segunda-feira, 1 de julho de 2013

Roboão - O Líder Insensível e Insensato





"Foi Roboão a Siquém, porque todo o Israel se reuniu lá, para o fazer rei. Tendo Jeroboão, filho de Nebate, ouvido isso (pois estava ainda no Egito, para onde fugira da presença do rei Salomão, onde habitava e donde o mandaram chamar), veio com toda a congregação de Israel a Roboão, e lhe falaram: Teu pai fez pesado o nosso jugo; agora, pois, alivia tu a dura servidão de teu pai e o seu pesado jugo que nos impôs, e nós te serviremos." (1 Rs 12.1-4)



Roboão, filho de Salomão, assumiu o lugar de seu pai quando tinha a idade de 41 anos (2 Cr 12.13). Podemos afirmar que se tratava de um jovem rei. De início o novo monarca precisou lidar com as reivindicações do povo, que reclamava do pesado jugo a que fora submetido. O referido jugo pode ser entendido como trabalho forçado (2 Cr 10.18) ou uma alta carga de impostos.



Diante do pedido do povo, a atitude do rei foi inicialmente sensata, digna de um governante prudente:



"Ele lhes respondeu: Ide-vos e, após três dias, voltai a mim. E o povo se foi." (1 Rs 12.5)



Ao assumir uma liderança, seja ela em qualquer nível, é comum que os líderes tenham uma certa preocupação em agradar o povo, e em buscar meios de promover a sua aceitação imediata. Neste momento muitos falham, pois no desejo de agradar e ser aceito, acabam atendendo algumas solicitações do povo sem analisar melhor a questão.



No caso de Roboão, ele não se afobou, antes pediu um prazo para pensar e decidir sobre a questão. A alteração na carga de trabalho ou de impostos teria que ser avaliada, e as consequências administrativas, econômicas e sociais precisariam ser analisadas. Os efeitos de uma decisão precisam ser pensados a curto, médio e longo prazo. O passo seguinte de Roboão dentro do tempo pedido foi o de consultar os homens idosos que faziam parte do grupo de conselheiros de seu pai.



"Tomou o rei Roboão conselho com os homens idosos que estiveram na presença de Salomão, seu pai, quando este ainda vivia, dizendo: Como aconselhais que se responda a este povo?" (1 Rs 12.6)



Um jovem e sábio líder terá ao seu lado idosos experientes, que poderão lhe auxiliar das mais diversas formas e maneiras, principalmente na condição de conselheiros. Fico impressionado com líderes jovens que não conseguem enxergar o valor dos idosos. Conheço o caso de um companheiro que ao assumir uma congregação percebeu que havia vários diáconos e presbíteros idosos. Expressando um certo ar de preocupação, perguntou ao pastor presidente: - Eu não sei o que vou fazer com tantos velhos. Igual a este jovem líder e obreiro, há muitos precisando entender e descobrir o valor do "velhos".



Roboão, até então, parecia estar indo na direção certa. Diante de seu pedido, os conselheiros idosos responderam:



"Eles lhe disseram: Se, hoje, te tornares servo deste povo, e o servires, e, atendendo, falares boas palavras, eles se farão teus servos para sempre." (1 Rs 12.7)



A resposta dos anciãos precisa ser bem entendida. Em primeiro lugar, encontramos nesse texto o princípio da liderança servidora, que será ampliado nos ensinos e vida de Jesus. O rei não deveria ter uma postura dominadora, mas servidora. Deveria ser alguém que estivesse disposto a colocar os interesses do povo antes dos seus próprios interesses. Há nos dias atuais uma geração de líderes e obreiros que só pensam em seu próprio bem-estar, e no bem-estar da sua família, não se importando com o povo. Não é difícil percebê-los. Quando alguém ousa questioná-los, logo se escondem, se defendem e se protegem por trás do manto do "ungido". Em última instância, tenho a certeza que Deus tratará com os tais líderes que assim procedem. A rica sabedoria do conselheiros idosos deixa claro que o serviço voluntário é algo que se conquista. A verdadeira liderança não se sustenta no cargo ou no título do líder, mas em sua disposição de servir e amar o povo, de pensar nas pessoas antes das coisas. De enxergar e tratar gente, como gente deve ser tratada.



Em segundo lugar, o conselho de "falar boas palavras" não implica que o líder sempre deva atender e agradar ao povo. As boas palavras aqui implicam uma questão de justiça. Nem sempre aquilo que o povo pensa ser o melhor pra si, na realidade o é. A percepção e visão do povo nem sempre é sistêmica, ou seja, nem sempre contempla e considera todas as partes, e as consequências envolvidas na decisão ou escolha a ser tomada. Quando geralmente um grupo procura um líder para fazer uma solicitação, essa solicitação na maioria dos casos visa apenas o melhor par ao próprio grupo. Um líder, antes de atender positivamente um pedido de determinado grupo, precisar analisar as consequências para os demais grupos, e para o trabalho como um todo. Na ânsia de agradar grupos específicos, muitos líderes comprometeram a saúde administrativa e até espiritual da obra. Quando um líder e obreiro não consegue dizer um "não", justificando plausivelmente sua decisão, logo promoverá confusão e perderá o controle em sua gestão. Há casos em que o medo de responder negativamente ao povo está associado ao medo de perder liderados, membros ou congregados. Para fecharmos este ponto, duas coisas precisam ser consideradas e lembradas: o pedido do povo é justo? a solução promoverá um bem maior para todos?



"Porém ele desprezou o conselho que os anciãos lhe tinham dado e tomou conselho com os jovens que haviam crescido com ele e o serviam. E disse-lhes: Que aconselhais vós que respondamos a este povo que me falou, dizendo: Alivia o jugo que teu pai nos impôs?" (1 Rs 12.8-9)



É a partir deste ponto que a insensibilidade e insensatez de Roboão se manifestam. Ele simplesmente desprezou o sábio conselho dos homens idosos, e se voltou agora para buscar orientação com os conselheiros jovens. Voltemos a fazer aqui algumas considerações. Primeiro, o fato de um líder ser jovem, como no caso de Roboão, não significa que todos os líderes jovens são insensíveis e insensatos. Conheço lideranças jovens e sábias, que não abrem mão de bons conselhos. Segundo, nem todo conselho que vem de idosos significa que é bom para o momento e circunstâncias. Idosos também podem falhar em suas análises dos fatos. É preciso que o líder sempre pondere sobre o que escuta, para depois buscar a ação necessária. Terceiro, percebemos no texto que Roboão tinha conselheiros idosos e jovens. Essa mescla é muito boa. Todo líder deveria ter ao seu lado conselheiros e assessores com idade, formação e outras características diversificadas, pois desta forma poderia ter opiniões que contemplariam um mesmo problema e alternativas de soluções por vários ângulos e visões distintas. Assim, como nem todo conselho de um idoso é bom, nem todo conselho de um jovem é ruim. Idosos e jovens se completam, e quando há o respeito e a consideração entre ambos, grandes ideias e ações brotam. No caso dos jovens procurados por Roboão, a insensibilidade e a insensatez prevaleceram:



"E os jovens que haviam crescido com ele lhe disseram: Assim falarás a este povo que disse: Teu pai fez pesado o nosso jugo, mas tu alivia-o de sobre nós; assim lhe falarás: Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai. Assim que, se meu pai vos impôs jugo pesado, eu ainda vo-lo aumentarei; meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos castigarei com escorpiões." (1 Rs 12.10-11)



O justo pedido do povo não foi atendido, pior, a decisão do rei Roboão implicaria em mais injustiça, opressão e exploração:



"Veio, pois, Jeroboão e todo o povo, ao terceiro dia, a Roboão, como o rei lhes ordenara, dizendo: Voltai a mim ao terceiro dia. Dura resposta deu o rei ao povo, porque desprezara o conselho que os anciãos lhe haviam dado; e lhe falou segundo o conselho dos jovens, dizendo: Meu pai fez pesado o vosso jugo, porém eu ainda o agravarei; meu pai vos castigou com açoites; eu, porém, vos castigarei com escorpiões." (1 Rs 12.12-14)



Diante dos fatos, o pior aconteceu, uma indignação geral desencadeou um processo que culminou na divisão do reino:



"Vendo, pois, todo o Israel que o rei não lhe dava ouvidos, reagiu, dizendo: Que parte temos nós com Davi? Não há para nós herança no filho de Jessé! Às vossas tendas, ó Israel! Cuida, agora, da tua casa, ó Davi! Então, Israel se foi às suas tendas." ( 1 Rs 12.15-16)



Quando analisamos todo o acontecimento, dois textos nos chamam a atenção:



"O rei, pois, não deu ouvidos ao povo; porque este acontecimento vinha do SENHOR, para confirmar a palavra que o SENHOR tinha dito por intermédio de Aías, o silonita, a Jeroboão, filho de Nebate." (1 Rs 12.15)



"Assim diz o SENHOR: Não subireis, nem pelejareis contra vossos irmãos, os filhos de Israel; cada um volte para a sua casa, porque eu é que fiz isto. E, obedecendo eles à palavra do SENHOR, voltaram como este lhes ordenara." (1 Rs 12.24)



Longe de promover qualquer tipo de rebeldia e divisão, a lição que extraímos dos versículos acima citados, que claramente afirmam que este "acontecimento vinha do SENHOR", e que "Ele é que fez isto", é a de que Deus trata com lideranças e líderes insensíveis e insensatos das mais diversas formas e maneiras.



Fica aqui o alerta para a atual geração de líderes!



Autor: Altair Germano

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...