terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Da manjedoura para a cruz

Em pensamento acompanhemos o jovem casal, Maria e José, em sua longa e penosa jornada até Belém. Pois lá – e em nenhum outro lugar do mundo! – deveria nascer o Salvador da humanidade como uma criança judia. Deus o predisse ao profeta Miquéias 700 anos antes: “E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” (Mq 5.2).
Belém-Efrata, um pequeno lugarejo situado entre vinhedos e olivais, é a cidade judaica onde nasceu o rei Davi. Exatamente ali nasceu também o Messias, o futuro Rei dos reis. Belém significa casa do pão e Efrata quer dizer frutífero. Belém, pequena cidade! Como esse lugar é precioso para nós! Como nos faz feliz a época do Natal! Mas para o Messias, para o Rei e Senhor, não se achou um abrigo ou um lugar de acordo com sua importância.
Estrebaria e manjedoura não têm relação alguma com romantismo e meiguice, pois testemunham amarga pobreza. Porém, Deus o quis assim. O Senhor planejou que Seu Filho não tivesse um palácio à disposição. Sua vida sobre a terra foi, desde o primeiro momento, caracterizada por pobreza e privação. O caminho de Jesus nesta terra começou em uma manjedoura e terminou na cruz do Calvário.
Como o único sacrifício determinado por Deus, Ele trouxe expiação para nossos pecados através de Seu sangue. No madeiro maldito Ele trouxe salvação para nós pecadores. Isaías o profetizou muito tempo antes: “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca” (Is 53.7).
Dessa forma Deus nos presenteou Seu Filho Jesus no Natal – e o que fizemos de Seu aniversário? Uma festa de consumo e luxo! Será que pensamos em Seu nascimento quando estamos sentados à mesa da ceia do Natal, rodeados de familiares e amigos ou na hora em que abrimos nossos presentes?
Belém! Aqui, neste lugar, o céu se abriu e os anjos trouxeram as boas-novas a um grupo de humildes e amedrontados pastores que guardavam suas ovelhas durante a noite. A mesma mensagem que encheu seus corações de alegria é anunciada a cada um de nós ainda hoje: “E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem” (Lc 2.9-14).
Será que pensamos no nascimento de Jesus quando estamos sentados à mesa da ceia de Natal rodeados de familiares e amigos ou quando abrimos nossos presentes?

Agora Ele havia chegado! A prometida luz, a brilhante estrela da manhã, da qual os profetas falaram: “O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz” (Is 9.2). Em cumprimento de profecias do Antigo Testamento, Jesus falou a Seu povo: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida. Eu vim como luz para o mundo, a fim de que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas” (Jo 8.12; 12.46). Ele fala hoje a você e a mim! Quem permitir que a luz da graça de Deus, que é Jesus, ilumine sua vida, participará do Seu reino de paz e alegria.

Chamada da Meia Noite

Um comentário:

  1. Lindo! Precisamos percorrer este caminho com a Sagrada Família sempre. Feliz Natal! Visite também meu blog, utilizei a mesma imagem que vc em meu último post http://kindofrelease.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...