terça-feira, 2 de julho de 2013

Jesus Cristo presente: Cristo Exaltado!

"Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis." (Ap 17.14)

Em sua visão, o autor de apocalipse nos demonstra um Jesus Cristo exaltado, acima de todos os poderes opressores de sua época. Soberano, majestoso, poderoso, supremo, são palavras que não conseguem atingir o nível de grandeza desse Jesus apresentado em Apocalipse, ficando assim no coração um sentimento de reverência, algo que não é possível expressar com palavras, como se o próprio coração se curvasse diante de alguém muito maior. A literatura apocalíptica se caracteriza como sendo “literatura do oprimido”, e era um estilo literário comum entre os judeus que foi muito utilizado entre os anos 200 a.C a 200 d.C., onde o oprimido povo judeu simbolizava grandiosas lutas entre o bem e o mal para explicar o porque do sofrimento que passavam sob a servidão a outros impérios, sempre colocando a esperança na promessa de que Deus, um dia os renovaria. No caso do apocalipse do Novo Testamento, o oprimido João (Ap. 1:4) que estava vivendo uma vida complicada de exílio por causa da perseguição de Roma contra os cristãos, decide colocar sua fé na pessoa de Jesus Cristo, entendendo que, acima até mesmo do grandioso Império Romano, Cristo domina sobre tudo e todos e que no final ele iria vencer e conceder a vitória a seu povo. 


Pegando emprestado essa visão de João do Cristo exaltado e assim tendo um sentimento de grande reverência ante o SENHOR do universo, me vem uma pergunta à mente: Como EU MESMO tenho visto a pessoa de Jesus Cristo? Como um cara legal e bonzinho, com uma ovelhinha na mão acenando, como num daqueles quadros religiosos como se estivesse pedindo para um ônibus parar? Será que eu entendo que ele é REI e SENHOR? Será que eu percebo que não posso enganá-lo? Eu percebo a futilidade de tentar esconder alguma coisas daquele que tem os olhos como chamas de fogo (Ap. 1:14), e a loucura de tentar andar em falsidade junto com aquele cujos pés é semelhante ao bronze polido (Ap. 1:15)? Não me entendam mal, eu sei que Jesus é o melhor amigo que alguém pode ter, que ele é humilde e amoroso, mas não devemos esquecer o fato de que ele é DEUS e que nós somos obras de suas mãos. É  esse o Jesus glorificado que o Novo Testamento apresenta. Não tão exaltado ao ponto de ser distante, mas também não tão comum como se fosse um mero “cumpadi”. Quão diferente é esse Jesus SENHOR e REI do Jesus com cara de bom rapaz ou até de retardado mental que aparece em alguns quadros religiosos, e quão diferente é esse Jesus SENHOR e REI, apresentado em apocalipse, do gênio da lâmpada mágica da teologia dos nossos dias que o coloca como um servo mágico para satisfazer os caprichos de uma sociedade consumista. A forma como vemos as pessoas afeta a forma como nos relacionamos com elas. Jesus é o Emanuel, o Deus conosco, o Deus que se fez carne, o Deus do povão, que andava com o povo, que ta pertinho, que chama a todos, cujo fardo é leve, o Jesus gracioso, amoroso, paciente mas... Ele também é o SENHOR dos SENHORES e REI dos REIS, e isso não pode passar desapercebido. Ele exige nosso total comprometimento e obediência a seu Senhoril, prometendo também sua ajuda, graça e tolerância com nossas falhas (Hb 4:15). Essa parte do evangelho não pode ser negligenciada. 

Missionario Pedro Fortunato
JOCUM-A

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...