
O ‘coração estrebaria’, muitas vezes é de alguém que foi abandonado ou pensa que está sozinho. Mas Jesus procura os “cansados e sobrecarregados” (Mateus 11.28) para aliviar. A pessoa sente um vazio no fundo do peito. Certa vez ouvi alguém dizer que ‘dentro do coração humano há um vazio tão grande que cabe Deus dentro’ e nada neste mundo pode satisfazer este coração a não ser a presença do Senhor Jesus.
Você pensa que está sozinho?
Jesus te ama e quer preencher o seu coração de alegria!

Deixe Jesus entrar em seu coração!

A situação de Jesus desde o dia que nasceu na terra até hoje, ainda é a mesma. Muitos corações são como as hospedarias que sempre estão movimentadas, mas não mora ninguém permanentemente. Mas Jesus é insistente como foram José e Maria em procurar um lugar até encontrar e se contenta até mesmo com uma estrebaria simples e abandonada para transformar em um palácio para o Rei do universo.
A melhor hospedaria sem Jesus é um lugar triste e pobre, mas uma simples estrebaria com Jesus é o melhor lugar do mundo. Se o seu coração está como uma hospedaria e está sempre cheio, mas ainda não tem um morador definitivo, entregue seu coração para Jesus ser o dono de sua vida e ele vai te dar a paz que você nunca teve. Mas se o seu coração está como a estrebaria, abandonado e solitário, Jesus ama você e quer transformar sua vida para sempre. Deixe Jesus fazer do seu coração uma manjedoura para Ele nascer e viver para sempre.
Se Jesus procurar vaga para nascer em seu coração, como ele estará? Cheio ou vazio?
Jesus quer entrar e morar em seu coração!


Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
Pastor Metodista e pregador do evangelho.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Manjedoura e Cruz

Então é Natal! Diz a canção que vem à nossa memória nessa época do ano. Época de festividades, de alegria, de confraternização, época de lembrar do nascimento de Jesus. E isso é muito bom. Ainda bem que comemoramos o Natal.
Muitos de nós entendem que o Natal não deve ser comemorado. “É festa pagã travestida de Cristianismo” dizem alguns. Outros dizem que é imposição do imperador romano. Alguns enxergam o nascimento de Jesus com olhos comerciais: “É hora do comércio faturar”. Outros, com o viés da comunhão familiar, dizendo: “Natal é época de reunir a família”. Cada um de nós tem uma percepção sobre o Natal.
Contudo eu queria propor uma percepção do Natal sob a ótica da cruz. Jesus nasceu, viveu e morreu sob a perspectiva da Cruz. O evangelista Mateus disse assim sobre o nascimento do nosso Senhor:
“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo; E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.”
Mateus 1:18-21
Então, neste momento onde em “nome do nascimento de Jesus” nos confraternizamos, ganhamos dinheiro, comemos, nos divertimos, mas nos esquecemos de algo mais importante que o nascimento de Jesus. O propósito pelo qual Jesus nasceu.
Mais importante do que o nascimento de Jesus é o motivo pelo qual Jesus nasceu. Jesus nasceu sob a perspectiva da cruz, Jesus nasceu para salvar o seu povo de seus pecados, e o povo de Jesus somos nós, a sua igreja.
Vemos no nascimento de Jesus uma característica que falta na igreja hodierna, Jesus nasceu com um propósito, o propósito do serviço. Jesus era o líder que servia, o Deus que servia, o amigo que servia, a vida de Jesus era o serviço, Jesus nasceu com o propósito de servir a humanidade no maior serviço possível, o de entregar a sua própria vida.
Na lógica paradoxal do Reino de Deus, Jesus nasce para morrer, a fim de que nós que estamos mortos, possamos pela sua morte, nascer no Reino de Deus e desfrutar da sua vida em nós. O apóstolo Paulo nos ensina isso quando ensinou aos irmãos da igreja de Éfeso:
“Mas Deus, que é rico em misericórdia, impulsionado pelo grande amor com que nos amou, quando estávamos mortos em consequência de nossos pecados, deu-nos a vida juntamente com Cristo – é por graça que fostes salvos! – juntamente com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos céus, com Cristo Jesus.”
Efésios 2:4-6
O serviço de Jesus, ao morrer por nós, deveria nos levar a morrer pelos outros. Afinal, o próprio Apóstolo Paulo ensina em Fp.2: “tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus”O sentimento que havia em Jesus era o sentimento de entender que a nossa vida sem servir ao outro, não vale a pena ser vivida.
Se o Jesus histórico nasceu para morrer, e toda a sua vida foi para este fim, o Jesus que nasceu em nós na nossa conversão, e nos fez seus seguidores, nos ensina que devemos morrer para nós mesmos, e em Jesus, possibilitar que outros tenham a vida de Deus que há em nós.
Neste Natal, o meu desejo é que em nosso coração, haja o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus. Que a mesma disposição de nascer para morrer em favor do outro, esteja no nosso coração, que o entendimento de que se eu nasci, o propósito deste nascimento é abençoar a vida de outras pessoas.
Que a nossa percepção do Natal, não seja uma percepção comercial, familiar ou social, mas que a nossa percepção do Natal, seja um natal sob a ótica da Cruz. Nascer para morrer, para que outros que mortos estão, possam viver através de nossa morte.
Feliz Natal. Que o aniversariante nos abençoe. 
Pastor Andre Oliveira
Terceira Igreja Batista em Anchieta

Hierarquização dos Ministérios e Dons


Aumenta a cada dia o número de crentes que não se sujeitam aos líderes e pensam que estão certos. Não respeitam pastores, verberam contra a liderança e afirmam que só devem obediência a Deus. “Igreja não é quartel general”, argumentam. E, generalizando, chamam qualquer liderança firme, segura, de coronelista.

Entretanto, vemos na Bíblia que o próprio Deus prioriza e hierarquiza. Ele — que podia ter formado todas as coisas com uma única palavra — fez questão de formar tudo a seu tempo, dia a dia (Gn 1). O Senhor também pôs em ordem as tribos de Israel (Nm 2), pois o nosso Deus é um Deus de ordem (1 Cor 14.40).

De acordo com 1 Coríntios 12.28, há uma hierarquização dos dons e ministérios — estabelecida por Deus, é evidente. Ela existe, não para que um portador de certo dom e ministério se considere superior aos outros, e sim para que haja ordem na casa do Senhor.

Deus pôs na igreja “primeiramente apóstolos” (1 Cor 12.28; Ef 4.11). Existem apóstolos hoje? Sim! Mas é claro que há também pseudo-apóstolos, que propagam muitas “apostolices”. Quem são os apóstolos do Senhor, então? São homens de Deus, enviados por Ele, com grande autoridade, e não autoritarismo. Eles formam a liderança maior da igreja, independentemente dos títulos empregados pelas denominações (pastores-presidentes, bispos, reverendos, pastores, presbíteros, etc.).

É importante não confundir títulos com ministérios e dons. Estes vêm do Espírito Santo, enquanto os títulos são recebidos dos homens. Na Assembleia de Deus, por exemplo, não existe o título de apóstolo. Mas isso não significa que não exista o ministério apostólico. Este, segundo a Bíblia, perdurará “até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13).

O texto de 1 Coríntios 12.28 afirma, ainda, que Deus pôs na igreja “em segundo lugar, profetas”, mencionados — na mesma posição, depois dos apóstolos — em Efésios 4.11. Não confunda esses profetas com os crentes que falam em profecia nos cultos, também chamados de profetas em 1 Coríntios 14.29. O ministério profético neotestamentário é formado por pregadores (pregadores, mesmo!) da Palavra de Deus, portadores de mensagens proféticas.

Em seguida, a Palavra do Senhor, em 1 Coríntios 12.28, assevera: “em terceiro, doutores”. Veja como essa hierarquização ocorria na igreja de Antioquia da Síria: “havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo” (At 13.1). Nesse caso, os doutores, que atuam juntamente com os profetas, são ensinadores da Palavra de Deus.

Há casos, como o de Paulo, em que três ou dois dos ministérios mencionados (apóstolo, profeta e doutor) se intercambiam (1 Tm 2.7). Os ministérios de pastor e evangelista certamente fazem parte dos três escalões mencionados em 1 Coríntios 12.28, posto que são títulos relacionados com a liderança maior da igreja.

Finalmente, em 1 Coríntios 12.28, está escrito: “depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas”. Milagres só vêm depois de apóstolos, profetas e doutores? Isso mesmo. Na hierarquização feita por Deus, o ministério da Palavra é mais prioritário que os milagres, haja vista serem estes o efeito da pregação do Evangelho (Mc 16.17). Observe que João Batista foi considerado por Jesus o maior profeta dentre os nascidos de mulher, mesmo sem ter realizado sinal algum (Jo 10.41).

Se não houver hierarquia nas igrejas, para que servirão os cargos e funções? Qualquer pessoa, dizendo-se usada por Deus, poderá mandar no pastor. Aliás, isso estava acontecendo na igreja de Tiatira, e o próprio Senhor Jesus repreendeu o obreiro frouxo que não estava exercendo a liderança que recebera do Senhor (Ap 2.20).

Deus é Deus de ordem! O princípio divino da hierarquização aparece em várias outras passagens neotestamentárias. Em 1 Coríntios 14.26, vemos que, no culto coletivo a Deus, deve haver ordem. Quanto à ressurreição, está escrito: “Mas cada um por sua ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda” (1 Cor 15.23). E, no Arrebatamento, tal princípio também será aplicado: “os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens” (1 Ts 4.17).

Em 1 Tessalonicenses 5.23, vemos que Deus prioriza o espírito, na santificação. Muitos pregadores têm dito: “Deus nos quer por inteiro: corpo, alma e espírito”. Mas a Bíblia afirma: “e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”. Essa ordem mostra que a obra santificadora do Espírito Santo ocorre de dentro para fora, e não de fora para dentro.

O apóstolo Paulo também parabenizou os crentes da cidade de Colossos porque naquela igreja havia ordem (Cl 2.5). E ordem também significa respeitar a hierarquia! Afinal, os ministérios não são invenção humana. Eles foram dados por Deus para edificação do Corpo de Cristo (Ef 4.11-15). Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

O Sermão do Bêbado

Estávamos em uma fase difícil na igreja. Problemas com o antigo pastor, um grupo de membros havia deixado a comunidade, éramos poucos questionando por que Deus estava permitindo tudo aquilo. Um domingo, quando éramos meia dúzia reunidos, com um sentimento de desânimo que pairava no ar, uma membro disse enfaticamente: “eu não sinto mais Deus no nosso meio. Tivemos tantos problemas e estou tão desmotivada que não sei o que fazer. Quando vinha para cá hoje tive esta certeza – Deus não está no nosso meio”.

Ficamos em estado de choque. Todos nos perguntávamos o que estava acontecendo e no nosso íntimo questionávamos se Deus era conosco. Ela teve a coragem de explicitar a pergunta que todos fazíamos no íntimo.

O pastor iniciou o culto. No meio dele escutamos um barulho dentro do salão onde nos reuníamos e uma voz reclamando. Era um bêbado que havia entrado de bicicleta e tudo e tinha caído. Fomos ajuda-lo a se levantar e ele perguntou se era uma reunião de igreja. Dissemos que sim e ele pediu para participar.

Mal o pastor retomou a palavra ele o interrompeu, querendo falar algo, sem nexo e com a voz empastada pela bebida. Outra vez o pastor tentou falar e ele interrompeu. O pastor perguntou se ele queria dizer algo à igreja e ele respondeu afirmativamente. Olhando para todos nós, como que para saber o que pensávamos, ele sentiu o apoio da comunidade e disse ao bêbado: “pode falar que vamos te ouvir. Depois de você eu vou falar e você vai me ouvir quietinho. Certo?” Aquele homem se transfigurou. Não era mais o bêbado que havia entrado de bicicleta e caído. Parecia sóbrio. Sua história foi mais ou menos a seguinte:

“Desde pequeno minha mãe me ensinou as coisas sobre Deus. Um dia perguntei a ela onde Deus morava e por que nunca o tinha visto. Ela me disse que ele morava no céu e que não se podia ver a Deus por causa da sua glória. Na adolescência, intrigado com o fato de Deus existir ou não, raciocinei que, se Deus mora no céu, eu devia ir ao local mais alto que conhecesse e lá pediria que ele provasse para mim que ele existia. Subi ao monte mais alto que tinha na minha cidade e no alto dele clamei pedindo que Deus, se de fato existisse, se revelasse a mim. Nada aconteceu. Fiquei ali parado esperando. Acabei dormindo. Em certo momento, fui despertado por um vento que bateu e da árvore debaixo da qual eu estava caíram flores perfumadas e me cobriram de perfume e senti naquele momento que era Deus dizendo para mim: eu existo. Nunca mais senti aquele perfume, mas nunca o esqueci. Mais de trinta anos se passaram e hoje, quando estava passando em frente deste templo, senti o mesmo perfume que me cobriu lá no alto da montanha. E eu entrei. E entrei para dizer para vocês que Deus está aqui no meio de vocês. Nunca duvidem disto”.

Aquilo caiu como bomba em nosso meio. Ficamos quietos e chorávamos. Depois de um longo tempo de silêncio, o pastor disse: “não há mais nada a dizer hoje. Já recebemos a Palavra de Deus”.

Estávamos mortos pelo desânimo. Sem pedir licença e da forma mais inesperada possível ele vem à comunidade. Entra atropelando, atropela o andamento do culto e pede a palavra. Em sã consciência ninguém daria a ele a oportunidade de falar. Fomos movidos a fazer uma loucura.
Descobrimos Deus se movendo entre nós, usando alguém que não tinha credenciais eclesiásticas. Ele foi o instrumento de Deus para nos trazer nova vida, nova esperança, novo começo. O bêbado foi usado por Deus para nos dar novo ânimo, ele frutificou em nosso meio, nos levou de volta a Deus e até hoje a igreja é edificada pela palavra que ele nos trouxe.

Correio Popular
http://correio.rac.com.br/_conteudo/2013/03/colunistas/inhauser/arquivos/38227-o-sermao-do-bebado.html

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

A Trilha para o Trono

De acordo com Paulo, nós que cremos em Jesus fomos levantados da morte espiritual e assentados com Ele no reino espiritual. "Estando nós mortos em nossos delitos, (Deus) nos deu vida juntamente com Cristo...e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus" (Efésios 2:5-6). 

Então, onde é esse lugar celestial onde estamos assentados com Jesus? É nenhum outro senão a própria sala do trono de Deus - o trono da graça, a habitação do Todo-Poderoso. Dois versículos adiante, lemos como fomos levados a esse lugar maravilhoso: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (2:28).

Essa sala do trono é a moradia de todo poder e domínio. É de onde Deus governa sobre todos os principados e potestades, e reina nas coisas dos homens. Aqui da sala do trono, Ele monitora cada movimento de Satanás e examina todo pensamento do homem. 

E Cristo está assentado à destra do Pai. As escrituras nos dizem: “Todas as cousas foram feitas por intermédio dele” (João 1:13), e, “nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade” (Colossenses 2:9). Em Jesus reside toda a sabedoria e paz, todo poder e toda energia, tudo que é necessário para viver uma vida vitoriosa e frutífera. E nos é concedido acesso à todas essas riquezas que estão em Cristo.

Paulo está nos dizendo, “Tão certo quanto Cristo foi levantado dentre os mortos, nós fomos levantados com Ele pelo Pai. E, tão certo quanto foi levado para o trono de glória, fomos levados com Ele ao mesmo glorioso lugar. Porque estamos nEle, estamos também onde Ele está. Esse é o privilégio de todos os crentes. Quer dizer que estamos sentados com Ele no mesmo lugar celestial onde habita”.

É claro que o mundo tem todo o direito de questionar esse conceito. Como um cristão poderia estar vivendo no espaço celestial, assim como na terra? Mesmo crentes admitem que não compreendem o ensinamento de Paulo aqui. E confessam não experimentar essa verdade em suas vidas diárias.

Nem temos de olhar para o exemplo de uma igreja confusa e desesperada para vermos isso. Só temos de examinar o nosso próprio caminhar com Cristo. Multidões de cristãos estão derrubados e com medo; vão à igreja, cantam louvores a Deus, e testificam do poder vitorioso em suas vidas. Mas para muitos dentre estes mesmos cristãos, a vida é uma constante série de altos e baixos. Eles são aniquilados pelos cuidados e problemas do mundo; ao enfrentar provações são quebrados, e a fé some em um instante.

Eu lhe pergunto: isso reflete a vida celestial que Paulo descreve? Essa é a idéia que você tem em relação à vida do trono? Lemos que o próprio Cristo nos levou à uma posição celestial com Ele. Mas se é assim, então muitos cristãos estão vivendo muito abaixo das promessas concedidas por Deus. Pense nisso: se estamos efetivamente vivendo em Cristo, assentados com Ele na sala do trono celeste, então como algum crente pode ainda estar escravizado à carne? Recebemos uma posição nEle com um objetivo. Mas muitos no corpo de Cristo não a reivindicaram ou não se apropriaram dela.

Leia cuidadosamente as palavras de Paulo: “O qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as cousas debaixo dos pés e, para ser o cabeça sobre todas as cousas, o deu à Igreja” (Efésios 1:20-22).

A maioria dos cristãos não tem nenhuma dificuldade em crer que Cristo está lá. A gente prega: “Jesus está agora no trono. Está acima de toda potestade e poder, muito acima do alcance de Satanás”. Contudo achamos difícil aceitar a verdade que se segue: “E, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus” (2:6). Podemos crer que Cristo já está nesta posição celestial, assentado com o Pai. Mas não conseguimos aceitar que nós também estamos assentados lá, na mesmíssima sala do trono. No entanto, o próprio Jesus já nos disse: “Vou preparar-vos lugar” (João 14:2), não apenas na glória, mas agora mesmo.

Para muitos, isso soa como fantasia, uma ilusão teológica: “Você quer dizer que não tenho de viver uma vida quente e fria, um dia no alto, outro lá embaixo? Quer dizer que quando for abalado pela tribulação, não preciso hesitar? Que eu posso manter intacta a minha intimidade com Cristo?”.

Sim, exatamente. Paulo declara, “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo” (Efésios 1:3). Note onde Paulo diz é concedida toda bênção espiritual: na sala do trono. Todas as riquezas de Cristo estão à nossa disposição lá: firmeza, poder, descanso, paz crescente.

Então, por que há tantos cristãos bem intencionados perdendo essas coisas? Seria porque não estamos ocupando a nossa posição no lugar celestial com Cristo? Será porque ouvimos tanta falação atualmente quanto à necessidade de avivamento? Seria porque multidões de crentes simplesmente não estão vivendo a vida ressurrecta?

Paulo deixa claríssimo: para ter as bênçãos de Cristo fluindo através de nós, temos de estar assentados com o Senhor na sala do trono nos céus.

Algo de Terrível Acontece Atualmente na Casa de Deus, Um Problema que Vejo Como "Queda de Força"    

Satanás está devastando a casa de Deus, e não está sendo desafiado. Pelo contrário, ele prossegue livre enganando muitos no corpo de Cristo, causando desespero e confusão, e trazendo ruína aos que serviram Deus por toda uma vida.

Um sociólogo agnóstico escreveu um livro sobre a situação da igreja. Ele conclui o seguinte em relação aos cristãos: “Longe de viverem no ‘outro mundo’ (céu), os fiéis são notavelmente iguais ao mundo secular... Na prática, não são do jeito que deveriam ser em sua teologia... A cultura os atropelou... A conversa sobre inferno, condenação e mesmo pecado foi substituída pela linguagem não condenatória da compreensão e da empatia”. C. S. Lewis disse algo parecido há décadas atrás: “O maior inimigo da igreja é o ‘mundanismo satisfeito’”. 

Parece que a igreja desabou, cedendo aos problemas que estão em torno de nós. Em termos simples, deixamos de nos concentrar na vitória de Cristo ou em vivermos vida vitoriosa. Vejo sintoma disso na proliferação de conselheiros. Por que? Porque poucos cristãos crêem ser possível viver a vida celestial nesses tempos difíceis. Pelo contrário, correm atrás de aconselhamento, chorando, “Tive um dia terrível. Por favor, me dê algo que me ajude chegar até amanhã”.

Nos deparamos com o mesmo foco em muitas das pregações modernas. A maioria dos sermões de hoje se concentra em atender às necessidades das pessoas, ao invés da vida vitoriosa que temos em Cristo. Os pastores oferecem três passos para sobrevivência para mais um dia, um plano do tipo “Como aprender a” - para simplesmente se ir levando. Essas mensagens negligenciam completamente a sala do trono, e o posicionamento celestial que nos foi dado em Cristo. 

A verdade é: esse mundo sempre foi complicado. Sempre esteve sob a ameaça de tragédias, à beira do colapso. Tal tem sido a mentalidade de piedosos pastores durante séculos. A minha biblioteca em casa contém poderosas mensagens pregadas por ministros Puritanos do século 17. Eles advertem quanto à bebedeira, à delinqüência juvenil, à fornicação, à bestialidade, à agitação política, aos transtornos familiares desenfreados. Resumindo, eles falaram há centenas de anos atrás sobre todas as coisas que vemos acontecendo hoje. E alguns deles achavam que Deus não teria como suportar tanta corrupção por outros cinqüenta anos.

Em 1860, um pastor cheio do poder em Nova Jersey prevenia quanto à “amplidão das trevas” que estavam envolvendo o país. Ele pregava sermões flamejantes gritando contra a apatia e o mundanismo da igreja. Esse homem também escreveu um livro chamado “The Millenial Experience” onde descrevia doutrinas e cultos falsos que brotavam por todo lado. Ele, também, pregou sobre as mesmas coisas que vemos tendo lugar hoje. 

O povo de Deus sempre enfrentou um inimigo que ataca de todos os lados. As coisas hoje podem estar bem piores do que no tempo dos Puritanos, mas enfrentamos o mesmo diabo. E aqueles mesmos pastores ensinavam que toda bênção profetizada para o futuro estava disponível então ao povo de Deus. Não importa se vemos a corrupção aumentando em torno de nós. Segundo Paulo, a graça de Deus nos vem muito maior do que essa.

Então, por que não crer em Deus visando hoje essas mesmas bênçãos espirituais? Por que deixamos de crer que Ele nos responde antes de pedirmos? Se estamos em Cristo - se Ele ao mesmo tempo está dentro de nós, e à destra do Pai - por que as nossas vidas não refletem isso? 

Há uma Necessidade no Corpo de Cristo Daquilo que Denomino "Grande Despertamento"           

O que quero dizer com grande despertamento? Estou falando a respeito do que Paulo descreve como revelação e iluminação: “Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder” (Efésios 1:17-19).

Paulo está dizendo aos efésios: “Oro para que Deus lhes dê uma renovada revelação, que abra os seus olhos para o chamado que lhes tem enviado. Peço que dê a vocês nova compreensão quanto à vossa herança, às riquezas de Cristo que lhes pertencem. Há um poder arrebatador que Deus deseja liberar em vocês. É o mesmo poder que estava em Jesus. Sim, o mesmo poder que está no Cristo celestial entronizado, está em vós agora mesmo”.

Segundo Paulo, o tremendo poder de Deus “o qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à Sua direita nos lugares celestiais”, corresponde à mesma “suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força do seu poder” (1:20,19). Por essa razão, Paulo exorta: “Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé” (2 Coríntios 13:5). 

Como devemos nos examinar? Fazemos isso medindo-nos em relação às impressionantes promessas de Deus. Devemos nos perguntar: “Eu recorro e valho-me dos recursos de Cristo para resistir ao diabo? Eu acesso o Seu poder para vencer o pecado? Eu vivo continuamente na alegria, na paz e no descanso que Jesus prometeu a todo crente sem exceção?”.

Amado, a vida do trono não é fantasia. Não se trata de um ilusionismo teológico qualquer. É uma provisão tornada possível a nós através da cruz de Cristo. Logo, se algum crente não possuir essa vida do trono, ele só pode concluir uma coisa: “Eu ainda não me apropriei da posição celestial que me foi dada com Cristo. Se não posso ver Seu gigantesco poder em ação em mim, então não assumi o meu lugar nEle”.

O seu “grande despertamento” pessoal chega no dia em que você olha para a sua vida e clama:

“É preciso haver mais do que isso na vida em Cristo. Todos os planos que eu tinha foram desmanchados, os meus sonhos destruídos. Vivo como um escravo dos meus medos e dos desejos da carne. Mas não agüento mais isso”. 

“Sei que o Senhor me chamou para mais do que essa vida de derrota. E não serei hipócrita. Oh, Deus, há de verdade um jeito de Tu me concederes a força para eu viver em vitória? Tu estás verdadeiramente querendo me tornar mais do que vencedor em minhas provações? É mesmo verdade que Tu tens como me conceder perfeita paz em meio às batalhas?”

“Seria realmente possível eu ter contínua intimidade contigo? Seria verdade eu não ter mais de escorregar para a apatia, ou ter de lutar para Lhe agradar? Será que há mesmo um lugar de descanso em Ti onde nunca mais precisarei de avivamento - pelo fato da minha fé estar constante e leal?”

Você está preste a despertar quando admite: “Amo Jesus, mas não estou experimentando a vida do trono da qual Paulo fala”. Esse é o momento em que você está sendo direcionado à revelação e à iluminação. O próprio Deus o escolheu - não para viver uma vida sem alegria e em desespero sob a pressão do inimigo, mas para ter uma posição celestial. E chegou a hora de você olhar para o alto e reivindicar esse lugar em Cristo. 

Há Senão Uma Trilha Para o Trono

Não se chega a esse lugar celestial pelo choro. Não dá para entrar lá por meio do estudo ou de obras. Não, o único caminho em direção à vida do trono é por meio de um sacrifício vivo: “Apresentei os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rom. 12:1).

Paulo está falando aqui por experiência própria. Eis aqui um homem que foi rejeitado, tentado, perseguido, surrado, aprisionado, vítima de naufrágio, apedrejado. Paulo também tinha sobre si todos os cuidados da igreja. Mesmo assim, testifica: “Em todas
as situações vivo em contentamento”.

Agora ele está nos dizendo: “Então, você quer saber como eu cheguei ao conhecimento desse caminhar celestial? Quer saber como cheguei ao contentamento seja qual for a situação na qual eu esteja, ou como consegui encontrar descanso verdadeiro em Cristo? Eis a trilha, eis o segredo para se apropriar de sua posição celestial: apresente o seu corpo como sacrifício vivo ao Senhor. Cheguei ao contentamento unicamente pelo sacrifício de minha própria vontade”.

A raiz grega para “vivo” aqui sugere “por toda a vida”. Paulo está falando de um comprometimento de união, um sacrifício feito de uma vez por todas. Contudo, não se engane: esse não é um sacrifício que tenha a ver com a propiciação pelo pecado
– o sacrifício de Cristo na cruz é a única propiciação válida: “Agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado” (Hebreus 9:26).

Não, Paulo está falando de um tipo diferente de sacrifício. Mas ainda assim, não se engane: Deus não tem prazer no sacrifício fabricado pelo homem no Velho Testamento. Hebreus nos diz: “Não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado”
(10:6). Por que tais sacrifícios não eram agradáveis ao Senhor? Colocando em termos simples: porque não exigiam coração.

Mas o sacrifício que Paulo descreve é do tipo no qual Deus tem grande prazer, precisamente porque envolve o coração. Que sacrifício é esse? É o sacrifício da morte da nossa vontade, de pôr de lado a nossa auto-suficiência, e do abandono de nossas
ambições.

Quando Paulo exorta: “Apresentei os vossos corpos”, está dizendo basicamente, “Chegue-se ao Senhor”. Mas, o que isso significa exatamente? Significa nos aproximar de Deus com o propósito de ofertar-nos inteiros a Ele. Significa ir a Ele não em nossa própria suficiência, mas como filho ressurrecto, como santificado na retidão de Jesus, como aceito pelo Pai através de nossa posição em Cristo.

O próprio Jesus ofereceu Sua vida como sacrifício vivo. Não estou falando do sacrifício que Ele fez por nossos pecados na cruz. Não, houve dois aspectos em relação ao sacrifício de Cristo. Primeiro, houve a Sua propiciação pelo pecado. E então houve o
abandono de Sua vontade ao Pai. Para resumir, Jesus se deu não só como sacrifício por nossos pecados, mas como sacrifício vivo para ser usado como instrumento pelo Pai. Veja o Seu testemunho:

“Eis aqui estou...para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hebreus 10:7). “Não vim porque eu, de mim mesmo, o quisesse, mas aquele que me enviou é verdadeiro” (João 7:28). “Nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai e ensinou. E aquele que me enviou está comigo, não me deixou só, porque eu faço sempre o que lhe agrada” (8:28,29). “Eu falo das cousas que vi junto de meu Pai” (8:38).

Todo crente é chamado a participar desse aspecto do sacrifício de Cristo. Devemos nos apresentar a Deus, submeter nossa vontade a Ele, e ingressarmos numa vida inteiramente dependente dEle. Devemos ir a Ele dizendo: “Senhor, renuncio à minha vontade em favor de Ti. Troco a minha vontade pela Tua. Estou me comprometendo a nunca mais dizer ou fazer qualquer coisa a menos que me dirijas a isso”.

É claro que Jesus é o nosso exemplo nisso. Ele não agiu segundo a Sua vontade, mas falou e agiu apenas segundo o direcionamento do Pai. E fez tudo isso com um propósito: conduzir “muitos filhos à glória” (Hebreus 2:10). Em resumo, Cristo nos mostrou a trilha para o trono. Estava dizendo: "Siga-me, pondo de lado a tua vontade, teus planos, os teus sonhos. Comprometa-se com uma vida totalmente dependente do Pai. Então a tua vida trará glória para Ele". 

Quero Oferecer uma Definição de Glória: É a Plenitude de Deus em Cristo

Eis aqui a glória à qual todo cristão é escolhido a cumprir. Veja, muitos são chamados como filhos do Pai, com todos os privilégios de filiação - mas nem todos caminham nessa glória, mesmo tendo nós sido destinados a apropriarmo-nos dela. Bem, uma incrível glória será manifesta quando Cristo voltar para levar Seus servos. Mas há também uma glória direcionada para ser manifesta na igreja de Deus aqui na terra. Estou falando da glória de estar em Cristo onde Ele está agora: "Eis aqui estou eu e
os filhos que Deus me deu" (Hebreus 2:13).

Essa glória espera o servo que vai ao altar para apresentar seu corpo como sacrifício vivo. Ele abandonou todos os seus planos e ambição, porque experimentou as terríveis conseqüências de caminhar segundo sua própria vontade. Ele está esgotado de tanto lutar para acertar seus problemas. E não agüenta mais ver planos fracassarem, sonhos ficarem travados. Então ele vai ao altar para resolver a questão de uma vez por todas: submeter-se inteiramente à vontade de Deus.

Tal é o sacrifício que todo crente deve fazer se quiser conhecer a mente de Deus. O Senhor nunca compartilha Seus planos com os que se agarram aos próprios esquemas. Por que Ele irá direcionar alguém que esteja determinado a fazer o que já resolveu? Eu conheço um pouco os dois lados dessa trilha. Em várias ocasiões, segui minha própria vontade. Mas eu também conheço a liberdade que vem por se poder declarar, de uma vez por todas: “Nada tenho a fazer senão cumprir a vontade de Cristo. Não tenho necessidade de levantar um grande trabalho. E não preciso estar envolvido em coisas boas, a menos que Ele me leve a isso. Não tenho de provar nada a ninguém. Eu só quero é confiar em Jesus e depender inteiramente dEle”.

Posso dizer por experiência própria: esse ponto de quebrantamento e confiança é que lhe leva a encontrar o despertamento e o iluminar do qual Paulo fala: “Todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rom. 8:28). Você desiste de enfrentar as durezas da vida com sua própria força. Você já teve o suficiente de hesitação na fé, de medo que não sai, de nunca ter certeza quanto ao quê fazer. Então você leva tudo ao altar – o seu ego, seu orgulho, seus planos – e vai a Jesus com espírito quebrantado e coração contrito. Você chegou ao ponto em que confia unicamente nEle para que tudo coopere para o bem.

No momento que você renuncia à sua vontade para a dEle, o sacrifício foi feito. Acontece quando você simplesmente desiste de lutar para tentar agradar a Deus por si. Você não consegue ter méritos para Lhe agradar através de uma vida correta ou praticando boas obras. Não, você está compromissado simplesmente a confiar nEle. E quando apresenta seu sacrifício vivo a Jesus, eis a resposta dEle: “Sim, venha e arrazoemos. Se você sacrificou sua vontade, não é razoável você vir e assumir
o seu lugar comigo pela fé?”.

Na verdade, esse ato de fé é o “culto racional” ao qual Paulo se refere: “Apresentei os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rom. 12:1). Trata-se de confiar nEle com a nossa vontade, crendo que
Ele concederá todas as bênçãos que necessitamos.

Pense nisso: deixa de ser racional abrir mão de sua vontade - mas não crer que pode ingressar na plenitude de Cristo. Ele lhe chamou para tomar a vontade dEle, pela fé: “Se tu queres a Minha vontade – se queres viver uma vida na qual poderá sacar da Minha paz, do Meu descanso, da Minha sabedoria o tempo todo – então venha à sala do trono pela fé. Aqui, tu estás em Mim. Quando orar, será como se Eu estivesse orando através de ti. Tu estarás onde Eu estou”.

Você Está Pronto Para Desistir de Tua Vida de Lutas, de Medo do Futuro, de Altos e Baixos, de Nunca Achar que Está Agradando ao Senhor?

Se você está cansado de lutar, está na hora de se perguntar: estou pronto para me oferecer no altar, como sacrifício vivo? Está pronto para dizer: “Não seja feita a minha vontade, Jesus, mas a Tua. Cansei de tentar dirigir minha própria vida.

Eu a destrocei completamente. Agora estou pronto para confiar em Ti totalmente.Tu apenas possuis o poder, a autoridade, as orientações que preciso. Então, vou a Ti pela fé. E confio que falarás a mim fielmente, dizendo, ‘Eis o caminho, andai
por ele’”.

Se isso lhe descreve, então você está pronto para pegar seu lugar celestial com Cristo. Mas fique avisado: Satanás fará tudo que puder para tentar abalar sua postura de retidão. Os seus problemas e sofrimentos não vão acabar simplesmente porque está assentado com Cristo. Em verdade, podem aumentar. Mas agora possuirá os recursos interiores para enfrentar suas dores, porque o poder de Deus está operando em você. E você pode informar ao diabo: 

“Oh vil serpente, fique sabendo: eu não estou mais no endereço velho. Não moro mais na rua do Desespero. Eu assumi uma nova posição, na sala do trono de Deus. E estou residindo em um novo lugar, nas regiões celestiais com Cristo. Então, se você quiser me atingir, terá de fazê-lo aos cuidados do Deus Todo-Poderoso. Ah, eu também atendo por um nome novo. Agora você pode me chamar de ‘príncipe vencedor com Deus’”.

Prezado santo, a sala do trono agora lhe está aberta. Aceite o que Cristo fez, e ousadamente assuma a sua posição com Ele, pela fé. Ele aceita a renúncia de sua vontade. Agora, peça que Ele abra os olhos do seu entendimento. E confesse, “Creio naquilo que o Senhor diz a respeito de mim: que sou um príncipe de conquistas. Também creio que estou onde Ele diz que estou: na sala do trono dos céus. Estou assentado com Ele num lugar de autoridade sobre toda obra de Satanás. Aleluia, Ele me mostrou o caminho para o Seu trono. E agora a minha habitação diária é nEle”. David Wilkerson

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...