terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Quando vencer a data do passaporte



“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz” (Ecl. 3, 1-8).


Depois que nossos primeiros pais pecaram e foram expulsos do Paraíso, começaram a viver em uma terra estranha, como peregrinos e forasteiros. Sentiram-se longe da Pátria, desterrados, num mundo totalmente alheio aos propósitos divinos. Sem luz e sem direção, ficaram desorientados e perdidos.

Apesar de tudo, a misericórdia divina os guardou, concedendo-lhes esperança de um mundo melhor.

Hoje, herdeiros do pecado adâmico, mas, com a vinda de Jesus, podemos receber direção e luz quanto à volta ao lar. Agora, um caminho de graça e verdade se nos descortinou, com a manifestação do Filho de Deus a este mundo, proclamando o Caminho, a Verdade, e a Vida. Ato de puro amor divino!

A misericórdia divina continua a nos exortar: visto ser a nossa Pátria nos céus, como peregrinos e forasteiros aqui neste mundo, devemos nos abster das concupiscências carnais, que combatem contra a nossa alma e olhar para o alto, donde outra vez esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.

Aqui nessa Terra estamos somente de passagem; não é um lugar de descanso. Somos adventícios, estranhos ao planeta, haja vista todas as condições necessárias para viver nele. Outra vez a misericórdia divina nos recorda, quando Deus fez o mundo e tudo que nele há. Deu a todos a vida, a respiração e todas as coisas. De nossos primeiros pais fez toda a geração dos homens para habitar sobre a face da Terra, determinando os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação.

Como nossa vida é apenas uma neblina que aparece e logo se dissipa, devemos vivê-la com temor e destemor, de modo que nossos corações alcancem sabedoria, _ aquilo que nossos antepassados não souberam usar. Não devemos nos preocupar com o aqui e o agora deste mundo: prazeres, conquistas, sucesso, bem-estar; mas, com o que virá quando a neblina da vida desaparecer: após o término de permanência nesse desterro, seguirá o juízo.

Além de peregrinos e forasteiros, somos também Embaixadores da parte de Cristo; e, como nosso visto de permanência aqui na Terra tem um tempo determinado no passaporte, essa carta de Cristo que somos nós, deve ser lida e conhecida por todos os homens a tempo e fora de tempo, fazendo discípulos, evangelizando, reconciliando os homens a Deus.

 Considerando a realidade de que não podemos viver alheio ao nosso tempo de permanência, de que não viveremos para sempre nesta Terra e de que aqui não é o nosso lugar de descanso, procuremos viver sabiamente!

Evangelista Maurício

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...