quinta-feira, 3 de julho de 2014

Pastoreando Crianças

As crianças necessitam urgentemente de homens e mulheres que se submetem à vontade de Deus e se dediquem a pastoreá-las. O momento atual exige isso. O que faz um “pastor” de crianças, que deseja fazer a vontade do Pai?

Os pastores sempre foram conhecidos como profissionais que alimentavam e protegiam os rebanhos, que procuravam as ovelhas perdidas e que livravam dos animais ferozes as ovelhas que estivessem sendo atacadas.

Já vimos o trabalho do pastor à procura da ovelha perdida. Vejamos agora o pastor como aquele que alimenta o seu rebanho.
O termo “pastor” aparece setenta e sete vezes no AT (raah). No grego (poimén) aparece dezoito vezes.

No seu sentido literal, um “pastor” é alguém que cuida dos rebanhos de ovelhas. Aparece pela primeira vez em Gênesis 4:2, referindo-se a ocupação de Abel. Pode-se dizer que, ao lado da profissão de agricultor, é a mais antiga profissão do mundo.

Moisés era apenas um pastor, em Midiã, quando Deus o chamou ao Egito para libertar o povo de Israel, que estava ali escravizado há várias gerações.

Davi era apenas um pastor, em Belém, quando Deus o chamou a fim de liderar o reino de Israel.

Deus é o Pastor de Israel. “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará” (Salmo 23:1). Ver ainda Isaías 40:11; Jeremias 31:10 e Ezequiel 34:12.

No NT Jesus Cristo é o Bom Pastor que deu a sua vida pelas suas ovelhas (João 10:2,11,14,16). Ele é chamado o Grande Pastor em Hebreus 13:20. Em 1 Pedro 2:25 Ele é chamado de Supremo Pastor.

Características do verdadeiro pastor

1) Instrui e guia as ovelhas com a sua palavra e com o seu exemplo, indo adiante delas.
2) Vive bem familiarizado com as suas ovelhas, e elas o conhecem bem, o que indica comunhão e comunicação.
3) É inteiramente devotado ao seu rebanho e dá a própria vida pelas suas ovelhas.
4) Garante a segurança do rebanho, vigiando contra os ataques dos inimigos.
5) É sadio na doutrina, forte na fé, tem prazer em ensinar e é capaz de fazê-lo;
6) Vive uma vida de piedade e manifesta o fruto do Espírito em sua vida;
7) É responsável e perseverante;
8) Busca a santificação, é equilibrado e livre de vícios;
9) Tem boa reputação e não é dado a contendas;
10) Tem uma linguagem sadia e não usa de maledicências ou fofocas;
11) Vive honestamente, não é ganancioso, nem anda atrás do dinheiro;
12) Tem uma boa família, que não lhe traz perturbações;
13) É conhecido pelas boas obras que realiza.

Todas essas características fazem violento contraste com os falsos pastores, que são indivíduos totalmente egoístas e perversos, e que, na realidade, não podem oferecer qualquer vantagem ou bênçãos ao rebanho de Deus. Pelo contrário, há até muitos obreiros e “pastores” que são pedófilos e abusadores de crianças, que ficam muitas vezes acobertados para não ficarem expostos e serem motivos de escândalo. Absurda esta “compaixão” parta com estes “pastores” que são na verdade lobos com pele de ovelha. “A compaixão nem sempre é virtude, quem poupa a vida do lobo, condena à morte as ovelhas”, afirmou o escritor francês Vitor Hugo.

Muito triste também é constatar que em muitos lugares são colocadas pessoas para instruírem as crianças sem que tenham as qualificações necessárias. Diante dos cordeirinhos precisam estar os melhores “pastores e mestres”. Não é tarefa para “qualquer um” realizar.

O PASTOR QUE ALIMENTA O CORDEIRO DE CRISTO!

Mais além da evangelização das crianças, é preciso alimentá-las. O alimento é a doutrina bíblica e saudável. Este é o alimento verdadeiro para as crianças que Jesus chama de seus cordeiros. Ele mesmo diz: “Apascenta os meus cordeiros” (João 21:15).

“Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: Simão, filho de João, você me ama mais do que estes? Disse ele: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse Jesus: Cuide dos meus cordeiros” (João 21:15).

A palavra aqui significa alimentar, cuidar. No versículo seguinte significa governar, dirigir, orientar, fazer tudo o que um pastor tem que fazer com um rebanho. Mas no versículo que fala dos cordeirinhos o significado principal é o de alimentar. Este dever não pode ser negligenciado. Há uma necessidade imperiosa de instruir as crianças na fé. As crianças precisam principalmente aprender a doutrina, a verdade e a vida do evangelho de Cristo. Elas precisam que a verdade da Palavra de Deus lhes seja ensinada com clareza e convicção.

Os que ministram às crianças precisam tornar a doutrina simples; essa será a parte principal do seu trabalho. Ensinar aos pequenos a verdade completa porque as crianças salvas, os cordeirinhos de Jesus, têm que crescer, aumentando a capacidade de saber, de ser, de fazer, de sentir, portanto precisam ser bem alimentadas e bem instruídas.

Elas correm o risco de que sua fome seja satisfeita com a mentira, com o erro, com a má doutrina. O inimigo fará de tudo para ganhar as mentes das crianças. Nós temos que chegar primeiro e ganhar os corações dos pequenos com a mensagem de Deus

Infelizmente, o que se vê hoje é cordeiros e ovelhas sem pastoreio algum, sem alimento. É a época do alimento desprovido de nutrientes e que provoca doenças como câncer e diabetes. Só coisas gostosas e atraentes, lanches, doces, bebidas efervescentes, e tanto mais. Hoje, o que se vê é show, atração, brincadeiras, festas. Onde estão os púlpitos?

O versículo “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele” (Provérbios 22:6) talvez seja um dos mais conhecidos e citados quando o assunto é a criança. No entanto, a questão é a seguinte: Até que ponto acreditamos em sua afirmação e agimos de acordo? O que, de fato, se ensina à criança hoje?

Entremos, por um momento, numa casa cujos pais estão com os filhos nos primeiros anos de sua vida; talvez um deles já iniciando sua experiência na escola. Quais brincadeiras e brinquedos atraem estas crianças? Quanto tempo de conversação os pais têm com os seus filhos? Em que momento todos se reúnem para oração e leitura da Bíblia? Será que a família tem tempo para conversar? Será que faz suas refeições diante da televisão? Será que estas crianças ficam totalmente “ligadas” nos games, nos programas de tv, nos jogos da internet?

Entremos, também, numa sala de aula. Que tipo de ensino recebem as crianças? Será que ouvem que o mundo surgiu por acaso? Ou na seqüência de um processo evolutivo? E que não existe um Criador?
E se entrarmos numa igreja local, encontraremos crianças sendo devidamente orientadas quanto à Pessoa de Deus? Quanto ao evangelho todo da salvação em Cristo? Quanto ao valor e à riqueza da Bíblia, a Palavra de Deus? Ou será que encontraremos apenas entretenimento sem conteúdo e professores despreparados? O que, afinal, está sendo colocado nas mentes das crianças?

Para atrair as pessoas para si, principalmente as crianças, a Igreja está mais empenhada em divertir os seus pequenos. O que mais se vê é um programa atrativo, cheio de atividades interessantes, com barulho, muito movimento, novidades e surpresas. Metodologias com características inovadoras têm surgido. Algumas excelentes, outras nem tanto assim. Metodologias são muitas bem vindas! De qualquer forma, independente da metodologia escolhida o fundamental é: Existe um conteúdo bíblico consistente?

As aulas para as crianças precisam ter conteúdo bíblico, ensino sério sobre a pessoa de Deus, dependência e presença do Espírito Santo, seriedade, respeito, reverência.

Pessoas procuram métodos inovadores, visuais que impressionam, músicas que tenham ritmo e barulho, atividades com movimento, atividades manuais excêntricas... Mas não estão preocupadas com o genuíno leite espiritual. (I Pedro 2:2).

Onde está o ensino que vai livrar a criança do inferno? (Mateus 10:28) Onde está o ensino que vai livrar dos enganos de satanás? (I Timóteo 4:1) Onde está o ensino que vai fazê-lo andar no caminho certo mesmo na velhice? (Provérbios 22:6) Onde está o ensino que leva ao Príncipe da verdadeira Paz? (Isaías 9:6).

Não se trata de ser contra brincar, fazer atividade manual, cantar com ritmo e barulho, nem mesmo contra a diversão! Pelo contrário, tudo isso é importante. O fundamental é colocar, nas programações, em primeiro lugar, o ENSINO DE DEUS.

Onde estão os pastores de crianças que vão ajudar e incentivar as crianças a memorizarem versículos bíblicos? A cantarem músicas com conteúdo cristão? A conhecerem o evangelho e a doutrina através de lições bíblicas bem preparadas? A direcionar toda e qualquer atividade para o ensino, fixação e prática da Palavra de Deus, a Bíblia?

Gilberto Celeti
Superintendente nacional da APEC/Brasil
Revista "O Evangelista de Crianças" ano 58, nº 228, julho/agosto/setembro/2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...