sexta-feira, 25 de julho de 2014

Os Cinco Maridos da Mulher Samaritana


Quando, pois, o Senhor veio a saber que os fariseus tinham ouvido dizer que ele, Jesus, fazia e batizava mais discípulos que João,  (se bem que Jesus mesmo não batizava, e sim os seus discípulos), deixou a Judéia, retirando-se outra vez para a Galiléia.
E era-lhe necessário atravessar a província de Samaria.
Chegou, pois, a uma cidade samaritana, chamada Sicar, perto das terras que Jacó dera a seu filho José.
Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta. Nisto, veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. Pois seus discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos. Então, lhe disse a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana (porque os judeus não se dão com os samaritanos)?
Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.
Respondeu-lhe ela: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva? És tu, porventura, maior do que Jacó, o nosso pai, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, e, bem assim, seus filhos, e seu gado?
Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna.
Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la.
Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e vem cá; ao que lhe respondeu a mulher: Não tenho marido. Replicou-lhe Jesus: Bem disseste, não tenho marido; porque cinco maridos já tiveste, e esse que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade.
Senhor, disse-lhe a mulher, vejo que tu és profeta. Nossos pais adoravam neste monte; vós, entretanto, dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar.
Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai.
Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores.
Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas.
Disse-lhe Jesus: Eu o sou, eu que falo contigo.
Neste ponto, chegaram os seus discípulos e se admiraram de que estivesse falando com uma mulher; todavia, nenhum lhe disse: Que perguntas? Ou: Por que falas com ela?
Quanto à mulher, deixou o seu cântaro, foi à cidade e disse àqueles homens: Vinde comigo e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será este, porventura, o Cristo?
Saíram, pois, da cidade e vieram ter com ele.  (João 4:1-30)

Essa passagem em que Jesus conversa com a mulher samaritana é conhecida e usada por muitos pregadores para mostrar que Jesus não tinha preconceito com nenhum povo ou raça e que a salvação era para todos.
Mas ela tem um significado muito maior do que isso.
É preciso se conhecer a história (principalmente a história de Israel) para entender exatamente o teor desse diálogo.
Samaria e Israel pertenciam há um mesmo reino nos tempos de Davi e Salomão. Esse reino era composto pelas doze tribos de Israel. No século XI a.C. o reino foi dividido em dois: ao sul ficou o reino de Judá, composto pelas tribos de Judá e Benjamin, com sua capital em Jerusalém, e ao norte o reino de Israel, composto pelas outras dez tribos restantes e com sua capital em Samaria.  Os habitantes do reino do sul eram os judeus e os do reino do norte os samaritanos.
Em 722 a.C. o rei Salmaneser da Assíria conquistou o reino de Israel. Com o objetivo de destruir os sentimentos nacionais dos povos conquistados, ele levou muitos dos samaritanos para outras terras de seu domínio e trouxe estrangeiros de outras terras para Samaria. Os samaritanos que ficaram casaram-se com as estrangerias que vieram, da mesma forma que os estrangeiros casaram-se com as samaritanas. Por causa dessa mistura, os judeus não reconheciam os samaritanos como “puros”, e os tratavam com desprezo. Por essa razão a mulher estranhou o fato de Jesus conversar com ela e lhe pedir água, pois os judeus sequer falavam com os samaritanos.
Não quero me alongar com a interpretação do texto, mas gostaria de focar principalmente em mostrar quem eram os cinco maridos da mulher samaritana.
A mulher do texto não tem nome. Ela representava todo o povo de Samaria.
Cinco povos estrangeiros vieram habitar Samaria, conforme II Reis 17:24 “O rei da Assíria trouxe gente de Babilônia, de Cuta, de Ava, de Hamate e de Sefarvaim e a fez habitar nas cidades de Samaria, em lugar dos filhos de Israel; tomaram posse de Samaria e habitaram nas suas cidades”. Esses eram os cinco maridos da mulher samaritana.
Esses povos trouxeram consigo seus costumes, religião e deuses:
Babilônia – cultuavam uma deusa chamada Sucote-Benote.
Cuta – cultuavam o deus Nergal.
Ava – cultuavam deuses Nibaz eTartaque
Hamate – cultuavam a deusa Asima.
Sefarvaim – cultuavam os deuses Adrameleque e Anameleque

O sexto marido era a situação atual em que se encontrava Samaria. Não tinha uma aliança com Deus. Jesus agora era o marido e oferecia a mulher uma aliança eterna.
Jesus não escolheu o poço de Jacó para ter essa conversa com Samaria por acaso. Por causa de toda essa mistura religiosa que Samaria havia passado, eles eram rejeitados pelos judeus. Jesus então diz para Samaria que Ele agora é o “dono do poço”. E é Ele quem agora chama Samaria de volta, e mais, diz para que todos os povos que ali habitavam, que cultuavam outros deuses, que eles também poderiam vir.
A água que Ele estava oferecendo não tinha mais distinção de judeu, samaritano ou gentio. A água era para todos.

Viagem Cultural
http://airtonbc.wordpress.com/

2 comentários:

  1. Graça e paz de Jesus, Pb. Maurício!

    Nunca havia ouvido falar nos cinco maridos dessa forma e pessoalmente não havia relacionado os 5 maridos com as alianças pagãs. Fiquei surpresa ao ler o artigo.

    O importante é que aquela mulher foi salva, liberta para viver uma vida melhor e completa com Jesus.

    Deus o abençoe, irmão Maurício!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima, a palavra de Deus tem suas nuances; e este, sinceramente, é um, que dificilmente alcançaríamos. Trago à memória que há alguns anos atrás, já havia participado uma mensagem assim.
      Verdadeiramente, a palavra do Senhor é poderosa! Saudações fraternas em Cristo.

      Excluir

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...