sexta-feira, 24 de junho de 2011

Peregrinos e Forasteiros

Naturalização é o processo pelo qual um estrangeiro adquire os direitos atribuídos aos naturais dum país, é uma mudança de nacionalidade. É possível alguém fazer isto e ainda manter a sua nacionalidade de origem. É o que fazem filhos de imigrantes, que requererem a nacionalidade da pátria de seus pais, mas sem perder a sua. Os cristãos também são pessoas que mudaram de cidadania, mas não puderam manter as duas nacionalidades, tiveram que renunciar a uma para poder ter a outra.

Os termos que o Novo Testamento usa para referir-se a peregrinos e forasteiros indicam pessoas que habitam em terra estrangeira, terra que não é a sua de origem (At 7.6,29). Poderiam morar pouco tempo (Lc 24.18), ou tornarem-se residentes naquela terra (At 2.10;17.21), mas sempre seriam considerados estrangeiros. Estes mesmos termos são aplicados aos cristãos, indicando que são peregrinos e estrangeiros neste mundo, e também que não são mais peregrinos e estrangeiros quanto ao povo de Deus.

O cristão é um peregrino e forasteiro neste mundo porque foi naturalizado como cidadão celestial (Ef 2.11-19). Houve uma época em que os cristãos não tinham a naturalidade celestial, eram estrangeiros em relação ao povo Deus. Sendo estranhos e inimigos de Deus e Seu reino (Ef 2.11,12; 1 Pd 2.10). Mas a misericórdia de Deus tornou estes cidadãos mundanos em peregrinos eleitos para a cidadania celestial (1 Pd 1.1). Isto se deu por causa e através da morte de Cristo. Esta obra fez a paz, e aproximou aqueles estrangeiros para o reino de Deus, concedendo-lhes a cidadania celestial, e a capacidade de serem da família de Deus. Em relação ao Reino de Deus, os cristãos não são mais peregrinos e estrangeiros (Ef 2.19; 1 Pd 2.9).

Mas o cristão é um peregrino e forasteiro em relação a este mundo e deve manifestar esta situação com um estilo de vida de fé perseverante. Este padrão nos foi dado pelos heróis da fé (Hb 11.9). Eles aceitaram a proposta de Deus para suas vidas, passaram a viver por fé. Por isso tornaram-se peregrinos, morando em tendas, que é uma habitação sem alicerces, de quem não pretende passar muito tempo em um lugar. Eles não fincaram raízes neste mundo, não se sentiram em casa nesta terra. Embora fosse a terra da promessa, eles a encararam como uma terra estrangeira. Não se encantaram com ela. Sua esperança estava em uma cidade que tem alicerces, uma cidade segura para fincar raízes. Eles esperavam a cidade da qual o projetista e construtor é o próprio Deus.

O cristão deve concentrar seus olhos e desejos na terra paterna. Os patriarcas agiram assim (Hb 11.10-16). Abraçaram pela fé as promessas desta pátria celestial, esperaram e saudaram com ansiedade a chegada do navio que iria lhes conduzir para o seu verdadeiro lar. Com este modo de vida confessaram que eram peregrinos neste mundo. Estavam tão concentrados em sua futura pátria que aspiravam fervorosamente por ela. Não sentiam vontade de voltar para a anterior, de fato nem se lembravam da terra de onde saíram. Seu desejo era uma pátria superior, preparada por Deus.

Há algum tempo ouço notícias de brasileiros que viajam para outros países e lá são maltratados. Algumas vezes estes brasileiros estavam viajando sem a autorização necessária por parte dos governantes dos países para onde iam, outras vezes parece que tudo estava bem, e mesmo assim não foram bem recebidos. Esta situação ilustra a vida dos cristãos neste mundo. Os cristãos são peregrinos e forasteiros neste mundo, e por isto nem sempre serão bem tratados (1 Pd 4.3,4). Os homens deste mundo são caracterizados por desejos pecaminosos, que os cristãos já haviam tido e realizado. Mas experimentaram a mudança que Deus operou em suas vidas. Como não mais correm neste rio de devassidão, os descrentes os olham como se fossem estrangeiros, como pessoas estranhas. E por isso passam a difamar e blasfemar.

Os cristãos são peregrinos dispersos neste mundo, mas eleitos para uma vida de obediência e santidade (1 Pd 1.1). Devem se tornar exemplos para os gentios deste mundo. Por isso devem andar longe destes desejos pecaminosos, que fazem guerra contra nossa alma (1 Pd 2.11,12). Devemos lembrar que chamamos por Pai alguém que julga sem fazer acepção de pessoas, e por isso devemos ter um comportamento cheio de respeito e reverência durante nosso tempo de peregrinos neste mundo (1 Pd 1.17).

Você será sempre um peregrino e forasteiro. Ou será um peregrino e forasteiro para o Reino de Deus, sendo um cidadão deste mundo. Ou será um peregrino e forasteiro para este mundo, por ter se tornado um cidadão do reino celestial. Sendo um cidadão do reino de Deus, você deve ter uma fé perseverante, e uma vida que rejeita os desejos pecaminosos deste mundo e andar em santidade e obediência a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...