domingo, 27 de novembro de 2016

A Fé e o Cordão Umbilical


"Sim, há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. O rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro; rio puro de águas vivas. Naquele dia haverá uma fonte aberta para a casa de Davi, e para os habitantes de Jerusalém, para purificação do pecado e da imundícia. Se alguém tem sede, venha a Mim e beba. Todo aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que Eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna. Quem crer em Mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Quando vindes para comparecerdes perante Mim, quem requereu isso de vossas mãos, que viésseis pisar os meus átrios? A fé atravessou o pátio exterior, e foi direto ao trono do Rei, para render ali sua homenagem à Sua pessoa, e lavar os pés do Admirável, o Conselheiro, Deus forte".

A fé ocupa a posição de um canal ou de um tubo condutor, a graça é a fonte. A fé é o aqueduto por onde descende o fluxo da misericórdia para refrescar os sedentos filhos dos homens. O aqueduto deve conservar-se intacto para que possa transportar a corrente de água, e da mesma forma, a fé tem que ser legítima e verdadeira, e tem que subir diretamente a Deus e descer diretamente a nós, para que possa converter-se em um condutor útil de misericórdia para nossas almas. A fé é o canal, o aqueduto, e não a fonte, e não devemos colocar muito os olhos nela, como para exaltá-la acima da fonte divina de toda benção que está na graça de Deus. Lembre-se disso ou você pode cair no erro de fixar tanto a sua mente na fé que é o canal da salvação que se esquece da graça que é a fonte e até origem da própria fé. Jamais convertam sua fé em um Cristo, nem a considerem como se fosse a fonte independente de sua salvação. Encontramos nossa vida ao “olhar para Jesus”, não ao olhar a nossa própria fé. Todas as coisas se tornam possíveis a nós através da fé, porém, o poder não está na fé, e sim no Deus em que descansa nossa fé. A graça é a locomotiva, e a fé é a cadeia por meio da qual o vagão da alma se vincula ao grande poder motor. O poder está na graça de Deus e não em nossa fé. Grandes mensagens podem ser enviadas através de fios delgados e a paz dá testemunho de que o Espírito Santo pode alcançar o coração por meio de uma fé semelhante a um filamento que parece quase incapaz de sustentar o seu próprio peso. Pense mais Naquele para quem você olha do que em seu próprio olhar. Devemos olhar para longe até mesmo do nosso próprio olhar e ver apenas Jesus, e a graça de Deus revelada Nele.

Os “rios” denotam a pluralidade de abundância espiritual que existe na vida de todos os remidos. Nada é nosso enquanto não nos apropriamos. Se queremos receber riquezas, a coisa da qual se apropria nos enriquece; não é incorreto, mas estritamente correto dizer que é a apropriação da bênção o que nos faz rico. A fé é a mão da alma. Ao esticá-la, se agarra à salvação de Cristo, e assim pela fé somos salvos. “Tua fé te salvou”

Era cego, mas podia ver muito mais que os fariseus, que diziam que podiam ver. Cego, mas sua visão interna viu o Rei em sua beleza, viu o esplendor de Seu trono, e o confessou. Era um mendigo, mas tinha uma alma real, e uma forte determinação soberana que não podia ser reprimida.

Tinha o tipo de mente que habita em homens que são príncipes entre seus companheiros. Ele não ia ser detido por discípulos, não, nem por apóstolos. Ele começou a orar, e vai orar até obter a bênção que busca. Ele não tinha nenhum pensamento acerca de algumas cerimônias que os sacerdotes deviam desempenhar; não tinha nenhuma ideia que lhe tivesse chegado por meio dos médicos. Sua exclamação foi, “Filho de Davi”.

Todos nós temos fé, até mesmo os ateus que costumam dizer “eu não creio em Deus”, mas quando acontece alguma coisa repentina, eles clamam na hora “Meu Deus”. Se nós somos imagem e semelhança de Deus e somos Suas criaturas, com certeza estamos ligados ao nosso Criador através da fé. Vamos entender melhor como é essa ligação entre nós e nosso Criador.

A fé é o cordão umbilical que nos liga a Deus. Quando fomos concebidos éramos apenas uma bolina de sangue, mas, com o tempo o sangue de nossa mãe que entra pelo cordão umbilical vai formando nosso corpinho, cada parte a seu tempo, como também recebemos o alimento necessário para crescermos fortes e sadios e aos nove meses já estamos totalmente formados e maduro para nascer. Quando crescemos costumamos dizer: eu vim da barriga da minha mãe, mesmo não nos vendo sendo gerados, disso temos convicção, mas não sabemos como foi gerada nossa alma, porque nem vimos e ninguém nos contou.

Através de Seu filho Jesus, o Pai vem nos dizer que não estamos sozinhos, mas, que através de nossa fé tudo pode ser mudado. Eram multidões que acorriam até Jesus, porque tinham fé, até mesmo alguns soldados que iriam crucificar jesus lá na frente vieram ter com jesus. Respondeu o centurião: “Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa. Dizei uma só palavra e meu servo será curado. Pois eu também sou um subordinado e tenho soldados às minhas ordens. Eu digo a um: Vai, e ele vai; a outro: Vem, e ele vem; e a meu servo: Faze isto, e ele o faz. Ouvindo isto, cheio de admiração, disse Jesus aos presentes: Em verdade vos digo: não encontrei semelhante fé em ninguém de Israel”.

Nosso corpo foi gerado no ventre de nossa mãe e nossa alma foi gerada no coração de Deus. Nós sabemos que nossa vida aqui é uma passagem, podemos viver, 50 anos, 30 anos, alguns até nem chegam a nascer, temos certeza de que um dia vamos morrer, mas, não sabemos na verdade para onde vamos pois infelizmente muitos de nós colocamos a fé em pessoas, bens materiais, dinheiro, etc... Jesus vem para direcionar nossa fé ao Pai Criador que nos deu a vida e que nos salva por meio da fé. Ninguém cria fé, nascemos com ela, dom de Deus.

A fé é o cordão umbilical que nos liga a Deus. Ela fé vai crescendo ao passo que buscamos conhecimento, oração, entrega, silencio... Nosso coração fica totalmente entregue a Deus a ponto de não se preocupar com o tamanho da fé que temos, mas nos regozijar com os efeitos que ela produz em nós. Não podemos jamais sermos autossuficientes nos achando cheios de fé.

A fé é o cordão umbilical que nos liga a Deus e, de Deus vem o alimento espiritual para a nossa vida. Ele nos sustenta e nos guarda em todos os nossos caminhos. O cordão umbilical é a estrutura que une o bebê à mãe e permite a passagem de sangue, oxigênio, nutrientes. O cordão umbilical é um tubo que liga o organismo da mãe e do bebê. Possui duas artérias e uma veia que levam substâncias que nutrem o organismo do bebê e ainda garantem sua respiração. O cordão umbilical funciona como uma ligação entre mãe e filho e é sem sombra de dúvidas uma das fontes de vida mais rica e fantástica.

Quando lemos João 3:1-5, podemos observar que essa passagem nos revela duas dimensões acerca do Reino de Deus: Ver o Reino, Entrar no Reino. Para ver o Reino é necessário nascer de novo. Todo aquele que foi marcado pela experiência do novo nascimento, foi habilitado a ver em essência o Reino de Deus.

O nascer de novo está relacionado com a vida sobrenatural do Senhor no nosso espírito. Nascer de novo não é somente repetir uma oração, mas sim, algo que traz uma mudança total nas nossas vidas. No texto original lemos da seguinte maneira: (…) é necessário ir nascendo de novo. Isso denota um processo, uma progressão. Nicodemos estava pensando somente num evento, mas Jesus disse que o novo nascimento é um processo que durará toda uma vida, onde as áreas do nosso ser integral progressivamente irão nascendo de novo.

Salvação no grego é a palavra sozo, que significa ser salvo, curado e liberto. A salvação não acontece como um evento, mas como todo um processo. Deus não quer levar apenas a nossa alma para o céu, Ele quer também que o nosso corpo físico seja curado. Assim como o nosso espírito é regenerado, precisamos trabalhar na integração do nosso coração, na restauração da nossa alma, na transformação da nossa mente e na cura do nosso corpo. Jesus disse a Nicodemos que o primeiro nível é nascer de novo para ver o Reino. À medida que vamos nascendo de novo, experimentamos cada vez mais o Reino de Deus.

O segundo nível é nascer da água e do espírito para entrar no Reino. Isso é diferente do nascer de novo. Não significa, como muitos pensam, a representação do Batismo, mas denota uma imersão nas águas da revelação da Palavra que nos permitirão acessar as dimensões sobrenaturais do Reino de Deus. Por isso precisamos ser expostos a uma Palavra Revelada, que não seja apenas letra, mas que tenha a vida que seja capaz de nos inserir o Reino de Deus.

É necessário que os véus da religiosidade sejam removidos da nossa vida para que possamos acessar o Reino sobrenatural. A letra mata, o Rhema vivifica. Em qual dimensão você se encontra?

A salvação nunca foi o alvo de Jesus. Ele nunca pregou a salvação, mas o Reino. A Salvação é apenas a porta de entrada para um Reino sobrenatural. 

Fomos chamados a caminhar no sobrenatural. Fomos chamados a acessar as dimensões sobrenaturais do Reino de Deus.

O que se vê nos dias de hoje é que muitos experimentaram o novo nascimento, contudo se conformaram com essa experiência. Não nasceram das águas de revelação. Não acessaram o Reino. Quando Jesus fala isso a Nicodemos, ele recebe a mensagem de forma natural. Entretanto, devemos sempre ter em mente que toda verdade é paralela. Tal como no natural, assim é no espiritual. Então, para entendermos o processo que se dá no novo nascimento de forma espiritual, veremos como acontece o nascimento de um bebê no natural. É importante ressaltar que quando um bebê sai do ventre da sua mãe, o primeiro que acontece é o corte do cordão umbilical.

Espiritualmente falando, se afirmamos que nascemos de novo não pode ser normal vivenciarmos situações incompletas, oportunidades perdidas, falta de prosperidade, enfermidades, etc. Se nós nascemos de novo, por que nos sentimos presos as ligaduras do passado que não nos permitem acessar as dimensões sobrenaturais que o Pai determinou para nós? Isso nos revela que quando nascemos de novo, precisamos que a nossa origem seja remida e a herança que recebemos dos nossos antepassados, cortada.

Em Ezequiel 16:1-8, nos fala da história de Jerusalém, uma cidade comparada a uma mulher com suas personalidades. Essa é a realidade da maioria das pessoas nos dias de hoje. Pessoas que, ainda que nasceram de novo, não experimentaram todo o processo do novo nascimento nem do nascimento das águas de revelação para acessar e usufruir da plenitude que o Reino de Deus tem para oferecer.

A tua origem e o teu nascimento procedem da terra dos cananeus; teu pai era amorreu, e tua mãe, heteia. Os cananeus eram os habitantes de Canaã, a Terra Prometida. Junto com os amorreus e os heteus, eles faziam parte das sete nações na qual o Senhor ordenou ao povo de Israel destruir. Entretanto, o povo desobedeceu às ordens do Eterno, se misturou e se contaminou, praticando as mesmas abominações deles. Jerusalém não passou pelo processo de remissão da origem.

E, quanto ao teu nascimento, no dia em que nasceste não te foi cortado o umbigo. O que une o bebê a sua mãe é o cordão umbilical. Quando ele nasce, esse cordão é cortado. Do mesmo modo, quando nascemos de novo, deve haver um corte com o vínculo do passado, com toda influência com os nossos antepassados. (…) nem foste lavada com água, para te limpar. Aqui vemos o mesmo que Jesus disse a Nicodemos. A primeira parte do processo é cortar o cordão umbilical.  Mas, é necessário ir nascendo de novo pela revelação da Palavra para entrarmos no Reino. Não podemos nos conformar com a letra. A religião engessa, e não permite o acesso ao sobrenatural.

Precisamos nos lavar com as águas de revelação da Palavra Rhema de Deus. (…) nem tampouco foste esfregada com sal. Essa é uma das razões pela qual a Igreja é tão fraca e doente nos dias de hoje. Na cultura hebraica quando um bebê nascia, era feito uma pasta com azeite e sal. Essa pasta era esfregada no recém-nascido para tirar toda a aderência do ventre, bem como o resto de placenta, e os coágulos de sangue. Assim no espiritual, não é suficiente nascer de novo, mas também toda aderência de morte deve sair da nossa vida. Para isso precisamos do azeite e do sal, ou seja, da UNÇÃO. Onde não há unção, as pessoas continuam com as aderências do passado.

A religiosidade nos deixa com aderências de rebeldia e de incredulidade. Nos leva a pensar que tudo está bem, quando nem conseguimos dominar a própria carne. Isso se deve ao fato de nos focarmos apenas ao novo nascimento e não no processo que o Pai tem para nós. Isaías 10:27 diz que a unção apodrece o jugo e despedaça as cadeias, quebrando todas as aderências. Precisamos desta pasta/unção para nos fortalecer.  Precisamos estar imersos na unção. A unção arrancará de nós tudo aquilo que não é a nossa herança! Essa é a mensagem do Reino. (…) nem envolta em faixas para te proteger.

Na cultura hebraica após o bebê ser esfregado com sal, colocava-se nele fraldas que o envolviam da cabeça aos pés, a fim de que os ossos ficassem alinhados e não houvesse distorção. Se não permitimos nos envolver para que nos corrijam nas áreas da nossa vida, o nosso futuro será distorcido. A religião nos deixa crescer deformes, pois não passamos pelo processo de sermos envolvidos, alinhados e corrigidos das nossas más formações.

Muitos de nós temos pensamentos confusos acerca do amor. O amor do Pai nos leva a Sua Justiça, a Sua Destra, ao Seu alinhamento. Porque Ele nos ama, Ele não permite que permaneçamos distorcidos. O amor permissivo não é o amor do Pai. Ele não nos deixará desprotegidos. Ele nos envolve para nos proteger. Quem não se deixa envolver, não está protegido. Ninguém se apiedou de ti para te fazer alguma destas coisas, compadecido de ti; porém foste lançada fora no campo, pelo nojo de ti, no dia em que nasceste.  E, passando eu por ti, vi-te banhada no teu sangue, e disse-te: Ainda que estás no teu sangue, vive; sim, disse-te: Ainda que estás no teu sangue, vive.  A verdadeira compaixão não é permitir fazer o que você quer, mas tirar de tudo aquilo que não é plano do Pai. O Pai quer passar pelas nossas vidas e cuidar do nosso crescimento e desenvolvimento. Ele quer cortar com toda a herança (iniquidade) que recebemos dos nossos antepassados.

No nascimento é-nos cortado o cordão umbilical físico. Sua função de nos ligar à mãe e nesse contato nos manter vivos, alimentados e seguros, deixa de existir. Muitos, diz a psicologia, ficam presos emocionalmente a este cordão. Isso não é bom. Afinal, precisamos crescer. Não vivemos na “Terra do Nunca” da história de Peter Pan. A vida avança para uma nova etapa. Agora, alimento, segurança e vida nos são dados de outras formas. Mas crescer não é fácil! Às vezes dói. Mas se nesse crescimento cortamos o cordão umbilical físico, o conceito quer nos lembrar, agora positivamente que na família, psicologicamente falando, ele vai existir, ser “elástico” e durar a vida toda. Através desse cordão umbilical elástico há uma segurança extra, sempre presente, que garante elementos básicos para o viver de cada ser humano. Dentre estes o sentimento de pertencimento. Através dele, psicologicamente falando, mantemos uma ligação com a nossa família. Dele decorre que nas dificuldades, não nos sentimos sós, mas pertencentes. Essa visão não nos prejudica, mas serve de alicerce, ou noutra figura de linguagem, de um “porto seguro”. Espiritualmente falando não nascemos com nenhum cordão umbilical (Salmo 51.5; Efésios 2.1). Mas somos enxertados num, pelo Batismo. Este nos une ao Pai Celestial, pela fé em Cristo, criada no Batismo.

Ele, por mais que o tempo passa, serve para nos trazer de volta a grande família da fé. Por meio do Batismo, este cordão umbilical “espiritual”, cria em nosso coração um sentimento de pertencimento e de acolhida. Triste é ver e perceber um grande número de “suicídios” espirituais causados pela ruptura deste cordão e pela inanição espiritual que este afastamento causa. Este vínculo espiritual é elástico. Mas pode ser rompido definitivamente na hora da morte, caso não tenha sido alimentado, mantido, levado em conta, vivido… Mas, belo, relevante e de grande importância, é sabermos que na sua elasticidade, ele nos permite voltar à casa paterna. Assim como a família tem recebido de volta os seus, por causa de decisões infelizes, pelos reveses da vida, etc. também a família da fé está aberta a volta daqueles que partiram expondo-se a morte espiritual. Mas essa família faz mais, Ela vai ao encontro daqueles que anseiam por voltar e ter no coração este sentimento maravilhoso de pertença, de acolhida, de sustento e de amor.

A história do Filho Pródigo, é bem isso. Aquele filho teve uma família para onde voltar. Que bom ser família assim, tipo “porto seguro”. É bom ser igreja assim. E em Cristo nós somos igreja que acolhe, religa pelos sacramentos, vai ao encontro e permite a constante volta… Viva assim em sua família. Garanta a noção de pertencimento a todos os seus integrantes. Se você desejar ir, pense bem antes… É direito seu. Tendo ido, saiba que podes voltar. Não por mérito seu, mas por graça…pela graça de pertencer a uma grande família que vive suprida pela graça de estar unida ao Pai Celeste pelo cordão espiritual da fé.

Abandonar a fé em Deus, é como cortar o cordão umbilical que nos liga ao único ser capaz de realmente alimentar nossa alma. Agir pelas nossas próprias forças, estribados no nosso próprio entendimento, embaçados na nossa visão, no nosso conhecimento, é dizer no fundo do coração: não há Deus, pois, na prática, o que existe para mim sou eu e minha capacidade. A fraqueza da sua fé não destruirá você. Uma mão trêmula pode receber um presente de ouro. A salvação do Senhor pode vir a nós embora tenhamos a fé somente como um grão da semente de mostarda. Porque uma vez exercitada corretamente a fé se converte no motor da natureza inteira. A fé opera de acordo a condição, às circunstâncias, sexo, ou habilidade da pessoa na qual vive, e a melhor maneira que se manifesta é em sua própria forma, não de uma maneira artificial, mas na efusão natural do coração.


Fontes:

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal

http://www.dacruz.org/index.php/2012/10/cordao-umbilical-elastico/
Pr José Daniel Steimetz

http://apostolofernando.com.br/artigos/cortando-o-cordao-umbilical/
Fernando Guillen

Eliana Fialho
https://mais.uol.com.br/view/17263askcth5/fe-04024D1B396AE4914326?types=A&

Charles Haddon Spurgeon
https://www.projetospurgeon.com.br/2012/01/uma-defesa-da-doutrina-da-justificacao-pela-fe-moody-sankey/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...