quinta-feira, 18 de abril de 2013

Campanha de oração ou vida de oração?



Todos dependemos da mútua intercessão. Quem sou eu para achar que possa triunfar sobre as batalhas diárias sem que outros intercedam por mim diante de Deus? Seria um arrogante se pensasse assim. Sei que a oração intercessória de milhares de irmãos por esse Brasil afora me sustenta. Sou grato a Deus por aqueles que se lembram de mim.

Mas o que me traz ao tema são as muitas campanhas de oração promovidas em nossas igrejas para mobilizar o povo a orar. É óbvio que não podemos deixar de ensinar ao povo sobre por que devemos orar. Apenas para ilustrar de forma bem viva, a oração faz parte do nosso metabolismo espiritual. Não é opção. É necessidade.
Mas as campanhas em si mesmas, da forma como muitas vezes são feitas, sem cair no terreno da generalização, ao invés de revelar uma espiritualidade sadia, mostram que alguma coisa está errada. Há algo que não vai bem. Existe alguma fragilidade por trás, diferente da mensagem que querem passar, qual seja a de que a oração é algo desejado, buscado, ansiado, por isso as campanhas.


Vejo por outro prisma. Quando campanhas de oração precisam ser promovidas - com as devidas exceções - é porque ela já entrou no processo de rotinização da igreja, já é algo que se faz como mero rito, já não é fruto daquela espontaneidade dos que, como terra sedenta, têm sede de Deus. É mais um ato enfadonho do culto.
Embora compreenda quem promove campanhas de oração, o que menos precisamos é disso. Precisamos simplesmente orar, assim como respiramos sem que alguém fique a martelar em nossos ouvidos: "anda, respira", a não ser que estejamos morrendo!
Orar, se me permitem, precisa ser permanentemente o nosso estado mental em qualquer lugar, até mesmo quando estamos dormindo!




Geremias Couto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...