sábado, 6 de novembro de 2010

Comentários ao Evangelho de João

"Não vós me escolhesses, eu vos escolhi" [Jo 15,16]. Eis a inefável graça! Que éramos nós quando não tínhamos ainda escolhido a Cristo, e por isso não o amávamos? Como poderia amá-lo aquele que não o escolheu? Acaso já ocorria conosco o que se canta no Salmo: "escolhi, antes, ser humilde na casa do Senhor do que habitar nas moradas dos pecadores" [Sl 83,11]? Não, decerto. Que éramos, senão iníquos e perdidos? Nem sequer tínhamos acreditado nele, para sermos por ele escolhidos. Se nós escolhemos já acreditando nele, eram escolhidos os que escolhia. Ele disse, porém: "não fostes vós que me escolhesses". Porque foi "a sua misericórdia que se antecipou a nós" [Sl 58,11]. Por aí se vê quanto é destituída de razão a maneira de raciocinar dos que defendem a presciência de Deus contra a graça de Deus. Dizem que fomos escolhidos "antes da constituição do mundo" [Ef 1,4], porque Deus previu que havíamos de ser bons, e não que ele mesmo nos haveria de fazer bens. Ora, não é isto e que diz ele, quando diz: "Não fostes vós que me escolhesses". Se nos tivesse escolhido porque previra que havíamos de ser bons, teria igualmente previsto que nós primeiramente o havíamos de escolher. Não podíamos ser bons de outro modo. a não ser que se chamasse bom quem não escolheu o bem. Que escolheu ele nos que não são bons? Não foram escolhidos por terem sido bons. Nunca seriam bons se não tivessem sido escolhidos. Se sustentarmos que já havia méritos, a graça já não seria graça. A escolha é obra da graça, como diz o Apóstolo: "no tempo presente subsiste um resto, por causa da escolha da graça" [Rm 11,5]. E acrescenta: "se isto foi pela graça, não foi pelas obras; de outra sorte, a graça já não seria graça". Ouve-me, ó ingrato, ouve-me! "Não fostes vós que me escolhestes, mas eu que vos escolhi". Não tens razão para dizer: fui escolhido porque já acreditava. Se acreditavas nele, já o tinhas escolhido. Mas ouve: "Não fostes vós que me escolhesses". Não tens razão para dizer: antes de acreditar, já realizava boas ações, e por isso fui escolhido. Se o Apóstolo diz: "o que não procede da fé é pecado" [Rm 14,23], que obras boas podem existir anteriores à fé? Ao ouvir dizer: "Não fostes vós que me escolhesses", que devemos pensar? Que éramos maus e fomos escolhidos para nos tornarmos bons pela graça de quem nos escolheu. A graça não teria razão de ser se os méritos a precedessem. Mas a graça é graça. Não encontrou méritos, foi a causa dos méritos. Vede, caríssimos, como o Senhor não escolhe os bons mas escolhe para fazer bons. "Eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais frutos, e o vosso fruto permaneça" [Jo 15,16]. Referira-se a esse fruto quando dissera: "sem mim nada podeis fazer". Escolheu, pois, e constituiu-nos para irmos e produzir os fruto. Não tínhamos qualquer fruto que fosse a razão de ser de nossa eleição. "Para que vades e produzais fruto''. Vamos para produzir. Ele é o caminho por onde vamos, e onde nos colocou para que vamos. Em tudo se antecipou a nós a sua misericórdia. "E para que vosso fruto permaneça, a fim de que tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda" [Jo 15,16]. Permaneça, pois, o amor. Ele mesmo será a nosso fruto. O amor agora existe em desejo e não em plena abundância, mas pelo próprio desejo que alimentarmos em nós, tudo o que pedirmos em nome do Filho unigênito no-lo concederá o Pai. Não vamos julgar que pedimos em nome do Salvador. Só podermos pedir em nome do Salvador o que convém à nossa salvação.

Agostinho de Hipona

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...