sábado, 8 de outubro de 2011

Guerreiros do Senhor

As guerras e as batalhas sempre fizeram parte do desenrolar da história da humanidade, desde que houve divisões entre os seres humanos, entre povos e nações sempre houve motivações por diversas questões para que existam esses movimentos. Como todo o combate é necessário que tenham combatentes, homens e mulheres capacitados, corajosos, arrojados e que queiram realmente ir ao campo de batalha para defender sua bandeira. Não obstante no reino espiritual também lutamos e estamos alistados para militar pela causa do nosso grande Yaweh Sabaoth (Senhor dos Exércitos) – o nosso Eterno Deus, mas, no entanto, como um bom combatente, necessitamos de preparo em todos os âmbitos, nos enquadrando dentro do perfil de Deus, para que possamos ser usados no bom combate de Cristo.
Gideão (Jz Cap. 6, 7 e 8), um homem simples que o Senhor se agradou dele e resolveu capacitá-lo para dar livramento ao povo de Israel, que por ora, estava oprimido pelo povo Medianita há sete anos. Cada ano, logo após o tempo da colheita os midianitas vinham junto ao povo de Israel e saqueavam seus celeiros e seus animais deixando-os perecendo. É óbvio que o povo estava sendo oprimido por uma permissão de Deus devido as suas iniqüidades e pecados que haviam distanciado esse povo da presença e da proteção Divina.

O Senhor achou por bem de ouvir o clamor e dar crédito mais uma vez ao arrependimento do povo de Israel, dando fim a esse drama que vivia a nação. Gideão é chamado para comandar essa batalha que o próprio Deus garantiria a vitória, pois, falou o Senhor a Gideão dizendo: “já que eu estou contigo, ferirás os midianitas como se fossem um só homem" (Jz 6:16). O êxito era certo, por que a fonte da vitória era Deus.

Chegando o grande dia da batalha, 32.000 israelitas versus 135.000 medianitas. Se fosse um combate normal já com esse número certamente Israel seria derrotado. O que não era esperado é que o Senhor diminuiria ainda mais o número de combatentes de Israel. Como? Pondo a prova os soldados de Israel e reduzindo o efetivo em duas etapas, a saber:

- Na primeira, Deus diz para Gideão apregoar ao povo: “quem for medroso e tímido, volte, e retire-se apressadamente das montanhas de Gileade. Então voltaram do povo vinte e dois mil, e dez mil ficaram”. Jz. 7:3.

- Na segunda etapa “o SENHOR disse a Gideão: Qualquer que lamber as águas com a sua língua, como as lambe o cão, esse porás à parte; como também a todo aquele que se abaixar de joelhos a beber. E foi o número dos que lamberam, levando a mão à boca, trezentos homens; e todo o restante do povo se abaixou de joelhos a beber as águas.” Jz. 7:5-6.

Vejam só, restaram 300 homens para lutarem com 135.000, um número muito infimo, para vencer o inimigo, cada soldado israelita teria que vencer 450 soldados medianitas. Impossível em razão da lógica, no entanto, a guerra era de Deus e Ele entregou o arraial dos medianitas nas mãos de Gideão e seu pequeno exército através de uma vitória inusitada e milagrosa. Mais uma vez o Nome do Senhor foi exaltado entre a nação eleita.

Nessa passagem bíblica notoriamente podemos extrair alguns requisitos importantes que devem compor a vida de um autêntico guerreiro do Reino dos Céus. Primeiramente Deus mandou embora os covardes e os medrosos. Jamais poderemos nos acovardar ou nos amedrontar diante de nossos adversários, é bem certo que no combate do Reino de Deus muitas vezes as vozes contrárias a nossa fé, números e pressões dos nossos inimigos espirituais parecem ser bem maior do que a nossa própria confiança em Deus, no entanto devemos lembrar o que está escrito no Salmo 20:7-8 “Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do SENHOR nosso Deus. Uns encurvam-se e caem, mas nós nos levantamos e estamos de pé.” Davi só venceu o gigante Golias porque usou do poder de Deus e confiou no Nome do Senhor, por isso, um guerreiro jamais deve temer ou se acovardar diante de seu adversário, antes disso, deve sim, se levantar e combater com coragem e sem temor crendo que o nome de Jesus é poderoso para livrar de todo o intendo contrário a vontade de Deus.

Na segunda seleção de combatentes de Israel, Deus usa de um método um pouco estranho, mas sábio, ele manda embora aqueles que tomaram agua como cães e que se ajoelharam para beber, restando somente aqueles que tomaram água em pé. Um dos simbolos da água na Bíblia é a própria Palavra de Deus. Assim sendo, esse texto nos revela que Deus se agrada e separa aqueles que tomam da água que ele dá, moderadamente e de modo vigilante, equilibrado e temperado. Pedro nos orienta para sermos sóbrios e vigilantes (1 Pe 5:8), ou seja, estarmos prontos para o combate, não descuidados, alheios aos acontecimentos a nossa volta, como que lutando dando socos no ar (1º Co 9:26), mas sim, lutando com objetivo e fazendo uso da água (a Palavra) para termos vigor, ânimo, sabedoria e assim empregar a fé com inteligência no Senhor para vencermos em seu Santo Nome toda a espécie de peleja.

A autenticidade do guerreiro do Senhor será alcançada quando nos fortalecermos no Senhor e na força do seu poder (Ef 6:10) sem temer e sem se acovardar diante dos antagonistas, sendo um guerreiro que usa do poder da sabedoria que verte do Trono da Graça e da Palavra que é vivificada através do Espírito Santo. Subjugando o nosso corpo, e reduzondo à servidão, para que, pregando aos outros, nós mesmos não venhamos de alguma maneira a ficarmos reprovados (1 Co 9:27). Atuando com prudencia e vigilancia como a serpente, mas todavia, usando da simplicidade da pomba (Mt 10:16) para levarmos adiante a propagação do Santo Evangelho de Cristo.

Autor: Ev. Sandro Roberto Soares de Oliveira

Um comentário:

  1. PAZ DO SENHOR, OBRIGADO POR DIVULGAR NOSSOS ESTUDOS, EM BREVE ESTAREMOS PUBLICANDO OUTROS TEMAS.

    EV. SANDRO OLIVEIRA

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...