quinta-feira, 20 de junho de 2013

Jardim Fechado



No livro de Cantares de Salomão, o Espírito Santo emprega a linguagem do Esposo para com a Esposa e vice-versa para mostrar a verdadeira comunhão e intimidade que deve existir entre Ele e a Sua Igreja ou entre Ele e uma alma redimida.



Uma das frases que o Senhor usa para com a alma redimida é «Jardim fechado és tu...» uma coisa em que o Senhor acha prazer, e certamente foi uma das razões principais de o Senhor nos salvar sermos para o Seu prazer. Não veremos nesse jardim a história da nossa alma? Antes de ser jardim era apenas um pedaço de terreno inculto, mato talvez, inútil, produzindo apenas vegetação bravia que gozava constantemente a vida da terra, desfrutava o sol e a chuva e nenhum fruto dava.



Creio que a nossa vida era assim outrora; por quantos anos não recebemos o sol do amor de Deus, a chuva dos seus cuidados, a própria vida d'Ele proveniente sem nada darmos em troca? Tudo quanto recebíamos era para nós, para gastarmos em nosso proveito ou para dissipar no mundo. As raízes das «ervas daninhas» do pecado e perversidade ganhavam cada vez mais força e estendiam-se cada vez mais; onde devia crescer o amor brotava o ódio, onde devia florescer a paz reinava a perturbação, em lugar da benignidade, a maldade, e em vez de produzir alegria as raízes de tristeza e amargura eram cada vez mais e abundantes. O terreno do coração humano sempre produz com abundância, é muito fértil tanto para coisas bravas como para as coisas boas, nunca é árido, sempre produz alguma coisa.



Também aquele terreno antes de ser um jardim fechado podia ser calcado por toda a gente; não havia muro ou vedação alguma, quem quisesse passar por ele podia fazê-lo; era calcado por todos!



O Senhor Jesus na parábola do Semeador falou de semente que caiu ao pé do caminho, onde o terreno estava bem calcado; o coração do incrédulo é um caminho aberto para os pés de todos os vícios mundanos todos têm passagem por tal coração; daí o endurecimento de tantos; estão tão calcados que difícil é para a semente da Palavra de Deus crescer nele.



Mas chegou o dia quando o dono deste jardim fechado o comprou; escolheu aquele pedaço de terreno, mediu-o, pagou o preço exigido e era dele. O crente nunca se esquece do preço com que foi comprado pelo Salvador preço de sangue, a Sua própria vida dada para poder possuir este pedaço de terra dos nossos corações O preço foi grande, nós não compreendemos porque é que Ele estava pronto a pagar assim tão caro por uma coisa tão inútil; está nisso o Seu grande e infinito amor e a Sua glória. Aquele terreno não podia escolher a sua sorte depois, nem podia deixar de se entregar Àquele que o tinha comprado, mas o crente pode recusar entregar ao Senhor o que Lhe pertence; pode não deixar o Senhor do «jardim» fazer o que este dono fez!



Este era um jardim fechado; quer dizer que o dono tratou logo de edificar um muro em volta, separando-o para si só. Agora ninguém podia passar por aquele jardim, estava guardado, ele tinha a chave do portão e só ele tinha o direito de entrar. Creio que a santificação é simplesmente isso o Senhor separa a nossa vida para Ele só, põe urna divisão dentre ela e o mundo de pecado, toma para si o direito de fechá-la contra tudo o que não seja da Sua vontade. Ele só permite que passe por ela o que não faça mal ao «terreno» do coração; é uma questão daquilo que Ele quer e não daquilo que nós achamos lícito.



Há um muro em volta das vossas vidas? Tem o Senhor a chave da porta? É Ele o porteiro ou tendes vós a chave para a abrirdes a tudo quanto vos agrada?



Só depois de ser cercado de um muro começou o verdadeiro trabalho naquele jardim, o trabalho de cavar, arrancar, limpar de pedras, erva, etc. Não valia a pena principiar essa obra antes de haver muro, pois daí a pouco estaria no mesmo estado. Foi o erro daquela pessoa da qual saiu o espírito mau; disse o Senhor que, depois de algum tempo, o espírito voltou e achou a casa realmente limpa, mas vazia ou sem dono; tinha sido liberta do mau mestre mas não se tinha entregado ao Bom Mestre. Pouco valerá a santificação sem a purificação ou a purificação sem a santificação; uma depende da outra para se ter um resultado prático na vida.



Crentes há que se queixam de que as suas vidas continuam no mesmo estado depois de terem pedido que o Senhor as santifique; deixaram que Ele também as purificasse? E impossível manter essa pureza sem o «muro».



O dono deste jardim trabalhou até não haver nem pedras nem ervas daninhas nem nenhuma coisa brava; queria o terreno preparado para outras coisas; ele bem sabia o perigo de deixar tais coisas, pois brotariam, sem dúvida, entre as plantas que ia semear, estrangulando-as.



Como era um jardim fechado, tudo quanto havia lá dentro seria para aquele que tivesse a chave e pudesse entrar para gozar daquela deliciosa fragrância.



“Vem tu, vento norte, e vem tu, vento sul e assopra no meu jardim para que se derramem os aromas”. Desse jardim levavam os aromas das especiarias para outros se de deleitarem neles, O que é que levam da nossa vida? O que é que sai de nós quando estamos abatidos por esses ventos?



Podemos dizer como o apostolo: Graças a Deus que sempre nos faz triunfar em Cristo?



Refrigério Edição n.º 118 - Setembro/Outubro 2007

Autoria: Frank Smith

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...